Menu
2021-04-19T14:55:35-03:00
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo
O fim do verão?

O que derrubou as cotações do bitcoin e fez o mercado de criptomoedas perder US$ 310 bilhões em 24 horas?

Depois de uma semana positiva para o mercado cripto, a liquidação de contratos e apagão em uma fazenda de mineração na China mexeu com o preço das moedas

19 de abril de 2021
13:43 - atualizado às 14:55
Bitcoin,Crash.,Digital,Symbol,Of,Bitcoin,Falls,To,The,Bottom

Na semana passada, o aumento da exposição de grandes instituições financeiras ao Bitcoin e o lançamento do IPO da Coinbase na bolsa americana Nasdaq fizeram o preço da principal criptomoeda do mercado disparar para US$ 65 mil, ou R$ 361 mil.

Mas saiu para descansar e voltou a consultar o mercado cripto certamente se assustou com o que viu.

Em 24 horas, o preço do bitcoin caiu mais de US$ 10 mil, o que fez o valor de capitalização de todas as criptomoedas do mundo cair US$ 310 bilhões. Isso fez o mercado cripto encolher de US$ 2,2 trilhões para US$ 1,9 trilhão, de acordo com dados do CoinMarketCap.

Por volta das 13h30, o Bitcoin estava cotado a US$ 55,175.23, uma queda de 8,18% no acumulado dos últimos sete dias.

Fora da tomada

Mas o que aconteceu para esse crash das criptomoedas, que para os mais alarmistas está sendo comparado à substancial queda no preço do bitcoin de 2017? 

Tudo começou em 10 de abril deste ano. Uma mina de carvão explodiu na província de Xinjiang, na China, e cortou a energia elétrica da região. Mas outra mina também foi paralisada: uma gigantesca fazenda de mineração de bitcoins. 

A China é responsável por boa parte das fazendas de mineração do mundo, sendo responsável por 65% do hashrate da rede de bitcoins. O hashrate é a taxa de mineração, que coloca novos bitcoins no mercado e valida toda a rede da criptomoeda. Você pode entender mais sobre mineração clicando aqui

Essa paralisação culminou em um movimento de liquidação de contratos por parte dos investidores. Essa corrida para "ver quem perde menos" pode ser vista no gráfico:

Gráfico da bybt.com, que mostra a liquidação de contratos de todas as criptomoedas do mercado. A linha verde representa o último sábado (17)

O especialista em bitcoin e ex-colaborador da Forbes, Willy Woo, afirmou que "Preço e taxa de hash sempre foram correlacionados". Ele ainda lembrou do flash crash que ocorreu em 2017, e disse que, assim que o hashrate voltar ao normal, o preço do bitcoin também voltará aos mesmos patamares.

Sobe e desce

O mercado das criptomoedas ainda é muito recente, se compararmos com outros investimentos mais tradicionais. Por isso, está sujeito a maior volatilidade, tanto para subir quanto para descer. O que ocorreu com o Dogecoin semana passada, com um aumento de mais de 500% no seu valor, é um exemplo disso. 

Projetos considerados mais sólidos no ramo das criptomoedas, como o próprio bitcoin, mas também o ethereum e binancecoin, podem passar por essas instabilidades mas, para analistas, eles mantêm seu valor no longo prazo.

*Com informações da Forbes

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Tensão em Brasília

Racha no Congresso põe reformas em xeque

A decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de fatiar a reforma tributária foi vista como a pá de cal nas chances de avanço das reformas no Congresso até o fim do atual governo. Embora Lira tenha prometido abrir o diálogo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para definir os próximos passos, […]

Rapidinhas da semana

BLINK: Itaúsa, B2W, Eletrobras e mais recomendações rápidas

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Alpargatas, Eletrobras, Itaúsa, Lojas Americanas e muito mais no Blink

Reserva de emergência

Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, vende ações da Amazon e põe US$ 5 bi na conta

O bilionário Jeff Bezos vendeu cerca de 1,5 milhão de ações da Amazon nos últimos dias e pode vender outros 500 mil papéis em breve

Reduzindo a participação

CSN começa a se desfazer de suas ações da Usiminas

Aproveitando o bom momento do setor siderúrgico na bolsa, a CSN vendeu mais de 50 milhões de ações preferenciais da Usiminas

O melhor do Seu Dinheiro

A limonada da bolsa e do dólar, as ações mais indicadas do mês e outros destaques da semana

A semana que passou tinha tudo para ser bem azeda para os investidores. No cardápio de notícias dos últimos dias tivemos: A alta da taxa básica de juros e a sinalização de que novos ajustes vêm por aí; Muito barulho político com a CPI da Covid; O projeto da reforma tributária de volta à estaca […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies