Menu
2021-02-25T21:05:01-03:00
Estadão Conteúdo
Nível pré-pandemia

Governo Central tem superávit de R$ 43,219 bilhões em janeiro

Após 11 meses consecutivos de rombos causados pelos gastos de enfrentamento à pandemia, contas do Governo Central voltam a ter superávit

25 de fevereiro de 2021
20:46 - atualizado às 21:05
Banco Central do Brasil
Banco Central do Brasil - Imagem: Shutterstock

As contas do Governo Central voltaram a registrar superávit primário em janeiro, após 11 meses consecutivos de rombos causados pelos gastos de enfrentamento à pandemia de covid-19. No mês passado, a diferença entre as receitas e as despesas ficou positiva em R$ 43,219 bilhões.

Com isso, o resultado - que reúne as contas do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central - foi o segundo melhor desempenho para o mês na série histórica, iniciada em 1997.

O resultado só não foi melhor que o de janeiro de 2020, quando houve superávit de R$ 44,133 milhões. Em dezembro do ano passado, o rombo nas contas públicas foi de R$ 44,113 bilhões.

O superávit do mês passado ficou melhor que as expectativas do mercado financeiro, cuja mediana apontava um saldo positivo de R$ 39,700 bilhões, de acordo com levantamento do Projeções Broadcast junto a 19 instituições financeiras. O dado de janeiro ficou dentro do intervalo das estimativas, que eram de superávit de R$ 11,26 bilhões a R$ 52,60 bilhões.

Em janeiro, as receitas tiveram queda real de 0,1% em relação a igual mês do ano passado. Já as despesas caíram 0,4% na mesma comparação, já descontada a inflação.

Em 12 meses até janeiro, o Governo Central apresenta um déficit de R$ 776,4 bilhões - equivalente a 10,0% do PIB. A meta fiscal proposta pela equipe econômica para este ano admite um déficit de até R$ 247,118 bilhões nas contas do Governo Central.

Teto de gastos

As despesas sujeitas ao teto de gastos subiram 3,6% em janeiro na comparação com o mesmo mês de 2020, segundo o Tesouro Nacional. A conta não inclui os gastos extraordinários feitos para combater os efeitos da pandemia do novo coronavírus, que ficam de fora do teto por serem urgentes e imprevistos.

Pela regra do teto, o limite de crescimento das despesas do governo é a variação acumulada da inflação em 12 meses até junho do ano passado. Porém, como o governo não ocupou todo o limite previsto em anos anteriores, na prática há uma margem para expansão de até 5,9%.

As despesas apenas do Poder Executivo variaram 3,6% no período (para uma margem de 6,0%).

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

entrevista

‘Orçamento está falido e não deveria ser sancionado’, diz Rodrigo Maia

Para ex-presidente da Câmara, governo e Congresso tem responsabilidade por esse Orçamento em que as emendas parlamentares são maiores do que os gastos discricionários

ESTRADA DO FUTURO

O que o mercado está tentando te dizer sobre as ações do Banco Inter (BIDI11)

Como analistas, gastamos cada vez mais tempo avaliando histórias. E se você quer investir bem o seu dinheiro, também deveria fazê-lo

termômetro

Tesla, Robinhood e GM: as apostas do bilionário Jorge Paulo Lemann

Empresário brasileiro respondeu quais seriam os investimentos de curto e longo prazo, em uma espécie de termômetro sobre a confiança em torno do negócio

escolha da CEO

Criptomeme bilionário, $moda$ de Hering e Arezzo, aposta contra o BC… veja o que bombou na semana no Seu Dinheiro

Você apostaria contra o Banco Central do Brasil?  Não falo de apostas mequetrefes com a turma do escritório, do tipo “quem perder paga uma rodada”.  Estou falando de colocar o seu patrimônio em investimentos que podem dar retornos altos se o BC estiver errado. Pois é justamente o que defende Rogério Xavier, da SPX Capital, um […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies