⚠️ DIVIDENDOS EM RISCO? Lula e Bolsonaro querem taxar seus proventos e podem atacar sua renda extra em 2023. Saiba mais aqui

2022-09-21T17:16:12-03:00
Liliane de Lima
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formada pela PUC-SP, já passou pelo portal DCI e setor de análise política da XP Investimentos.
RIQUEZA GLOBAL

Mundo ‘ganhou’ 46 mil super-ricos e Brasil passou a contar com 266 mil milionários em 2021; confira

Segundo o relatório do Credit Suisse, o Brasil ocupa a 18ª posição entre os 20 países com maior número de super-ricos do mundo, à frente de Singapura e Holanda

21 de setembro de 2022
16:39 - atualizado às 17:16
super-ricos do mundo, segundo o Credit Suisse
Imagem: Shutterstock

“Onde o rico cada vez fica mais rico e o pobre cada vez fica mais pobre”. O sucesso do grupo As Meninas é de 1999, mas segue atual. No ano passado, marcado pela pandemia e pela crise global — com inflação e desemprego —, houve o registro também da entrada de novos milionários no planeta. 

De acordo com o relatório anual do Credit Suisse, o mundo ganhou 46 mil "super-ricos” em 2021, ou seja, pessoas que possuem uma fortuna estimada em mais de US$ 50 milhões (R$ 258,5 milhões no câmbio atual). O número representa um crescimento de 21% em relação a 2020.

Cerca de 5,2 milhões de indivíduos se tornaram milionários no ano passado, totalizando 62,5 milhões de ricos — com patrimônio superior a US$ 1 milhão. Deste, 59 mil são brasileiros. 

Os super-ricos…

Os novos membros do seleto grupo mundial são, principalmente, residentes nos Estados Unidos, seguido por China, Canadá, Índia e Austrália. 

Além disso, a maior economia do mundo segue no topo da pirâmide da riqueza, com mais de 140 mil pessoas com o patrimônio líquido acima dos US$ 50 milhões.

“Nos Estados Unidos, as famílias afro-americanas e hispânicas tiveram o maior aumento percentual de riqueza — 22,2% e 19,9%, respectivamente — em 2021, graças ao aumento da riqueza não-financeira, principalmente habitação”, detalha o relatório do banco

Enquanto isso, Suíça, Hong Kong, Turquia e Reino Unido foram os países que reduziram o número de ricos. A queda maior foi sentida nas terras britânicas, onde 1.130 pessoas deixaram de ser “super-ricos”. 

… e a desigualdade 

 “As perdas de riqueza foram menos comuns e quase sempre associadas à desvalorização da moeda em relação ao dólar americano, afetando, por exemplo, Japão, Itália e Turquia”, diz o documento. 

O relatório do Credit Suisse também aponta que o “orte aumento dos ativos financeiros em 2021, resultou no avanço da desigualdade no mundo.

Mas para quem quiser enxergar o copo meio cheio, uma boa notícia: considerando o período deste século  —  ou seja, a partir dos anos 2000  — a diferença de renda caiu devido ao “crescimento mais rápido alcançado nos mercados emergentes”.

Super-ricos: onde fica o Brasil nesta história?

Segundo o relatório do Credit Suisse, o Brasil é o país com maior desigualdade de riqueza da América Latina, ainda que o país tenha fornecido “alívio significativo à pandemia”, como por exemplo o auxílio emergencial de R$ 600. 

Em 2021, a parcela de 1% da população mais rica no país era dona de 49,3% da riqueza, contra 44,2% no ano anterior. Entre os 20 países com mais super-ricos do mundo, o Brasil ocupa a 18ª posição, à frente de Singapura e Holanda. 

O banco ainda destacou que os países da América Latina foram os que sofreram impactos de saúde mais graves do que qualquer região durante a pandemia. 

“Isso significa que as pessoas mais jovens que eram vulneráveis à perda de emprego provavelmente teriam reduzido suas economias, incorrido em mais dívidas e experimentado uma diminuição da riqueza.”

LEIA TAMBÉM: A vida de Jorge Paulo Lemann por trás da Ambev: conheça os segredos e ensinamentos do homem mais rico do Brasil

Perspectivas de riqueza global

No ano passado, a riqueza global se manteve acima dos 12 dígitos, a US$ 463,6 trilhões. 

Ainda que vários países estejam enfrentando um crescimento mais lento ou até a recessão, o banco espera que a fortuna mundial aumente cerca de US$ 169 trilhões nos próximos cinco anos. 

O número de milionários também deve crescer: o Credit Suisse acredita que o mundo tenha, em 2026, 87 milhões de pessoas com patrimônio superior a US$ 1 milhão.

No Brasil, em particular, a projeção é de que a quantidade de milionários suba de 266 mil para 572 mil, o que representa um aumento de 115%. 

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

A FORÇA DO VENTO

Copel (CPLE6) desembolsa R$ 1,8 bilhão por complexos eólicos no Rio Grande do Norte; veja detalhes

6 de outubro de 2022 - 19:49

A companhia destaca que os dois complexos estão um região que é considerada como “uma das melhores do mundo para a geração de energia de fonte eólica”

ELEIÇÕES 2022

Lula cede espaço para Bolsonaro no Nordeste e perde 9 pontos, segundo pesquisa Genial/Quaest

6 de outubro de 2022 - 19:25

O petista ainda segue liderando as intenções de voto na região onde sempre foi líder absoluto nas pesquisas, mas avanço do rival é um movimento significativo

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa emplaca mais uma alta, a disparada da Mobly (MBLY3) e o Nobel de Literatura; confira os destaques do dia

6 de outubro de 2022 - 18:51

Ao longo desta semana, o Ibovespa e os principais índices de Wall Street estão seguindo caminhos distintos.  Enquanto na B3 a alta do petróleo e a repercussão positiva do primeiro turno das eleições seguem levando a bolsa a patamares cada vez mais próximos dos 120 mil pontos, Nova York continua de olho na inflação e […]

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa pega carona com o petróleo mais uma vez e vai na contramão de NY; dólar também avança

6 de outubro de 2022 - 18:35

Embora o dólar tenha acompanhado a tensão internacional, o Ibovespa voltou a ir na contramão de Nova York com a ajuda do petróleo

UM PÉ NO TÚMULO

Fundo imobiliário MFII11 volta ao ramo de cemitérios com compra de participação em consórcio de serviços funerários

6 de outubro de 2022 - 18:26

O FII detém 35% do Consórcio Cortel São Paulo, responsável pela gestão, operação, manutenção e exploração de cinco cemitérios na capital paulista

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies