Menu
2021-05-26T19:29:33-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Voo turbulento

A Gol fez o dever de casa e gerenciou bem o caixa e a liquidez. Mas o futuro segue nebuloso

A Gol chega ao segundo trimestre de 2021 com uma posição confortável de liquidez e dívida mais alongada. Mas as operações seguem turbulentas

26 de maio de 2021
14:08 - atualizado às 19:29
Gol
Imagem: Shutterstock

O setor aéreo é naturalmente difícil: em condições normais, empresas como Gol, Azul e Latam já lidam com uma série de variáveis externas, como a oscilação do dólar, a cotação do petróleo e os impostos sobre o combustível de aviação. Numa pandemia, a situação fica ainda mais complexa.

Afinal, como gerenciar uma empresa de transportes num cenário em que há uma severa restrição na circulação de pessoas? Como rearranjar as malhas, de modo a evitar que os aviões decolem praticamente vazios? Como gerenciar os custos e despesas com as aeronaves no chão?

A Latam não suportou muito tempo e entrou com um pedido de recuperação judicial nos EUA; a Azul, com uma estrutura mais enxuta, atravessou a tempestade — e dá a entender que está de olho nas operações da gigante chilena.

E a Gol? Bem, a Gol apertou os cintos. Desde o começo da pandemia, o CEO da empresa, Paulo Kakinoff, sempre deixou claro nas teleconferências de resultados trimestrais: o objetivo era sobreviver à turbulência. E a missão tem sido cumprida, ainda que a duras penas.

O ambiente continua desafiador para as aéreas, já que as sucessivas ondas da Covid-19 impedem uma evolução constante nas atividades do setor — momentos de melhora e piora se alternam, exigindo uma gestão ativa da frota e da malha.

Como resultado, a Gol queimou caixa em quantias elevadas desde 2020. Ainda assim, a companhia tem conseguido manter uma posição de liquidez total — que engloba o caixa e as contas e títulos a receber — relativamente confortável. E, com algumas iniciativas que serão colocadas em prática até junho, a situação de caixa tende a melhorar ainda mais.

Gol liquidez

"Até o final do segundo trimestre, a Gol terá realizado quase R$ 3 bilhões de novas emissões de capital", disse a companhia, ao divulgar suas projeções financeiras e operacionais para o ano. Com isso, a aérea prevê que encerrará o mês de junho com uma liquidez total de cerca de R$ 4,6 bilhões.

E quais emissões são essas? Há um aumento de capital de até R$ 512 milhões liderado pelo controlador; uma reabertura do Programa Garantido da companhia, no valor de R$ 1,5 bilhão; e uma emissão de ações para a aquisição da participação na Smiles.

Aliás, a forma como a incorporação do programa de fidelidade foi conduzida gerou bastante discussão no mercado. Mas fato é que a iniciativa foi aprovada — e, com isso, a Gol espera capturar sinergias, melhorar o acesso ao crédito e aumentar os fluxos de caixa.

Apesar disso, o endividamento é uma grande fonte de preocupação do mercado. Por mais que a Gol esteja conseguindo rolar os compromissos de curto prazo, o montante da dívida bruta estava acima de R$ 16 bilhões ao fim de março:

Gol endividamento

Quanto ao perfil da dívida, a maior parte têm vencimento no longo prazo. Veja um resumo dos compromissos que expiram nos próximos 12 meses — os dados constam no último balanço da Gol:

  • 2T21: R$ 302 milhões e US$ 70 milhões;
  • 3T21: R$ 153 milhões e US$ 43 milhões;
  • 4T21: R$ 3 milhões e US$ 20 milhões;
  • 1T22: R$ 151 milhões e US$ 40 milhões;
  • 2T22: US$ 17 milhões;
  • 2S22: US$ 57 milhões.

Nesse aspecto, a aérea trouxe uma boa notícia: quitou integralmente os US$ 250 milhões em empréstimos com vencimento no curto prazo, o que dá fôlego no front do endividamento.

Dito tudo isso, resta saber como fica o lado operacional — e é aqui que as maiores dúvidas persistem.

Gol, operações e pandemia

Por mais que a Gol tenha feito o que era possível para manter uma posição de liquidez satisfatória e gerenciado seu endividamento, seu desempenho operacional continua fortemente afetado pela Covid-19.

A demanda por voos ainda está muito aquém dos níveis normais, a oferta precisou ser adaptada à nova realidade e a taxa de ocupação das aeronaves tem girado em torno de 80%. Nesse cenário, os custos médios por assento da Gol dispararam, mesmo excluindo os gastos com combustível.

Gol Cask

O pico visto no segundo trimestre de 2020 coincide com a primeira onda da pandemia, momento em que o setor aéreo ficou praticamente parado e as companhias ainda começavam a promover os ajustes na malha. Desde então, há uma tendência de baixa.

As projeções da Gol, no entanto, mostram otimismo por parte da companhia: no segundo trimestre, a empresa diz esperar por uma baixa de 40% no indicador em relação à média de 2020 — o que implica num CASK ex-combustível ao redor de R$ 10,42 centavos. A previsão anterior era de baixa de 27%.

No lado financeiro, o segundo trimestre também parece mais promissor: a receita projetada é de cerca de R$ 1 bilhão, abaixo do R$ 1,56 bilhão visto nos primeiros três meses do ano. Apesar disso, a Gol acredita que o Ebitda ficará positivo em R$ 100 milhões — entre janeiro e março, foi negativo em R$ 72 bilhões.

Para o segundo semestre, a visão é ainda mais construtiva: receita em torno de R$ 6 bilhões, Ebitda de R$ 2 bilhões e liquidez total de R$ 4,5 bilhões. Mas num ambiente tão incerto por causa da pandemia, o mercado prefere assumir uma postura cautelosa em relação aos horizontes mais longos.

"Apesar de reconhecermos os esforços da Gol para equilibrar oferta e demanda, permanecemos cautelosos com o setor, já que acreditamos que há vários desafios para a recuperação do tráfego aéreo no segundo semestre", disseram Lucas Barbosa e Rubén López Romero, analistas do Santander, destacando que a vacinação no Brasil é a variável chave.

E a Gol parece trabalhar com um cenário-base de avanço rápido na imunização: embora reconheça que qualquer previsão a respeito da demanda seja difícil, a companhia diz que o progresso na vacinação está impactando positivamente o tráfego aéreo.

Resta saber como a dinâmica da pandemia irá se comportar daqui para frente — e se uma terceira onda da Covid-19 provocará novas paralisias na economia doméstica e no fluxo de passageiros.

Por ora, o mercado dá um voto de confiança na Gol e em suas projeções positivas para o futuro: as ações PN da companhia (GOLL4) avançaram 6,68% nesta quarta (26).

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Pedido ao presidente

Instituto Aço Brasil pede a Bolsonaro para não reduzir tarifa de importação

Na visão do presidente executivo da entidade, Marco Polo de Mello Lopes, não há cenário de excepcionalidade que justifique tal medida

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies