ESQUEÇA BITCOIN: outra criptomoeda de R$ 4 pode valer R$ 80 em breve; conheça aqui

Cotações por TradingView
2022-12-08T14:07:03-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Mudança a caminho

CVM prepara novas regras para fundos, e pessoa física terá acesso a investimentos hoje restritos a milionários; veja o que muda

Segundo a Anbima, revisão da regulação dos fundos de investimento será divulgada até o fim deste ano; saiba como as mudanças afetam os cotistas

6 de dezembro de 2022
15:39 - atualizado às 14:07
Site da CVM
Hoje restritos a investidores qualificados, FIDCs passarão a ser oferecidos também a investidores de varejo. - Imagem: Shutterstock

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) prepara, desde 2020, uma revisão das regulações que regem os fundos de investimento no Brasil. E, agora, finalmente, as novas regras serão divulgadas, e isso deve acontecer até o fim deste ano.

Em workshop para jornalistas realizado nesta terça-feira (06), a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) adiantou algumas das mudanças que serão anunciadas pela CVM nas regras dos fundos de investimento e como elas devem afetar os cotistas, inclusive as pessoas físicas que investem nesses veículos.

As alterações serão feitas nas Instruções CVM de números 555 e 356. A primeira rege os fundos de investimento, e a segunda é a legislação específica concernente aos Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDCs).

FIDCs para qualquer investidor

A principal mudança que diz respeito aos investidores pessoas físicas certamente é a abertura dos FIDCs ao público em geral, incluindo o varejo. Hoje, esses fundos são restritos aos chamados investidores qualificados, aqueles que têm, no mínimo, R$ 1 milhão em aplicações financeiras e/ou algum tipo de certificação profissional do mercado de capitais.

Os FIDCs são fundos que investem, como o próprio nome diz, em direitos creditórios, recebíveis transformados em ativos, que podem ser negociados no mercado financeiro.

Os recebíveis são os direitos de receber algum fluxo de pagamentos - por exemplo, de receber os pagamentos parcelados de uma loja, que justamente vende esses direitos a investidores com desconto a fim de antecipar o recebimento daquilo que seus clientes lhe devem.

Mas há outras mudanças nas regras de funcionamento dos fundos, principalmente no que diz respeito às responsabilidades dos cotistas e das instituições financeiras envolvidas. As principais são:

  • Gestora e administradora passam a dividir responsabilidades na contratação de prestadores de serviços dos fundos. A medida amplia o envolvimento e a responsabilidade da gestora. Hoje, é a administradora a responsável por todas as contratações. Com a nova norma, a gestora cuidará de algumas delas, como a do distribuidor e a da consultoria de investimentos, enquanto a administradora permanecerá responsável por contratar outras, como a auditoria. A atualização da regra não determina quem contratará o custodiante, mas a Anbima sugere que seja a administradora;
  • Fundos poderão prever responsabilidade limitada ou ilimitada para os cotistas: hoje, por padrão, cotistas podem ser chamados a aportar mais recursos em caso de perdas em valor superior ao patrimônio do fundo. Nova regra prevê que cada fundo possa estabelecer se a responsabilidade será ilimitada, como é hoje, ou limitada, isto é, que os cotistas só responderão até o valor das suas cotas;
  • Fundos poderão passar a pedir insolvência: tendo em vista o item anterior, os fundos de investimento poderão passar a pedir insolvência, seguindo a mesma legislação das empresas, caso cheguem a ter problemas de liquidez e não possam pedir novos aportes dos cotistas;
  • Fundos poderão passar a ter classes e subclasses dentro da mesma estrutura, voltadas a diferentes ativos (ações, renda fixa, câmbio) ou mantendo os fundos master e os fundos-espelho sob o mesmo chapéu, tudo com patrimônio segregado. O obstáculo para colocar esse ponto em prática por ora, segundo a Anbima, são as tributações diferentes para cada classe de ativo.

Na audiência pública que tratou da atualização das normas dos fundos, a Anbima propôs ainda que cada prestador de serviço ficasse responsável apenas pelas suas funções, não havendo mais necessariamente a corresponsabilidade da administradora. Mas a minuta da CVM trouxe uma série de situações em que a solidariedade deve existir entre os prestadores, principalmente no caso dos fundos de varejo.

*Matéria atualizada em 07/12/2022 com correção da Anbima a respeito da responsabilidade dos prestadores de serviço dos fundos na nova regra.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

DIA 33

Pedalada na Americanas? Não, motociata! Lula quebra silêncio, fala sobre a varejista e compara Lemann a Eike

2 de fevereiro de 2023 - 20:30

Presidente não economiza nas palavras e diz, sem apresentar provas, que a Ambev — da qual Jorge Paulo Lemann também é acionista — deve ser a próxima a apresentar problemas contábeis

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa ignora alta do Nasdaq e recua forte, o novo pesadelo da Oi (OIBR3) e outros destaques do dia

2 de fevereiro de 2023 - 19:02

Nesta quinta-feira (02), o mercado esperava uma bela ressaca após mais uma edição da Super Quarta — com decisões de política monetária no Brasil e nos Estados Unidos —, mas a dor de cabeça para a bolsa brasileira teve origem em outro lugar.  As palavras dos dois BCs mexeram com a curva de juros e […]

QUE MORDIDA!

Apple vê lucro cair pela primeira vez desde 2019 e ações caem em NY — saiba o que abocanhou um pedaço da maçã no 4T22

2 de fevereiro de 2023 - 18:40

A receita da fabricante de iPhones, por sua vez, registrou a maior queda em base anual desde setembro de 2016

TRIMESTRE COM BARREIRAS

ChatGPT, questões com a justiça e demissões — os vilões do resultado da dona do Google no 4T22

2 de fevereiro de 2023 - 18:18

Uma das principais ameaças para a Alphabet é o OpenAI — a Microsoft tem planos de anexar respostas em linguagem natural ao mecanismo de buscas Bing, acirrando a concorrência com o Google

Sem cashback

Prejuízo de bilhões: Amazon frustra no 4T22 e fecha um ano no vermelho pela primeira vez desde 2014; ações caem 4%

2 de fevereiro de 2023 - 18:17

A Amazon fechou o quarto trimestre com lucro de US$ 278 milhões, ficando abaixo das expectativas dos analistas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies