Menu
2021-06-02T14:45:17-03:00
Letícia Flávia Pinheiro
Letícia Flávia Pinheiro
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista em formação pela Universidade de São Paulo, trabalhou com jornalismo cultural, assessoria de imprensa e marketing na Jornalismo Júnior (ECA - USP) e com produção de conteúdo na Agência Estufa.
Tela Azul

Conheça a Amaro, uma varejista tech que virou case em integração entre e-commerce e lojas físicas

No podcast de tecnologia Tela Azul, CEO da Amaro comenta sobre o modelo de negócios da empresa, que vem se destacando no setor pela sua digitalização e experiência ao usuário. Além disso, os apresentadores do podcast indicam as ações techs mais promissoras a longo prazo

2 de junho de 2021
14:29 - atualizado às 14:45
amaro ceo
Dominique Oliver, CEO e fundador da Amaro - Imagem: Amaro / Divulgação

Ao longo dos últimos anos, os marketplaces horizontais no Brasil cresceram consideravelmente. A penetração do e-commerce por players como Mercado Livre, Amazon e Magazine Luiza são exemplos disso (só a Magalu valorizou mais de 3000% nos últimos 10 anos, para você ter uma ideia). Nessa matéria, o assunto é sobre um marketplace de uma companhia menor, de capital fechado e que vem chamando a atenção de diversos investidores e consumidores: a Amaro.  

SAIBA AQUI AS 10 AÇÕES DE TECNOLOGIA QUE TÊM TUDO PARA SEREM AS PRÓXIMAS BIG TECHS DO MERCADO 

A loja de lifestyle para mulheres atua em 4 categorias: moda, casa, beleza e produtos de bem-estar. “Antes de tudo, ela é uma empresa de tecnologia e dados que atua no segmento de varejo”, afirma o fundador e CEO da empresa, Dominique Oliver. 

A Amaro se destaca por acompanhar a digitalização da sociedade e por entregar uma experiência prazerosa ao cliente em suas diversas plataformas. Além disso, ela se conecta com seu público através do posicionamento de marca nas redes sociais e de seu catálogo. Em maio, ela lançou uma linha de roupas sem gênero, que foi recebida com entusiasmo pelos clientes. 

Os maiores canais de venda são pelo aplicativo e pelo site da loja. Porém, 20% do faturamento da companhia e também um dos diferenciais da Amaro é a presença de guide shops espalhadas pelo Brasil. Elas são como lojas físicas, com mostruário mas sem estoque. Os consumidores podem olhar e provar os produtos, e comprá-los via tablets online presentes no lugar. As guide shops reforçam a ideia do omnichannel, isto é, o modelo de vendas conectadas em todos os canais. Atualmente, a Amaro possui 20 lojas desse tipo. 

Em entrevista exclusiva ao Tela Azul, podcast semanal da Empiricus que traz conteúdo sobre tecnologia no mercado, o CEO da Amaro explica com detalhes o que fez com que a tech se consolidasse no mercado do e-commerce de moda feminino e ganhasse a confiança do seu público para ser o que é hoje. Você pode escutar a entrevista completa pelo Spotify ou apertando o play abaixo:

 

Mas como a Amaro se diferencia dos demais Marketplaces? 

O modelo de negócios de marketplaces tradicionais como Mercado Livre e Magalu consiste em oferecer produtos de todos os nichos em uma só plataforma, sem a distinção dos lojistas. Tem de tudo: fabricante, revendedor, distribuidor, e é comum que, quando você procura por alguma coisa, apareçam diversos produtos com imagens idênticas e preços diferentes. Descrições incompletas também são recorrentes. 

A Amaro, por sua vez, se preocupa na experiência que o usuário vai ter ao entrar em contato com a marca. O seu objetivo é tornar a compra online o mais prazerosa possível, com fotos esteticamente apuradas, descrições completas dos produtos, plataforma intuitiva e até mesmo uma simulação para encontrar o tamanho ideal da peça em você. 

“Também criamos um protocolo para que nossos clientes encontrem cada produto uma só vez e para que se tenha pouca poluição visual nas telas”, explica Oliver. “Nossa tese na Amaro é de que qualidade é mais importante do que quantidade”. 

O negócio, que começou há oito anos, surgiu com a tese de que a penetração do e-commerce iria crescer no país, e assim existia uma oportunidade de criar um varejista digital, 100% online e vendendo diretamente para o consumidor final. O fundador da companhia explica com mais detalhes durante o podcast, confira:

Hoje, a Amaro se estruturou para além do digital, e pelo seu ritmo de crescimento, é normalmente apontada pelos analistas como possível alvo de grandes empresas. Dominique Oliver nega qualquer intenção de venda ou de abertura de capital, mas de qualquer forma, muitos investidores mantêm essa empresa no radar. 

De acordo com diversos analistas, o setor do varejo é um dos mais promissores com a retomada econômica no Brasil. Não por acaso, o mercado recebeu bem as propostas de aquisição da Hering (HGTX3) feitas pela Arezzo (ARZZ3) e Grupo Soma (SOMA3) mês passado, e vários analistas recomendam ações de grandes varejistas de moda no Brasil. E a Amaro apresenta uma nuance a mais, já que une justamente varejo de moda com tecnologia em seu negócio. 

E falando em tecnologia, confira as 10 ações tech de maior potencial:

Os analistas apresentadores do Tela Azul, por sua vez, acreditam que ações de empresas tech são as de maior potencial para deslanchar a longo prazo. 

Atualmente, eles estão garimpando a bolsa norte-americana com o objetivo de achar empresas que possam ser a nova Amazon ou Apple de vinte anos atrás. Quem investiu nelas desde o início, hoje está multimilionário... 

Os analistas Richard, Bazan e André querem apresentar 10 ações de empresas tech para você no evento gratuito Deep Dive Tech, que vai ser uma imersão no mercado de tecnologia mundial e vai acontecer no dia 21 de junho, às 20h

Eles vão indicar ações tech listadas na bolsa americana, com valor de mercado entre US$ 5 e US$ 20 bilhões que têm tudo para serem a próxima Tesla, Facebook ou Alphabet no futuro.

Para conferir, basta reservar sua vaga no evento clicando no botão abaixo:

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

de olho na reabertura

Vacina no braço e compra de ações: por que o UBS (o banco suíço) agora recomenda a bolsa brasileira

Banco suíço cita as revisões de crescimento para a economia brasileira, menor risco fiscal, expectativa de lucro das empresas e preços em patamares “convidativos”

seu dinheiro na sua noite

Anitta no conselho do Nubank, mais ofertas de ações e o ponto de inflexão do minério de ferro

Acostumado a fazer barulho no mercado, o Nubank fez, nesta segunda-feira, mais um anúncio que deu o que falar: a contratação da cantora e empresária Anitta para integrar o conselho de administração da empresa. A garota do Rio, nascida no bairro suburbano de Honório Gurgel e alçada à fama pelo funk carioca, ocupará uma cadeira […]

linhas 8 e 9

CCR assina acordo de acionistas com RuasInvest no Consórcio Via Mobilidade

Acordo prevê os porcentuais de participação de 80% da CCR e de 20% da RuasInvest no Consórcio ViaMobilidade Linhas 8 e 9

Microcaps

Panvel (PNVL3): é hora de investir?

A rede Panvel é queridinha no Sul do país. Sua recuperação tem mostrado que ela pode ser uma gema entre as microcaps da Bolsa. Descubra se vale a pena investir nela no Chama o Max de hoje.

sinal verde

Câmara aprova texto-base da MP que viabiliza privatização da Eletrobras

Placar foi de 258 votos contra 136; texto já havia sido aprovado pela Casa, mas voltou depois de alterações no Senado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies