Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-23T19:26:58-03:00
Estadão Conteúdo
de olho na inovação

Moeda digital é nova forma de representação da moeda já emitida, diz Campos Neto

Segundo ele, ela não se confunde com os criptoativos, como o bitcoin, que não têm característica de moeda, mas sim de ativos

23 de junho de 2021
19:26
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central (BC)
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central (BC) - Imagem: Pedro França/Agência Senado

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, defendeu nesta quarta-feira que a moeda digital brasileira, em fase de estudo pelo BC, é uma nova forma de representação da moeda já emitida pela autoridade monetária - ou seja, o real.

Segundo ele, ela não se confunde com os criptoativos, como o bitcoin, que não têm característica de moeda, mas sim de ativos.

Estas avaliações constam de apresentação feita por Campos Neto em reunião por videoconferência com o Conselho Diretor da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), na tarde desta quarta. O encontro foi fechado, mas o BC publicou em sua página na internet a apresentação.

Nela, Campos Neto pontuou ainda que o BC brasileiro acompanha o tema das CBDCs - Central Bank Digital Currency, ou Moedas Digitais Emitidas por Bancos Centrais - há alguns anos. Um grupo de trabalho foi criado no BC em 2020 para tratar da questão.

Campos Neto afirmou ainda, conforme a apresentação, que 86% dos bancos centrais do mundo possuem interesse no tema. Seis países já realizaram ou estão realizando pilotos de CBDCs e quatro estão envolvidos com "provas de conceito". "Ao menos outros 42 estão em estágio exploratório ou de pesquisa", registrou a apresentação. O Brasil está neste último grupo.

Ao citar os criptoativos, Campos Neto afirmou ainda que a opinião do BC sobre eles continua a mesma. "Esses são ativos arriscados, não regulados pelo BC, e devem ser tratados com cautela pelo público", disse.

Futuro

A moeda digital é mais um dos projetos do BC na área de tecnologia, com foco no mercado financeiro do futuro. Atualmente, existem no mundo moedas com lastro em algum ativo, as chamadas stablecoins, e as moedas sem lastro, que são as criptomoedas, como o bitcoin. A moeda digital em estudo pelo BC é uma divisa com lastro na própria moeda, ou seja, no real.

Em tese, a moeda poderá ser aceita em quaisquer transações de pagamento, como o real convencional. Assim, o brasileiro poderá usar a divisa para pagar por produtos no comércio ou por serviços, por exemplo. A intenção do BC é que a moeda digital seja um complemento ao real convencional.

O BC já publicou as diretrizes mais gerais para a moeda digital. Com base nisso, o órgão vai promover discussões com a sociedade, por meio de seminários, para aperfeiçoar a proposta. A expectativa é de que em dois ou três anos a moeda digital possa ser lançada.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Balanço trimestral

Vai gerar insegurança? BB Seguridade (BBSE3) tem resultados abaixo da expectativa de analistas

O lucro líquido do segundo trimestre foi de R$ 753,7 milhões de reais, resultado 23,2% menor que o registrado um ano antes

O melhor do seu dinheiro

A corrida dos bilhões com barreiras nos balanços da semana e outras notícias que mexem com o seu dinheiro

Bom dia! Prepare-se para ler muitas vezes a palavra “bilhão” ao longo desta semana nas reportagens do Seu Dinheiro. Com a temporada de balanços na fase decisiva, estão programados para os próximos dias os resultados dos três maiores bancos brasileiros — Banco do Brasil, Itaú e Bradesco. Em outros tempos, os lucros bilionários projetados para […]

segredos da bolsa

Esquenta dos mercados: Copom e payroll devem movimentar os negócios junto com balanços dos grandes bancos

Além disso, os mercados amanheceram com apetite de risco nesta-segunda-feira; confira

Decolagem vertical

De olho nas cidades, Azul fecha parceria com startup alemã para ter carro voador

Acordo prevê a aquisição de 220 aeronaves fabricados pela Lilium, com um valor que pode chegar a US$ 1 bilhão e operação a partir de 2025

cardápio da semana

Itaú, Bradesco, BB e Petrobras divulgam resultados nesta semana; saiba o que esperar

Depois do baque com o início da pandemia, companhias que fazem parte do Ibovespa devem registrar uma alta anual de 255% do lucro por ação; veja agenda da semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies