Menu
2021-05-24T12:20:10-03:00
Estadão Conteúdo
Uma Argentina ao ano

Bitcoin despenca, e ambientalistas agradecem

23 de maio de 2021
16:55 - atualizado às 12:20
Digital,Currency,Physical,Metal,Dogecoin,Coin,On,The,Gold,Bitcoins.
Imagem: Shutterstock

O bitcoin derreteu. A moeda virtual, que chegou a valer US$ 64 mil em abril, encerrou a semana cotada a US$ 37,3 mil, uma queda de 42% desde seu auge. Se o comportamento do ativo nas últimas semanas decepciona e preocupa investidores e "mineradores", ambientalistas comemoram.

Há alguns anos, o bitcoin passou a ser apontado como vilão do meio ambiente. A nocividade da moeda ganhou ainda mais os holofotes após o bilionário Elon Musk afirmar que sua montadora de veículos elétricos, a Tesla, não aceitaria mais bitcoin como forma de pagamento devido ao potencial danoso da moeda. No começo do ano, porém, a empresa anunciou ter investido US$ 1,5 bilhão em bitcoin, o que pressionou o preço do ativo para cima.

O dano causado por criptomoedas ao ambiente ocorre porque elas demandam grande volume de energia para existir. Um indicador desenvolvido pela Universidade de Cambridge aponta que o bitcoin consome, por ano, quase o mesmo volume que a Argentina inteira. Segundo outro indicador - o Bitcoin Energy Consumption Index, ou índice de consumo de energia do bitcoin -, o gasto estaria no mesmo patamar do da Holanda.

A produção de bitcoins é feita por computadores que realizam cálculos matemáticos de alta complexidade. Esses computadores estão ligados a uma espécie de rede paralela na web. Tudo isso foi desenvolvido em 2009 por um programador anônimo de computação. Ele estabeleceu em seus códigos computadorizados que, a cada dez minutos, o software do bitcoin lança uma equação matemática diferente na internet. O computador que desvendar primeiro a fórmula é recompensado com um lote de 6,25 bitcoins. Hoje, um lote desses vale US$ 233 mil, ou R$ 1,2 milhão.

Como os "mineradores" são pagos em bitcoin, quanto maior a cotação da moeda, maior a probabilidade de alguém investir em equipamentos que decodificam as equações. "Há um incentivo grande para se adicionar máquinas à rede. Baseado no preço (do bitcoin no início do mês, quando estava cotado a US$ 55 mil), o consumo de energia pode dobrar no próximo ano", diz Alex de Vries, criador do Bitcoin Energy Consumption Index. Por isso, o alívio entre ambientalistas quando o preço do bitcoin cai.

Uma das maiores preocupações em relação ao impacto ambiental das criptomoedas decorre da concentração de 65% das "minas" na China. Apesar de também contar com hidrelétricas, o país tem o carvão como fonte responsável por 60% do abastecimento. Segundo a Universidade de Cambridge, em todo o mundo as energias renováveis são fonte de apenas 39% dos computadores usados na "mineração".

A universidade ainda não tem estimativas de quanto gás carbônico emitem todos esses computadores trabalhando 24 horas por dia. Para Alex de Vries, é possível dizer que é o equivalente ao emitido pela Suécia.

Na região da Mongólia Interior - localizada no norte da China e responsável por 8% da "mineração" global -, o governo anunciou em março que a atividade seria proibida porque vinha impossibilitando que metas de redução de carbono fossem alcançadas.

O governo da Mongólia Interior não é o único preocupado com as questões ambientais. Na semana passada, o Banco Central Europeu afirmou que a "pegada de carbono exorbitante do bitcoin e seu uso potencial para fins ilícitos são motivos de preocupação".

O Estado de Nova York estuda um projeto de lei para proibir a "mineração" até que os impactos ao meio ambiente sejam melhor analisados. "Minas" que não cumprirem com metas climáticas devem ser banidas. O setor público, por enquanto, está tomando a dianteira nas discussões sobre o assunto. Ainda que tenham assumido compromissos de preservação ambiental, empresas no mundo todo começam a investir nas criptomoedas.

Fundos

No Brasil, o BTG Pactual lançou, na última segunda-feira, um fundo de investimento com alocação total de recursos em bitcoin. Em abril, o banco tinha anunciado outro fundo de bitcoin, mas apenas 20% dele era composto pela moeda digital. Procurado, o BTG não quis falar sobre a questão ambiental.

A fintech Hashdex, gestora brasileira de recursos especializada em moedas digitais, também lançou, neste ano, um fundo de investimento em criptomoedas que é negociado na Bolsa de Bermudas. A empresa também não quis comentar.

No varejo, o Mercado Livre revelou, neste mês, que comprou US$ 7,8 milhões em bitcoin entre janeiro e março para diversificar os ativos na estratégia de tesouraria. Poucos dias antes, a companhia havia divulgado que passou a ter uma seção em sua plataforma onde o bitcoin é aceito na compra de imóveis na Argentina. Em nota, a empresa afirmou que, com o "propósito de inovação permanente", tem acompanhado a "evolução das criptomoedas e da tecnologia blockchain na economia global, observando todos os aspectos financeiros, regulatórios e ambientais que envolvem tais tecnologias".

O aumento da procura por bitcoins por empresas e instituições financeiras é justamente um dos fatores que fizeram o preço da moeda subir nos últimos 12 meses, segundo o professor Robert Wardrop, diretor do centro da Universidade de Cambridge responsável pelo indicador que mensura o volume de energia gasto pelo bitcoin.

Wardrop afirma que gestoras de recursos e companhias podem querer apostar no bitcoin por ser um ativo que costuma oscilar de forma diferente dos demais negociados no mercado, como o dólar. Isso deve se tornar mais difícil, no entanto, para as empresas mais expostas publicamente e comprometidas com metas de sustentabilidade.

"Para os intermediários, que só facilitam a comercialização e estão encarando uma demanda enorme de clientes, é mais fácil. Mas um BlackRock (maior gestora de ativos do mundo) ou algum outro grande nome que se preocupa com sua reputação pode ser menos inclinado a manter bitcoin."

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

E a fila aumenta

BR Partners faz registro de IPO que pode movimentar até R$ 620 milhões

Banco de investimentos fundado por Ricardo Lacerda pretende fazer uma oferta pública de Units, com faixa de preço entre R$ 16 e R$ 19

Pedido ao presidente

Instituto Aço Brasil pede a Bolsonaro para não reduzir tarifa de importação

Na visão do presidente executivo da entidade, Marco Polo de Mello Lopes, não há cenário de excepcionalidade que justifique tal medida

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies