Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-01-11T20:27:01-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
depois do baque

Vendas da Moura Dubeux sobem 50% no 4º trimestre

Incorporadora lançou no quarto trimestre seis empreendimentos; no ano, foram 10 projetos em meio ao processo de abertura de capital

11 de janeiro de 2021
20:25 - atualizado às 20:27
Diego Villar, CEO da Moura Dubeux
Diego Villar, CEO da Moura Dubeux - Imagem: Divulgação

A incorporadora Moura Dubeux registrou R$ 305 milhões em volume de vendas no quarto trimestre de 2020, segundo prévia operacional divulgada pela empresa nesta segunda-feira (11).

O desempenho representa um avanço de 49,8% na comparação com os três meses anteriores e de 0,2% sobre o mesmo período de 2019. A prévia reforça a intepretação de recuperação do mercado após o baque com a pandemia.

A Moura Dubeux abriu capital em fevereiro de 2020 e desde então os papéis acumulam baixa de 47%. No IPO (oferta pública inicial), a incorporadora captou R$ 1,25 bilhão, com o objetivo - nem sempre bem visto pelo mercado - de abater dívidas.

A empresa ainda informou nesta segunda que lançou no quarto trimestre seis empreendimentos. No ano, foram 10 projetos, em um VGV Bruto (valor geral de vendas) de R$ 791 milhões - o que representa avanço de 107% na comparação com 2019.

Histórico

Fundada em Recife há 37 anos pelos irmãos Aluísio, Gustavo e Marcos José Moura Dubeux, todos engenheiros, a Moura Dubeux começou focada em imóveis de alto padrão e segunda residência, mas hoje atua em todos os segmentos.

A empresa tem presença em cinco estados nordestinos: além de Pernambuco, também Alagoas, Bahia, Rio Grande do Norte e Ceará. Líder na região e com marca reconhecida, a companhia não tem intenção, ao menos por ora, de se expandir para fora do Nordeste.

Segundo o CEO, Diego Villar, em entrevista recente ao Seu Dinheiro, há muito potencial ainda para se explorar na região, que é o segundo maior mercado imobiliário do Brasil. A empresa está bem posicionada para isso, diz o executivo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies