Menu
2021-03-17T16:46:11-03:00
Letícia Flávia Pinheiro
Letícia Flávia Pinheiro
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista em formação pela Universidade de São Paulo, trabalhou com jornalismo cultural, assessoria de imprensa e marketing na Jornalismo Júnior (ECA - USP) e com produção de conteúdo na Agência Estufa.
RADIO CASH

Fim do juro baixo no Brasil? Mário Torós, ex-diretor do BC e sócio da Ibiúna, vê escalada da Selic acima de 5% ao ano e indica onde investir

No podcast RadioCash, produzido por Empiricus e Vitreo, Torós diz esperar início de ciclo de alta já na reunião de amanhã (17); ele também falou sobre dólar, inflação e recomendou investimentos

16 de março de 2021
12:48 - atualizado às 16:46
Mário Torós, ex-diretor de Política Monetária do Banco Central e um dos fundadores da Ibiuna Investimentos.
Mário Torós, ex-diretor de Política Monetária do Banco Central e um dos fundadores da Ibiuna Investimentos. - Imagem: BTG Pactual / Youtube/ Reprodução

Nesta quarta-feira (17), o Comitê de Política Monetária (Copom) decidirá os rumos da taxa básica de juros no Brasil, a Selic, e a expectativa em relação a isso não poderia ser maior. Desde julho de 2015, a Selic não sofre aumento. De lá para cá, ela foi de 14,25% para a mínima histórica de 2% ao ano, mantida nos últimos sete meses. E agora, depois de quase seis anos, o mercado prevê um aumento da Selic na reunião de amanhã.    

A subida dos juros é uma decisão importante de política monetária. Mas, afinal, o aumento do juro é bom ou ruim para a economia brasileira? E para meus investimentos? Onde devo me posicionar? Isso é uma tendência que veio para ficar ou é algo passageiro?

Essas foram algumas das questões respondidas por Mário Torós, ex-diretor do Banco Central e sócio-fundador da Ibiuna Investimentos, no último episódio do RadioCash, o podcast de mercado financeiro produzido por Empiricus e Vitreo. No bate-papo com Felipe Miranda, Jojo Wachsmann e Ana Luísa Westphalen, Tóros conta que enxerga o movimento de alta do juros global como positivo, sendo reflexo de uma retomada econômica: 

“Estamos em um momento de alta de juros benigna e não maligna. O resultado do aumento de juros é a normalização da economia”, explica o ex-diretor de política monetária do BC. 

No Brasil, Tóros acredita que, diante da elevação inflacionária, há um consenso de que já está na hora da Selic subir, e prevê a divulgação de um aumento de meio ponto percentual na taxa básica de juros nesta quarta-feira. No mesmo dia haverá reunião dos comitês do banco central do Brasil e dos Estados Unidos para decidir sobre a taxa de juros - e por isso o mercado apelidou a data de “super-quarta”. 

O economista acredita que o Banco Central está prestes a iniciar um ciclo de aperto monetário, que, em sua opinião, já vem tarde. “[Nós da Ibiuna] achamos que o BC vai iniciar esse processo com o aumento de 0,50 ponto percentual, acelerando nas próximas reuniões para 0,75 ponto, de forma que a taxa de juros passe dos 2% atuais para 5% e 5,5% numa primeira fase”.

A todos que desejam ter uma visão 360º sobre o que está acontecendo nas entrelinhas fiscais do mercado, recomendo fortemente escutar a entrevista com Torós na íntegra. Ouví-la é como ter uma verdadeira aula prática de política monetária. Você pode acessar o episódio do RadioCash gratuitamente pelo Spotify, ou então apertar no botão do play abaixo:  

Inflação para 2021: devemos nos preocupar? 

Para Mário Tóros, a alta dos juros é necessária para conter a inflação, que é já é motivo de atenção. O gestor acredita que a inflação pode atingir 8% em junho, no acumulado de 12 meses, o que deve causar preocupação na sociedade como um todo. 

“Espera-se que, no segundo semestre, ela inicie um lento processo de queda, até terminar o ano em 5%. Mas o risco disso falhar é grande”, explica.  

Ainda de acordo com o economista, o principal desafio do Banco Central é comunicar muito bem o processo da subida de juros, que deve acontecer gradualmente, diante de uma forte aceleração inflacionária. O maior desafio é impedir que a inflação não retorne devido à inércia ou a expectativas desancoradas, segundo Tóros.

Você pode acompanhar a entrevista completa e entender mais a fundo a visão de Mário Torós sobre o futuro inflacionário brasileiro no podcast RadioCash no link abaixo. É só dar o play: 

Nesse sentido, qual ativo eu deveria buscar?

Diante da perspectiva de juros, inflação e um cenário de mais risco, a dica do economista é investir em bons fundos multimercados, que possam ganhar dinheiro seja quando a taxa de juro cair, seja quando ela subir. “Esse tipo de fundo apresenta a flexibilidade que o investidor pessoa física não tem: a possibilidade de ganhar dinheiro em diferentes cenários”, explica.

Por outro lado, pensando em ativos brasileiros, a preferência de Torós é investir em NTN-B, título público também conhecido como Tesouro IPCA+ com juros semestrais. “Depois de calculada a inflação, corremos o risco de ter juros reais mais baixos do que temos nesse momento, justamente porque a inflação foi mais alta. Procuraria me defender dessa forma”, afirma o sócio-fundador da Ibiuna. 

NTN-B longa ou curta? Ao longo da entrevista, Tóros declara sua preferência de investimento. Confira a íntegra abaixo.

E esse dólar, eu compro ou vendo?

O gestor afirma gostar de uma posição comprada em dólar contra o real. “Estou zerado ou comprado”. Na perspectiva de Torós, enquanto o Brasil continuar com uma política monetária desequilibrada, há mais risco. Por isso, ele tende a ter uma posição de câmbio comprado. 

Essas foram as principais indicações feitas no podcast RadioCash. Se você busca estar em linha com os principais players do mercado, sugiro que ouça a entrevista completa. Muitas outras questões foram abordadas, como posição em bolsa asiática, volatilidade cambial no Brasil e as escaladas dos juros americanos. 

São em conversas como essa que investidores, como eu e você, conseguimos entender melhor o contexto macroeconômico, colocar as melhores oportunidades no radar e aumentar as chances de ganhar dinheiro com o mercado financeiro. 

O podcast RadioCash vai ao ar toda terça-feira e já está disponível para você escutar gratuitamente pelo Spotify. Escute e fique por dentro do que está no radar dos grandes investidores. 

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

em meio à crise

Em reunião com empresários, Bolsonaro defende vacinação e diz não ter preocupação com CPI da Covid

Presidente e ministros participaram de uma videoconferência com o grupo que reúne os 50 maiores grupos privados do País

seu dinheiro na sua noite

Ação da Moura Dubeux caiu 50% desde o IPO. Ficou barata?

O ano de 2020 começou promissor para a economia brasileira e com boas perspectivas para a chegada de novas empresas à bolsa. A temporada de IPOs se iniciou nos primeiros dias de fevereiro, com a estreia da construtora Mitre, seguida da empresa de tecnologia Locaweb. Mais para meados do mês, vimos a abertura de capital […]

ampliação de sortimentos

Lojas Americanas compra Imaginarium e prevê aumentar marcas próprias

Companhia anunciou aquisição do Grupo Uni.co, mas não revelou valores; com negócio, Americanas avança sobre varejo especializado em franquias

FECHAMENTO

Mercado olha desconfiado para Orçamento e Ibovespa acompanha queda do exterior; dólar fica estável

Com a agenda de indicadores esvaziada e a véspera de feriado, os investidores acabaram optando pela cautela

Prioridade na Casa

Câmara aprova requerimento de urgência sobre projeto de privatização dos Correios

A medida permite que a proposta “fure” a fila de votação de projetos e pode agilizar o processo de desestatização

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies