O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2021-02-17T19:08:57-03:00
Rafael Lara
Rafael Lara
Estudante de jornalismo na Faculdade Cásper Líbero de São Paulo. Trabalhou em empresas como: TV Gazeta, Suno Research e Portal iG.
Atirando para o alto

Ações da Taurus disparam após decreto de Bolsonaro que amplia acesso a armas

Desde 2018, ano das eleições presidenciais, o papel da única fábrica de armamentos listada na B3 acumula alta de mais de 700%

17 de fevereiro de 2021
16:42 - atualizado às 19:08
taurus-armas
Visita a fábrica de armas da Taurus Armas, na cidade de São Leopoldo/RS - Imagem: Felipe Nogs/Agência Preview

Após os decretos do presidente Jair Bolsonaro que ampliaram o acesso a armas e munições, as ações da Taurus (TASA4) tiveram uma forte alta nesta quarta-feira (17), fechando com valorização de 14,83%, a R$ 21,76.

Leia também:

As ações da única fábrica de armamentos listada na B3 acumulam valorização de mais de 270% nos últimos seis meses. Desde 2018, ano das eleições presidenciais, o papel registra ganho de mais de 700%.

A chegada de Bolsonaro ao poder já atuou tanto para o lado positivo quanto para o negativo para a empresa de armas. Enquanto a eleição fez os papéis darem um salto, a iniciativa de zerar o imposto para a importação de revólveres e pistolas derrubou o preço das ações. O decreto, contudo, foi suspenso pelo Supremo Tribunal Federal.

Isso se dá por conta da expansão que a Taurus deve encontrar no mercado nacional. Atualmente, a empresa tem como seu grande foco a exportação para os Estados Unidos, mas com a chegada de Joe Biden à presidência, novas restrições à compra de armas devem ser implementadas.

Enquanto isso, o governo brasileiro coloca decretos que aumentam de quatro para seis o número de armas que o cidadão comum pode possuir. Além disso, o governo também permitiu que atiradores adquiram até 60 armas, e caçadores, 30, sem necessidade de autorização do Exército. Os valores representam o dobro do que era permitido pelo decreto anterior.

De acordo com Márcio Lórega, analista técnico da Ativa Investimentos, os investidores devem prestar atenção às notícias relacionadas ao governo, já que neste momento, o fluxo de notícias está positivo.

"Mas os investidores que se posicionam neste ativo devem ficar atentos aos riscos envolvidos, pois qualquer interferência (derrubada de decreto ou pressão contrária da população) pode levar a uma mudança rápida de cenário", diz o analista.

Pela parte da análise técnica, Lórega disse que "o ativo está superando a importante resistência na faixa de R$ 21, e já busca a região dos R$ 22. Caso supere essa faixa de preço, vamos a R$ 23,50/R$ 25, o que remete aos preços de 2013/2014 (região de forte resistência)."

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas lá fora tentam emplacar terceiro dia de alta, limitadas por dados inflacionários; Ibovespa mira Eletrobras (ELET3) e briga entre poderes

Ainda hoje, os investidores acompanham o presidente do BC, Roberto Campos Neto, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, em evento

TRAGÉDIA NA CHINA

Alguém derrubou esse avião de propósito na China; investigadores agora tentam descobrir quem foi

Dados recuperados da caixa preta sugerem que alguém na cabine derrubou o intencionalmente o Boeing 737-800 da China Eastern com 132 pessoas a bordo no fim de março

COMBATE ÀS FAKE NEWS

O Telegram vai sinalizar conteúdos falsos durante as eleições; veja os detalhes do acordo com o TSE para o combate às fake news

Telegram terá que divulgar o canal do TSE para todos os usuários no País, com o objetivo de oferecer uma fonte segura de informações sobre as eleições

NEM TÃO ESTÁVEL ASSIM

As stablecoins tremeram com abalo da Terra (LUNA); será o fim das criptomoedas “estáveis”?

Essa classe de criptoativos deveria ter paridade com moedas como o dólar, mas sofreu com o colapso do mercado na semana passada. Saiba o que esperar das stablecoins

CVM recua e libera distribuição de dividendos do fundo imobiliário Maxi Renda FII (MXRF11) com base no ‘lucro caixa’ — relembre o caso

A xerife do mercado de capitais reconheceu “a existência de obscuridade e contradição” na decisão original

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies