🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-03-09T14:41:21-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Alívio no câmbio

Dólar a R$ 4,80 e juros baixos nos EUA: as previsões do Seleção Empiricus para a economia global em meio à guerra

Para os especialistas do Seleção Empiricus, o dólar tem espaço para continuar caindo; em paralelo, o Fed não será tão firme na alta de juros

9 de março de 2022
13:29 - atualizado às 14:41
Imagem mostrando uma cédula de dólar no primeiro plano e um gráfico indicando queda ao fundo; indica a correlação entre o câmbio e a bolsa
Imagem: Shutterstock

A guerra entre Rússia e Ucrânia já traz desdobramentos palpáveis à economia global: o barril do petróleo Brent chegou a romper os US$ 130, indo às máximas desde 2008. Os desdobramentos, no entanto, não param por aí, segundo os especialistas do Seleção Empiricus — o conflito no leste europeu deve provocar uma grande revisão nos planos do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) para os juros e desvalorizar ainda mais o dólar ante o real. Para assistir à íntegra do programa, é só dar play no vídeo abaixo:

João Piccioni, analista da Empiricus, faz duas previsões bastante agressivas e que destoam do consenso do mercado no momento. Para ele, o Fed irá subir os juros da economia americana na reunião de março, mas vai parar por aí — muitos bancos e casas de análise falam em cinco ou mais altas ao longo de 2022. E, para o câmbio, ele acredita que o dólar à vista poderá cair ainda mais, indo ao patamar de R$ 4,80.

E quais as bases para essa visão tão ousada?

Tudo parte de uma espécie de uma espécie de 'erro de percepção': enquanto a narrativa predominante no começo do ano era a de que as economias ocidentais estavam em rota de crescimento forte, a análise cuidados dos dados econômicos mostrava que, na verdade, uma desaceleração já estava em curso — e a guerra entre Rússia e Ucrânia pega o mundo justamente nesse estágio de desaquecimento.

"Na verdade, estamos chegando ao final do ciclo de crescimento. Vamos entrar num outro ciclo agora, que seria de aperto econômico — mas, por acaso, ele não vai vir", diz Piccioni, referindo-se à postura do Fed. Afinal, uma coisa é subir juros numa economia aquecida, mas outra é fazê-lo num ambiente já em deterioração.

A visão também é embasada por estudos conduzidos pela distrital de Atlanta do Fed, indicando que a simples retirada de estímulos da economia — processo que já está em andamento pelo BC americano desde o ano passado — já têm funcionado, de certa forma, como um aperto monetário. Ou seja: é como se as inúmeras altas de juros projetadas para 2022 já estivessem em andamento.

A eclosão da guerra no leste europeu, assim, traz mais uma camada de complexidade às decisões do Fed. Por um lado, é esperado um aumento da inflação no país, dada a alta nos preços de commodities e alimentos; mas, por outro, uma elevação de juros enfraqueceria ainda mais a economia americana, justamente num momento em que ela precisa estar funcionando.

"O mercado vai ficar bem… atordoado com essa questão", diz Piccioni. "Mas o Fed não vai ter ferramenta pra mexer com juros, porque senão ele vai jogar a economia americana numa recessão brava, daquelas que ele não gosta de ver".

Ficou curioso para saber também as perspectivas de impacto do conflito na economia brasileira? No nosso Instagram (clique aqui para nos seguir), explicamos como a guerra na Ucrânia pode posicionar a B3 em uma trajetória de valorização.

Nos acompanhando por lá você também recebe análises de mercado, riscos da bolsa, apurações exclusivassobre investimentos e dicas de carreira e empreendedorismo. Não fique de fora, siga-nos e faça parte da nossa comunidade de investidores. Confira nosso conteúdo abaixo.

 

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

 

Uma publicação compartilhada por Seu Dinheiro (@seudinheiro)

Voltando ao assunto, juros baixos, dólar em queda

E qual o efeito disso tudo para o Brasil?

Para o analista da Empiricus, esse contexto de economia em desaceleração e pressões inflacionárias ainda relevantes nos EUA tende a enfraquecer os ativos americanos — ele, inclusive, aposta numa desvalorização adicional das bolsas de Nova York antes que as boas oportunidades de compra apareçam.

Dito isso, a segunda previsão agressiva diz respeito à taxa de câmbio: Piccioni acredita que o dólar à vista poderá cair ao nível de R$ 4,80, dando continuidade ao alívio visto desde o começo do ano. É uma cotação que não é vista desde março de 2020, num momento ainda anterior à pandemia.

Uma postura menos agressiva do Fed, mantendo os juros estruturalmente baixos e não promovendo tantas altas quanto se imagina, daria forças ao real frente ao dólar. O chamado diferencial de juros — a diferença entre as taxas do Brasil e dos EUA — ficaria mais elevado que o previsto, o que atrairia um fluxo de recursos ao nosso país.

Vamos a um exemplo prático:

  • Hoje, a Selic está em 10,75%, e os juros americanos estão na faixa de 0% a 0,25%. Portanto, fazendo uma subtração, o diferencial está entre 10,50% e 10,75%;
  • Pelo relatório Focus, espera-se que a Selic feche o ano em 12,25%; nos EUA, num cenário de seis elevações de juros, cada uma de 0,25 ponto percentual, chegaríamos a uma taxa de 1,5% a 1,75%;
  • Considerando essas premissas, o diferencial ao fim de 2022 continuaria sendo de 10,50% a 10,75%;
  • Mas, se o Fed subir juros apenas uma vez, as taxas nos EUA ficariam entre 0,25% e 0,50%;
  • Portanto, nessa hipótese, o diferencial ao fim de 2022 seria maior, de 11,75% a 12%.

E qual a importância do diferencial de juros? Bem, quanto maior essa taxa, mais atrativo é o investimento. Numa explicação simples, o diferencial é o quanto um aporte no país rende a mais que uma aplicação num título do governo americano.

É verdade que o investidor que redireciona seus recursos com base no diferencial de juros tem um caráter mais especulativo — essa alocação não será feita no longo prazo e não visa um posicionamento estrutural em relação ao Brasil. Ainda assim, esse fluxo é capaz de trazer alívio ao câmbio no curto prazo.

E, falando em fluxo: desde o começo do ano, os estrangeiros já ingressaram com R$ 69,7 bilhões na bolsa brasileira — um volume que, por si só, explica o alívio no dólar. Os motivos para essa mudança de percepção dos gringos em relação ao mercado local podem ser lidos aqui.

Para acompanhar todo o racional de João Piccioni, analista da Empiricus, em relação ao dólar, os juros americanos e a economia global em meio à guerra, basta dar play no vídeo abaixo — ele já está programado no trecho em que ele começa a falar sobre o tema:

O Seleção Empiricus vai ao ar às terças-feiras, às 19h, no YouTube e no LinkedIn. Victor Aguiar, repórter do SD, e João Piccioni, analista da Empiricus, apresentam o programa e recebem convidados para discutir os principais acontecimentos da agenda econômica e seus desdobramentos para os investimentos.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

FRUTOS DO CASAMENTO

Localiza (RENT3) e Unidas (LCAM3) apresentam relação de troca final de ações; veja quanto os acionistas receberão

Mais cedo, a Superintendência-Geral do Cade aprovou, sem restrições, a venda de parte da frota da Unidas para o Grupo Brookfield, dono da locadora Ouro Verde

NOITE CRIPTO

Bitcoin (BTC) faz malabarismo para enfrentar volatilidade e seguir acima de US$ 20 mil; confira cotações

O cenário macroeconômico pesou no universo cripto e se juntou à falta de liquidez, exercendo importante fonte de pressão

AGRO EM ALTA

Governo oferecerá mais de R$ 340 bilhões para produtores rurais no novo Plano Safra; valores entram em vigor em julho

O programa do governo federal prevê o direcionamento de recursos públicos para financiar e apoiar a agropecuária nacional

O SOL HÁ DE BRILHAR MAIS UMA VEZ

Cemig (CMIG4) amplia presença em energia solar em negócio milionário; confira os detalhes do negócio

A transação envolve três usinas fotovoltaicas e reforça a estratégia da companhia de crescimento sustentável no mercado de geração distribuída

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa abaixo dos 100 mil novamente, presidente da Caixa pede demissão e o salvador do mundo cripto; confira os destaques do dia

As últimas semanas parecem ter inaugurado um novo modus operandi no mercado financeiro: não há boa notícia ao amanhecer que perdure até o anoitecer.  Alta de commodities, alívio no cenário fiscal, retomada econômica chinesa. Pode escolher a sua arma, nada parece forte o suficiente para enfrentar o temor de uma recessão global e de um […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies