Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-01-05T13:17:12-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
FipeZap

Preços dos imóveis à venda pelo Brasil avançam menos que a inflação em 2020

Indicador dos preços médios dos imóveis residenciais prontos à venda em 50 cidades subiu 3,67%, ante um IPCA projetado de 4,38%

5 de janeiro de 2021
13:17
Vista panorâmica do Rio de Janeiro
Rio de Janeiro continua tendo o metro quadrado mais caro entre as capitais, mas alta dos preços anunciados em 2020 foi de apenas 1,6%. Imagem: Shutterstock

Os preços dos imóveis residenciais anunciados para venda pelo Brasil até tiveram alta em 2020, mas a valorização não foi suficiente para superar a inflação oficial projetada.

O Índice FipeZap fechou 2020 com alta de 3,67%, ante um IPCA projetado pelo mercado de 4,38%. Ou seja, houve queda real de preços de 0,71%. Se a comparação for feita pelo IGP-M, a diferença é brutal, já que o indicador calculado pela FGV fechou 2020 em 23,14%.

O Índice FipeZap acompanha o comportamento do preço médio dos imóveis prontos, anunciados para venda na internet, em 50 cidades em todas as regiões do país.

Sendo assim, o indicador leva em conta os preços dos anúncios, que não necessariamente correspondem aos preços de fechamento dos negócios, mas ainda dá uma boa ideia do comportamento dos preços dos imóveis prontos no Brasil.

Entre as 16 capitais acompanhadas, Recife foi a única onde o preço médio de venda residencial apresentou queda nominal no ano, de 0,38%. Todas as demais apresentaram alta em 2020, sendo que, em nove delas, a variação de preços superou o IPCA projetado.

No Rio de Janeiro, a alta foi de apenas 1,60%, enquanto em São Paulo, foi de 3,79%, em ambos os casos abaixo da inflação. As duas capitais são as que têm maior peso no cálculo do FipeZap, tratando-se dos dois principais mercados imobiliários do país.

O Rio continua como a capital de maior preço médio anunciado do metro quadrado no país, no valor de R$ 9.437, seguido de São Paulo, cujo valor é de R$ 9.329.

Tendência de recuperação

Apesar do desempenho mais fraco perante a inflação, a variação dos preços dos imóveis anunciados pelo Brasil mostrou certa recuperação em 2020. Após altas acima de 20% de 2009 a 2011 e um período de desaceleração de 2013 a 2015, os preços permaneceram perto da estabilidade de 2016 a 2019, inclusive com variações negativas em alguns anos.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies