Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-04-15T18:23:01-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
fusões e aquisições

Hering dispara quase 30% após proposta de fusão da Arezzo. Estamos diante do nascimento de uma estrela?

Oferta foi recusada num primeiro momento, mas mercado espera que conversas possam seguir adiante, de olho na formação de nome forte no varejo

15 de abril de 2021
12:02 - atualizado às 18:23
Estrela Hering Arezzo
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O mercado foi surpreendido na noite de quarta-feira (14), quando a Cia. Hering (HGTX3) anunciou que recusou uma oferta de fusão apresentada pela Arezzo (ARZZ3).

Ao contrário de muitas surpresas que a bolsa vem nos trazendo nos últimos tempos, essa foi muito comemorada pelos investidores. As ações da Hering fecharam hoje em alta de 28,13%, a R$ 21,91, enquanto as da Arezzo avançaram 8,35% a R$ 80,95.

O comunicado divulgado ontem não traz muitas informações, dizendo apenas que a proposta não solicitada “não atende ao melhor interesse dos acionistas e da própria companhia”.

Hoje, pela manhã, foi a vez de a Arezzo tratar do assunto, oferecendo um pouco mais de detalhes. Segundo ela, a proposta, enviada à Hering no dia 7 de abril, prevê comprar a companhia têxtil numa operação que totaliza R$ 3,3 bilhões, valor 14,3% acima do atual preço de mercado.

A oferta é o passo mais ousado tomado pela administração da Arezzo no processo de transformação da companhia, de ir para além dos calçados, se transformando num grande nome nacional do ramo de vestuário e acessórios, com forte presença no mundo digital.

Depois de comprar a marca Reserva, ela avança sobre a Hering, no momento em que a empresa vem enfrentando grandes dificuldades, a ponto de ser vista no mercado como um potencial alvo para operações de fusões e aquisições, como ficou demonstrado agora.

Por enquanto, não há negócio, mas a Arezzo não pretende desistir tão fácil assim.

O que foi colocado na mesa?

A proposta apresentada pela Arezzo prevê a incorporação de ações da Hering, de forma que os acionistas receberiam:

  • um total de 26.751.575 novas ações ordinárias da Arezzo, representativas de 21,17% do capital social, pressupondo uma relação de substituição de ações de 0,1686 nova ação da Arezzo para cada uma ação ordinária da Hering; mais
  • uma parcela em dinheiro no total de R$ 1,3 bilhão.

De acordo com a Arezzo, a relação de troca equivale à atribuição de prêmio de 20% sobre o preço médio de fechamento ponderado por volume das ações da Hering no período de 90 dias anteriores a 7 de abril, quando a proposta foi apresentada.

Em carta enviada a Fabio Hering, CEO da empresa, a Arezzo argumentou que busca a união por conta da força que a companhia tem, reconhecida como um dos principais nomes do ramo de vestuário, oferecendo produtos de qualidade.

Além disso, a experiência da Hering na parte industrial resultará em ganhos expressivos à Arezzo, “permitindo a otimização de sua capacidade produtiva, especialmente com relação aos produtos das marcas da Reserva, dado que a malharia corresponde a aproximadamente 40% da sua produção”.

A Arezzo cita ainda como argumentos pela fusão potenciais ganhos de escala na compra de matéria-prima, sinergias operacionais, com a Hering aproveitando o conhecimento digital desenvolvido pela Arezzo, e melhorias na força de vendas.

Momento da Arezzo vs. momento da Hering

A Arezzo apresenta sua oferta no momento em que se encontra numa posição muito mais confortável, e com boas perspectivas de crescimento, do que a Hering.

Durante a pandemia, enquanto outros nomes sofriam com as restrições impostas ao comércio, ela passou por um processo de transformação, abrindo novas frentes de crescimento. A notícia que mais impressionou o mercado foi a compra da Reserva, especializada em moda masculina, por R$ 715 milhões.

Com a Reserva, a Arezzo ampliou em 3,5 vezes seu mercado de atuação, ao passar a comercializar roupas. Antes, o portfólio da companhia era concentrado em sapatos e acessórios, com marcas como Schutz e Vans.

Ela também investiu pesado no mundo digital, lançando um marketplace que reúne marcas que não fazem parte do grupo. Um dos exemplos foi a aquisição de participação majoritária na TROC.com.br, brechó online de roupas e acessórios de luxo.

Já a Cia. Hering parece presa ao passado, dependendo muito do varejo físico, ainda que seu e-commerce esteja evoluindo. Sem apostar numa grande aquisição, a marca também sofre para se modernizar, adaptar-se às demandas dos consumidores.

Há anos a empresa tenta se reestruturar, mas sempre esbarra em dificuldades de execução. E nisso vai sofrendo – a receita pouco, ou nada, cresceu nos últimos nove anos.

A diferença de momentos e de perspectivas entre Arezzo e Hering fica claro no valor de mercado de cada uma – R$ 7,5 bilhões contra R$ 2,8 bilhões, respectivamente, considerando as cotações de quarta-feira.

E agora?

Pelo que se vê das ações da Hering, o mercado está otimista em relação a um acordo, ainda que a companhia tenha recusado. Em entrevista ao site “Brazil Journal” ontem, Fabio Hering disse que a companhia está focada em sua reestruturação.

Também ao “Brazil Journal”, o CEO da Arezzo, Alexandre Birman, disse que a empresa vai analisar os próximos passos, mas destacou que a oferta foi rejeitada “pelo conselho, e não pelos acionistas”.

Sergio Oba, editor da Empiricus, destaca que esta não é a primeira tentativa de combinação entre as varejistas, citando que, entre 2014 e 2017, o CEO da Hering ocupou cargo de membro do conselho da Arezzo, e Birman esteve no conselho da Hering.

Para ele, o principal aspecto negativo da proposta está no valuation. “Partindo dos preços comprimidos atuais de Hering, o mercado não precifica as diversas (e profundas) iniciativas implementadas (e as em andamento) no seu modelo de negócios”, diz trecho de relatório. “De toda forma, a rejeição da proposta demonstra o foco e comprometimento do management da Hering, além do seu valor.”

Para o Credit Suisse, o momento de apresentação da proposta não poderia ser melhor para a Arezzo, considerando o atual patamar das ações, enquanto a Hering é negociada 30% abaixo do patamar pré-pandemia, o que também explica a forte alta de hoje.

Os analistas Victor Saragiotto e Pedro Pinto não acreditam que a Arezzo irá contornar a administração da Hering e tratar diretamente com os acionistas, dado o bom relacionamento, mas admite a possibilidade de a “temperatura esquentar”.

“Se o preço proposto não satisfez o conselho da Hering, por que ele não ofereceu espaço para uma negociação? A temperatura está claramente esquentando...”, diz trecho do relatório.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Petróleo na Amazônia

Petrobras quer operar na foz do Rio Amazonas

Estatal apresentou ao Ibama pedido de licença para explorar petróleo na região, que é uma área de sensibilidade ambiental

Juros para cima

Prepare-se para crescimento baixo e inflação alta em 2022: manobra no teto reforça cenário de estagflação

Drible no teto de gastos pode pressionar ainda mais os preços e obrigar a uma alta de juros mais intensa, dizem especialistas

Great Places to Work

As melhores empresas para se trabalhar em 2021: Magazine Luiza é eleito melhor empregador do país entre as grandes companhias; veja ranking completo

Consultoria Great Places to Work Brasil realizou, na última semana, a 25ª premiação das melhores empresas para se trabalhar no país

Setor imobiliário na mira

China testará imposto imobiliário em parte do país para conter especulação

Projeto-piloto será conduzido por cinco anos em algumas regiões do país. Objetivo é distribuir riqueza de modo menos desigual

Clube do livro

Um passeio entre chás, sementes e cerveja: como ‘Uma Senhora Toma Chá…’ conta a história da estatística moderna de maneira descomplicada

O livro de David Salsburg te convida a conhecer o pouco mais de um dos campos mais necessários para o melhor entendimento do mundo das finanças, e claro, da ciência

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies