Menu
2021-01-05T13:17:12-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
FipeZap

Preços dos imóveis à venda pelo Brasil avançam menos que a inflação em 2020

Indicador dos preços médios dos imóveis residenciais prontos à venda em 50 cidades subiu 3,67%, ante um IPCA projetado de 4,38%

5 de janeiro de 2021
13:17
Vista panorâmica do Rio de Janeiro
Rio de Janeiro continua tendo o metro quadrado mais caro entre as capitais, mas alta dos preços anunciados em 2020 foi de apenas 1,6%. Imagem: Shutterstock

Os preços dos imóveis residenciais anunciados para venda pelo Brasil até tiveram alta em 2020, mas a valorização não foi suficiente para superar a inflação oficial projetada.

O Índice FipeZap fechou 2020 com alta de 3,67%, ante um IPCA projetado pelo mercado de 4,38%. Ou seja, houve queda real de preços de 0,71%. Se a comparação for feita pelo IGP-M, a diferença é brutal, já que o indicador calculado pela FGV fechou 2020 em 23,14%.

O Índice FipeZap acompanha o comportamento do preço médio dos imóveis prontos, anunciados para venda na internet, em 50 cidades em todas as regiões do país.

Sendo assim, o indicador leva em conta os preços dos anúncios, que não necessariamente correspondem aos preços de fechamento dos negócios, mas ainda dá uma boa ideia do comportamento dos preços dos imóveis prontos no Brasil.

Entre as 16 capitais acompanhadas, Recife foi a única onde o preço médio de venda residencial apresentou queda nominal no ano, de 0,38%. Todas as demais apresentaram alta em 2020, sendo que, em nove delas, a variação de preços superou o IPCA projetado.

No Rio de Janeiro, a alta foi de apenas 1,60%, enquanto em São Paulo, foi de 3,79%, em ambos os casos abaixo da inflação. As duas capitais são as que têm maior peso no cálculo do FipeZap, tratando-se dos dois principais mercados imobiliários do país.

O Rio continua como a capital de maior preço médio anunciado do metro quadrado no país, no valor de R$ 9.437, seguido de São Paulo, cujo valor é de R$ 9.329.

Tendência de recuperação

Apesar do desempenho mais fraco perante a inflação, a variação dos preços dos imóveis anunciados pelo Brasil mostrou certa recuperação em 2020. Após altas acima de 20% de 2009 a 2011 e um período de desaceleração de 2013 a 2015, os preços permaneceram perto da estabilidade de 2016 a 2019, inclusive com variações negativas em alguns anos.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Ivan Sant'Anna

O novo superciclo das commodities já é uma realidade. Como você pode ganhar dinheiro com ele

Nas últimas décadas, tivemos três grandes bull markets de commodities. Agora, os astros estão se alinhando para um novo superciclo

Contas brasileiras em jogo

STF retoma julgamento sobre ICMS e PIS/Cofins; decisão pode ter impacto de R$ 258,3 bilhões para União

Os ministros já haviam declarado inconstitucional a cobrança de ICMS na base de cálculo do PIS/Cofins, mas o governo pede que a decisão não tenha efeito retroativo

São Jorge e o dragão inflacionário

A grande e ameaçadora besta da inflação começa a sair do seu sono profundo. Aos poucos, movimenta as asas e mexe sua cauda incendiária. Um vagaroso e temerário despertar. Nem de longe está cuspindo fogo — e quem viveu no Brasil nos anos 80 e 90 lembra bem do seu poder destrutivo. Mas mesmo o […]

FECHAMENTO

Dragão americano da inflação assombra ativos globais e resultado é bolsa, dólar e juros sob pressão; Ibovespa recua 2% e volta aos 119 mil pontos

A pressão inflacionária superou até mesmo o cenário político interno caótico nos holofotes do mercado e levou o principal índice brasileiro a amargar uma queda brusca

Primeiro encontro

Presidentes de Petrobras e BR se reúnem para tratar da saída da estatal da distribuidora

Os executivos, que assumiram os cargos há cerca de uma vez, discutirão a venda da participação de 37,5% que a Petrobras ainda detém na empresa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies