Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-08-23T15:00:01-03:00
Renato Carvalho
Começando bem

Alumínio que vale ouro? Bancos iniciam cobertura de CBA (CBAV3) projetando forte valorização da ação

Analistas enchem empresa de elogios, não só pela sua liderança no mercado brasileiro, mas também por seu forte posicionamento em ESG

23 de agosto de 2021
14:59 - atualizado às 15:00
CBA
Imagem: Divulgação

Uma empresa bastante tradicional, fundada na década de 1940, mas que chegou na Bolsa há pouco mais de 1 mês. Esta é a Companhia Brasileira de Alumínio, ou CBA (CBAV3), que pertence ao Grupo Votorantim, e que já caiu nas graças dos analistas de alguns dos principais bancos e corretoras que atuam no Brasil.

Nesta segunda-feira (23), algumas casas anunciaram o início da cobertura de CBA por seus analistas, e o tom otimista é um verdadeiro consenso. Bank of America, Bradesco BBIBTG Pactual e XP recomendam compra para a ação.

Mais que isso, a projeção de valorização do papel é bastante otimista, com três dos quatro bancos (Bradesco, BTG e XP) estabelecendo preço-alvo de R$ 19, com alta potencial superior a 70%. O BofA colocou a meta em R$ 16, esperando avanço de 45% ante a cotação atual. Por volta das 14h40, CBAV3 subia 6%, a R$ 11,66.

Quais os fundamentos?

As justificativas dos analistas para esta animação começam no que a CBA produz. A XP lembra que as mudanças recentes no perfil de consumo, com as pessoas dando maior relevância à sustentabilidade, vão contribuir para aumentar a demanda por alumínio.

“Vemos a mudança estrutural para alternativas mais verdes como o principal motivador para o avanço da indústria, uma vez que o metal se destaca como um dos mais ecológicos do planeta e o material mais reciclado dentre os metais industriais, em uma base percentual”

Relatório da XP

Os analistas lembram ainda que os preços do alumínio acumulam alta de 30% em 2021, a US$ 2.569 por tonelada, com a demanda pelo metal mais aquecida, especialmente na China.

Energia limpa

Em seu relatório, o BTG Pactual destaca que a CBA utiliza 100% da sua energia vinda de fontes renováveis. A empresa possui 21 plantas de energia hídrica, “e tem tudo para capitalizar o movimento global de descarbonização”.

Por outro lado, há uma tendência mundial de mudança na gestão de estoques, no que a CBA já tem vantagem, segundo o BTG.

A empresa também se beneficia da crescente demanda por outras fontes de energia verde, fornecendo alumínio para estruturas de fontes solar e eólica, por exemplo.

E os números?

Um dos maiores pontos positivos apontados pelo BofA é o baixo custo de produção colocado em prática pela CBA. Os analistas chamam atenção para o fato da empresa ter uma atuação vertical, desde a exploração de bauxita até a produção final.

O Bradesco BBI ressalta que o fato de ter geração própria de energia também trazem uma economia de caixa grande para a CBA, que é líder no mercado brasileiro.

Os projetos de expansão com baixos riscos de execução também favorecem o potencial de retorno da CBA no longo prazo, segundo o Bradesco. O banco projeta que o preço global do alumínio permaneça na casa dos US$ 2.300 a tonelada até pelo menos 2023.

Por fim, o BofA cita o preço relativo da ação na comparação com seus pares globais, o chamado múltiplo. De acordo com o banco norte-americano, o valor atual da ação da CBA a deixa abaixo de empresas como a Alcoa, por exemplo, mesmo atuando também na distribuição do que produz, o que deixa a empresa brasileira à frente da maioria de suas concorrentes mundiais.

Veja no vídeo a indicação do analista da Empiricus, Matheus Spiess, de uma outra ação que está barata e pode trazer bons retornos:

E como foi o segundo trimestre?

Se vale a máxima “a primeira impressão é a que fica”, a recomendação dos analistas para comprar as ações da CBA tem um forte argumento no balanço do segundo trimestre de 2021, o primeiro apresentado após o IPO.

O lucro líquido da companhia chegou a quase R$ 400 milhões, ante R$ 30 milhões de um ano antes. Boa parte deste lucro foi beneficiado pela variação cambial no período.

Mas o Ebitda ajustado, que mostra um retrato mais próximo do resultado operacional, cresceu 110% em um ano, para R$ 363 milhões. A receita líquida aumentou quase 75% no período, chegando a R$ 1,9 bilhão.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Exile on Wall Street

O que faz as empresas falharem? Conheça as cinco “assassinas silenciosas” que podem impactar nos seus investimentos

O verdadeiro início da derrocada de uma empresa não pode ser devidamente noticiado pelas finanças ou pelas operações, mas somente dentro do núcleo de cultura corporativa

CAPTAÇÕES BILIONÁRIAS

Localiza, Unidas e Movida vão a mercado em busca de R$ 5 bilhões com emissões de debêntures

Locadoras de veículos se recuperaram rapidamente da crise da covid-19 e buscam recompor o caixa em meio à escassez de componentes no setor automotivo

De olho no dragão

Ministério da Economia eleva expectativa para inflação em 2021; veja qual a nova projeção

A pasta também atualizou as estimativas para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor, utilizado para a correção do salário mínimo

MERCADOS HOJE

Com precatórios e queda do minério de ferro no radar, Ibovespa opera em queda de 1%; dólar avança

Em Brasília, os investidores acompanham de perto as discussões em torno do pagamento dos precatórios e repercutem mais uma queda expressiva do minério de ferro

Logística

MSC quer comprar controle da Log-In (LOGN3), que tem a gestora Alaska como maior acionista; papéis disparam

A proposta da MSC Mediterranean equivale a R$ 25 por ação LOGN3 e pode chegar a R$ 1,8 bilhão; Alaska e Tarpon estão entre os principais acionistas da empresa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies