Menu
2021-01-06T18:31:26-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
ganho inesperado

Petrobras pode ter valorização de até 16,5% com corte da produção de petróleo, diz XP

Decisão da Opep+ leva analistas da corretora a elevar preços-alvo dos papéis e reiterar recomendação de compra

6 de janeiro de 2021
10:21 - atualizado às 18:31
Plataforma P-61 da Petrobras
Plataforma P-61 da Petrobras - Imagem: Shutterstock.com

A intensidade do aumento do preço do barril de petróleo no mercado internacional no pregão de terça-feira (5) foi tamanha que a XP Investimentos decidiu elevar o preço-alvo para as ações da Petrobras, vendo um potencial de alta na casa dos dois dígitos.

Os analistas Gabriel Francisco e Maira Maldonado resolveram aumentar o preço-alvo para as ações ordinárias (PETR3) e preferenciais (PETR4) de R$ 32,00 para R$ 35,00, representando um potencial de alta de 15,1% e 16,5% ante o fechamento de terça-feira (5), respectivamente. Eles reiteraram a recomendação de compra para os papéis.

O consenso alcançado pelos países da Opep+ (grupo formado pelos membros originais da Organização dos Países Exportadores de Petróleo, mais aliados como a Rússia) para reduzir a produção de petróleo forçou os analistas da XP Investimentos a revisarem suas estimativas para os preços do petróleo tipo Brent, levando à mudança dos preços-alvo das ações.

Eles projetam agora que a commodity fechará 2021 cotada em US$ 52,96 o barril, uma diferença de 9,9% ante o que esperavam anteriormente. Para 2022, a projeção é de US$ 51,03 o barril, acima dos US$ 48,28 projetados inicialmente.

“Vemos o anúncio da Opep+ como positivo, por sinalizar menores pressões do lado da oferta de petróleo em um momento em que há potenciais incertezas de curto prazo relacionadas a fatores como o surgimento da nova cepa do vírus causador da covid-19 e a imposição de lockdowns em países europeus como Reino Unido e Alemanha”, diz trecho do relatório.

Para o médio e longo prazo, os analistas da XP Investimentos demonstram otimismo em relação aos preços do petróleo, com o avanço das vacinações contra o novo coronavírus pelo mundo. Isto deve provocar uma rápida recuperação da demanda por combustíveis e derivados de petróleo.

“Assim sendo, em um horizonte de médio prazo (6-12 meses), estimamos que os preços de petróleo Brent se recuperem para o patamar de US$ 55,00 a 60,00 o barril, nível de preços que remunera os produtores de petróleo de xisto nos Estados Unidos, os quais consideramos como produtores marginais da commodity”, diz trecho do relatório.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Explica direito isso aí...

Procon-SP cobra explicações de Gol, Azul, Latam e mais 7 aéreas sobre cancelamentos, remarcações e reembolsos na pandemia

As empresas têm até o dia 10 de maio para responderem questionamentos sobre sua política de comercialização de passagens no período

Melhorias no ar

Azul divulga projeções e aposta em recuperação total no início de 2022

A companhia aérea foi a única das Américas a aumentar seu caixa em 2020 e aposta em um Ebitda de cerca de R$ 4 bilhões no próximo ano

Podcast Tela Azul

CASH3: Conheça a Méliuz, sua estratégia de cashback e saiba por que esta ação tech está bombando

Em entrevista para o Podcast Tela Azul da Empiricus, Lucas Marques, COO da Méliuz, conta sobre a onda da estratégia de cashback e como ela funciona. É falado também do atual foco da companhia em Growth, e dos planos futuros. Entenda o que é o “jabutiCAC”, jargão que surgiu nesta edição.

Desceu redondo

Na Ambev, a venda de cerveja garantiu o happy hour no primeiro trimestre

A Ambev reportou forte crescimento na receita líquida e no lucro no primeiro trimestre, impulsionada pelas vendas de cerveja no Brasil

cardápio dos balanços

Balanços de Copel, Braskem, Azul e outros mexem com o mercado nesta quinta; veja os destaques

Só no Ibovespa, foram ao menos cinco companhias que revelaram os resultados do primeiro trimestre entre esta quarta e quinta; desempenho mexe com os papéis das companhias

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies