Menu
2021-02-17T19:08:57-03:00
Rafael Lara
Rafael Lara
Estudante de jornalismo na Faculdade Cásper Líbero de São Paulo. Trabalhou em empresas como: TV Gazeta, Suno Research e Portal iG.
Atirando para o alto

Ações da Taurus disparam após decreto de Bolsonaro que amplia acesso a armas

Desde 2018, ano das eleições presidenciais, o papel da única fábrica de armamentos listada na B3 acumula alta de mais de 700%

17 de fevereiro de 2021
16:42 - atualizado às 19:08
taurus-armas
Visita a fábrica de armas da Taurus Armas, na cidade de São Leopoldo/RS - Imagem: Felipe Nogs/Agência Preview

Após os decretos do presidente Jair Bolsonaro que ampliaram o acesso a armas e munições, as ações da Taurus (TASA4) tiveram uma forte alta nesta quarta-feira (17), fechando com valorização de 14,83%, a R$ 21,76.

Leia também:

As ações da única fábrica de armamentos listada na B3 acumulam valorização de mais de 270% nos últimos seis meses. Desde 2018, ano das eleições presidenciais, o papel registra ganho de mais de 700%.

A chegada de Bolsonaro ao poder já atuou tanto para o lado positivo quanto para o negativo para a empresa de armas. Enquanto a eleição fez os papéis darem um salto, a iniciativa de zerar o imposto para a importação de revólveres e pistolas derrubou o preço das ações. O decreto, contudo, foi suspenso pelo Supremo Tribunal Federal.

Isso se dá por conta da expansão que a Taurus deve encontrar no mercado nacional. Atualmente, a empresa tem como seu grande foco a exportação para os Estados Unidos, mas com a chegada de Joe Biden à presidência, novas restrições à compra de armas devem ser implementadas.

Enquanto isso, o governo brasileiro coloca decretos que aumentam de quatro para seis o número de armas que o cidadão comum pode possuir. Além disso, o governo também permitiu que atiradores adquiram até 60 armas, e caçadores, 30, sem necessidade de autorização do Exército. Os valores representam o dobro do que era permitido pelo decreto anterior.

De acordo com Márcio Lórega, analista técnico da Ativa Investimentos, os investidores devem prestar atenção às notícias relacionadas ao governo, já que neste momento, o fluxo de notícias está positivo.

"Mas os investidores que se posicionam neste ativo devem ficar atentos aos riscos envolvidos, pois qualquer interferência (derrubada de decreto ou pressão contrária da população) pode levar a uma mudança rápida de cenário", diz o analista.

Pela parte da análise técnica, Lórega disse que "o ativo está superando a importante resistência na faixa de R$ 21, e já busca a região dos R$ 22. Caso supere essa faixa de preço, vamos a R$ 23,50/R$ 25, o que remete aos preços de 2013/2014 (região de forte resistência)."

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

O melhor do seu dinheiro

Alguém chame os bombeiros

Hoje tivemos mais um dia de grande volatilidade nos mercados brasileiros, que entraram em parafuso com o temor de que o teto de gastos poderia vir a ser furado. Os investidores aguardam com grande ansiedade a votação da PEC Emergencial, aquela que permitirá o retorno do auxílio emergencial. E rumores de que ela seria desidratada […]

FECHAMENTO

Em dia de alta volatilidade, Lira salva Ibovespa de um fiasco e segura o dólar em R$ 5,66

A volatilidade reinou absoluta nesta quarta-feira (03) e mais uma vez Brasília foi responsável por movimentar os negócios no Brasil. Lá fora, o dia foi de cautela com a alta dos juros futuros

Luz no fim do túnel?

Ministério da Saúde avança em negociações com laboratórios para comprar vacinas

A declaração do MS foi dada pelo titular da pasta, Eduardo Pazuello, em reunião com a Confederação Nacional de Municípios (CNM).

Crypto News

Bitcoin para leigos e descrentes também

Descrever algo tão complexo como o Bitcoin exige repertório, dedicação e um pouco de sedução de quem apresenta.

Ruim, mas nem tanto?

“É um dos países que menos caíram no mundo”, afirma Bolsonaro, sobre queda de 4% no PIB

Para Bolsonaro a queda do PIB só não foi maior devido a movimentação da economia gerada pelo auxílio emergencial.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies