Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-12-17T18:35:24-03:00
Estadão Conteúdo
FECHADO PARA BALANÇO

Guedes volta a afirmar que Brasil ‘se reergueu’ em coletiva de balanço de fim de ano

Paulo Guedes defende atuação do Ministério da Economia durante a crise da COVID; entenda

17 de dezembro de 2021
18:35
Paulo Guedes
Ministro da Economia, Paulo Guedes - Imagem: MARCELO CHELLO/CJPRESS/AE/

O ministro da Economia, Paulo Guedes, avaliou nesta sexta-feira que os últimos dois anos foram os mais difíceis que a economia já enfrentou, mas argumentou que o Brasil já está de pé após a recuperação de 2021.

Ele enfatizou que a economia e o emprego já voltaram para o patamar pré-pandemia.

"Em 2020, doença se ergueu sobre o País, havia temor de fome, depressão, além das mortes. Em 2020, a doença estava forte e o Brasil tombou; em 2021, País se reergueu, doença tombou" afirmou o ministro, em coletiva de fim de ano.

O ministério só permitiu cinco perguntas dos jornalistas.

Guedes citou as medidas tomadas durante a pandemia no ano passado, mas disse que seus efeitos foram mais sentidos em 2021. "Isso tudo deu frutos neste ano, quando a economia se reergueu. A síntese de 2021 é que as previsões de que o Brasil iria dar errado falharam, a economia realmente voltou em V e cresceu 5% neste ano", repetiu.

O ministro da Economia disse que o governo colocou o Brasil de pé, apesar de reconhecer que a população está mais pobre por causa da inflação.

"Alguns vão dizer que o Brasil está mais pobre. Sim, guerras empobrecem. O mundo todo ficou mais pobre. Inflação também está alta na Alemanha, Estados Unidos e China. É culpa do governo Bolsonaro? Falam que governo A ou B perderam menos empregos, mas algum outro governo enfrentou a covid? Então não podemos comparar", afirmou.

Ele argumentou que as políticas econômicas em todas as dimensões estão dando resultado, e destacou que a arrecadação está crescendo mês a mês.

"Falam que é por causa da inflação: mentira. Porque estamos batendo recordes em termos reais (já descontada a inflação), alegou. Quando tem um pouco mais de inflação também tem mais crescimento do PIB", elencou.

"Criamos 3 milhões de empregos desde o fundo do poço", repetiu.

Segundo ele, economia está como estava no dia em que a pandemia da covid-19 chegou ao País.

Apertando os cintos

O ministro da Economia enfatizou ainda que o governo vai manter o compromisso de consolidação fiscal. Segundo ele, tanto a União quanto os Estados e municípios estão hoje em uma situação fiscal melhor do que estavam antes da pandemia.

"Os gastos saíram de 19,5% do PIB em 2019, foram a 26% do PIB com pandemia em 2020 e vão voltar a 19,5% do PIB. Nós honramos em 2020 e 2021 o nosso compromisso com as futuras gerações. A guerra foi enfrentada, não faltaram recursos, e agora gastos voltam a patamar anterior", afirmou Guedes.

"Todos Estados e municípios melhoraram gestões ou houve um pacto federativo funcionando?", acrescentou.

Ele voltou a criticar as projeções de mercado que apontavam para uma dívida bruta em 100% do PIB quando o resultado neste ano ficará em 80% do PIB.

Guedes repetiu que o déficit primário irá voltar a 1% do PIB depois de chegar a 10% do PIB no ano passado. "Com as campanhas sendo postas, começamos a ver todos os economistas que estavam militando antes", ironizou.

Papo furado

O ministro da Economia disse ainda que críticas ao governo sobre populismo e irresponsabilidade fiscal são "Fake News".

Ele voltou a citar a redução do déficit primário para argumentar que nenhum país fez um ajuste fiscal tão robusto quanto o brasileiro.

"À exceção de Cingapura, nenhum país fez uma ajuste fiscal tão robusto como o brasileiro. Foi nosso compromisso de que o dinheiro da saúde não iria viria aumento de salário", afirmou Guedes.

Ele voltou a usar a coletiva de balanço de 2021 para citar ações e medidas tomadas pelo governo em 2020.

"É verdade que nós nos endividamos um pouco mais, mas os Estados e municípios melhoraram seus resultados. Onze Estados que estavam no vermelho voltaram para o azul. Não deixamos os governos regionais entrarem em colapso por falta de recursos", afirmou.

Lembrou também que o compromisso da pandemia de não reajustar salários acaba em 31 de dezembro.

Escalada dos preços

Embora o Banco Central já fale de um processo inflacionário mais persistente, o ministro da Economia, Paulo Guedes repetiu que a avaliação de que inflação é temporária.

"Proporcionalmente, a inflação americana e a europeia subiu mais que a nossa", argumentou. "Teve inflação no mundo inteiro. Em todo o mundo, salários, aposentadorias e aluguéis perderam poder de compra e os governos mantiveram programas sociais. Mas as cadeias produtivas se desarticularam, e esse choque de oferta adverso tirou renda, emprego e trouxe inflação no mundo inteiro", completou.

Mais uma vez, Guedes disse que o governo "despolitizou a moeda" ao aprovar a lei de independência do Banco Central.

"Essa foi a primeira entrega deste ano", classificou. "Se é verdade que a inflação subiu, a culpa é nossa ou da covid? Fizemos o BC independente", respondeu.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Tartaruga x lebre

Warren Buffett está prestes a bater o retorno do fundo de empresas de tecnologia que brilhou na crise

As ações da Berkshire Hathaway, holding do bilionário, conseguiram lentamente se aproximar do retorno do ARK Innovation ETF, da badalada gestora Cathie Wood

Concurso 2446

Mega Sena acumula; confira os números sorteados e a previsão de prêmio para o próximo concurso

As dezenas sorteadas do concurso 2446 da Mega Sena foram 1-13-27-41-51-58. Próximo sorteio acontece no dia 25 de janeiro

Em busca de liquidez

WDC Livetech da Bahia (LVTC3) fará oferta para destravar negociações com ações para o pequeno investidor

Os papéis da WDC estrearam na B3 em julho do ano passado em oferta de ações restrita a investidores profissionais

Criptocrash

O que acontece com o bitcoin? 4 razões para o novo crash do mercado de criptomoedas

O bitcoin não é o mesmo desde que atingiu a máxima histórica de quase US$ 70 mil no início de novembro. Saiba as razões para o mau momento do mercado cripto

Sonho mais distante

Carro zero mais barato agora custa pelo menos 40 salários mínimos

Com alta de 27%, salário mínimo não conseguiu acompanhar o salto três vezes maior no período (83%) do preço do carro zero mais barato; confira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies