Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-07-01T19:03:27-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Sob ameaça da inflação

Fed começará a elevar juros no final de 2022 ou começo de 2023, prevê FMI

A entidade afirma que a reabertura da economia criará uma imprevisibilidade “considerável” na inflação durante os próximos meses

1 de julho de 2021
19:03
Calculadora com sinal de porcentagem representando juros
Imagem: Shutterstock

O Fundo Monetário Internacional (FMI) estima que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) começará a elevar a taxa básica de juros dos Estados Unidos no final de 2022 ou no início de 2023.

Em relatório divulgado nesta quinta-feira, a entidade afirma que a reabertura da economia criará uma imprevisibilidade "considerável" na inflação medida pelo índice de preços dos gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) durante os próximos meses.

Esse cenário, segundo o FMI, tornará "muito difícil" adivinhar as tendências inflacionários subjacentes.

"Gerenciar essa transição — desde fornecer garantias de que a política monetária continuará com o suporte poderoso à economia à preparação para uma eventual redução das compras de ativos e uma retirada da acomodação monetária — exigirá comunicações hábeis em um cronograma potencialmente apertado", diz a instituição no documento divulgado nesta quinta-feira.

O FMI projeta que o Fed iniciará o "tapering", como é chamado o processo de retirada de estímulos, no segundo semestre de 2022.

PIB disparado

A entidade também revelou que vê um crescimento de 7% do Produto Interno Bruto (PIB) do país em 2021 e de 4,9% em 2022.

O FMI afirma que o apoio monetário e fiscal "sem precedentes", combinado com o recuo no número de casos de covid-19, deve fornecer impulso "substancial" à atividade econômica nos próximos meses.

"A poupança diminuirá, a demanda por serviços presenciais retornará e os estoques serão reconstruídos", diz.

A instituição ressalva que leva em consideração que os pacotes fiscais propostos pelo presidente americano, Joe Biden, serão aprovados no Congresso.

O FMI também estima que a inflação medida pelo índice de preços dos gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) fique em 4,3% em 2021 e em 2,4% em 2022.

Já o núcleo do PCE, segundo as projeções da entidade, deve alcançar 3,7% neste ano e desacelerar para 2,4% no próximo.

"As expectativas de inflação também devem permanecer bem ancoradas. No entanto, as tendências da inflação subjacente serão obscurecidas nos próximos meses por movimentos transitórios significativos nos preços relativos", diz o comunicado do FMI.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

SEXTOU COM O RUY

Big Bang, a teoria: As leis da Física e a tributação dos dividendos

As empresas são organismos vivos, que precisam se adaptar às mudanças para sobreviver, como na recente proposta de tributação de dividendos

dinheiro no caixa

Petrobras vende participação em companhias de energia por R$ 160 milhões

Estatal assinou contratos para a venda de suas participações de 20% na Termelétrica Potiguar (TEP) e de 40% na Companhia Energética Manauara (CEM) para a Global Participações Energia S.A. (GPE)

seu dinheiro na sua noite

Mais micro, menos macro: quando os balanços são o destaque na bolsa

Como investidores, sabemos que os mercados estão sujeitos às mudanças no cenário macroeconômico – e, no caso do Brasil e outros países emergentes, os pregões são particularmente suscetíveis também ao noticiário político. Mas, no fim do dia, a bolsa reflete o desempenho das companhias que ali são negociadas. Nas temporadas de balanços trimestrais, analistas e […]

cardápio do dia

Fleury, EcoRodovias e Localiza: os balanços que mexem com o mercado nesta sexta

Companhias registram forte aumento no lucro, confirmando tendência entre empresas do Ibovespa

Fechamento do dia

Bolsa, dólar e juros fecham o dia no vermelho, com balanços no radar e Wall Street em alta

Em movimento raro, bolsa, dólar e juros fecharam o dia no vermelho. É que enquanto o apetite por risco reinava no exterior, os balanços levaram o Ibovespa a um movimento de correção

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies