Menu
2021-06-08T18:48:43-03:00
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo
Coisa de filme? Nem tanto

Como o FBI rastreou os bitcoins do ataque hacker a um oleoduto nos Estados Unidos

Diferentemente dos filmes, não foi preciso invadir um bunker subterrâneo, ficar de detetive atrás de pessoas ou mesmo chamar o Capitão América

8 de junho de 2021
10:53 - atualizado às 18:48
bitcoin, ramsonware, Colonial,Pipeline,Co,Logo,On,The,Blurred,Background,And,Word
Imagem: Shutterstock

Os ataques ransomware, quando hackers criptografam os dados da empresa e fazem um“sequestro” em troca de dinheiro, em geral criptomoedas, têm sido cada vez mais comuns. Foi o que aconteceu com o oleoduto da Colonial Pipeline, nos Estados Unidos, cujo fornecimento de petróleo chegou a ser ameaçado, e da JBS, que teve suas atividades paralisadas por três dias

O governo dos Estados Unidos, juntamente com o FBI, a polícia federal norte-americana, ofereceu ajuda à Pipeline e, juntos, conseguiram descriptografar os dados, e a empresa voltou a funcionar.

Diferentemente dos filmes, não foi preciso invadir um bunker subterrâneo, ficar de detetive atrás de pessoas ou mesmo chamar o Capitão América. 

Nós já falamos aqui no Seu Dinheiro sobre os mitos e verdades envolvendo criptomoedas. Dois deles estão interligados e nós explicaremos aqui como o FBI fez para encontrar a carteira dos hackers.

Pseudo-anônimo

As carteiras em criptomoedas são chamadas de pseudo-anônimas pelos especialistas. Você pode fazer uma wallet de criptomoedas em diversos aplicativos com diversas finalidades diferentes, que explicaremos mais para frente. Mas, ao criar essa carteira, existe a possibilidade de não identificá-la. 

Ou seja, em um primeiro momento, não dá para saber quem é o dono daquela carteira. Os criminosos que bloquearam os dados da Pipeline receberam cerca de 75 bitcoins, aproximadamente US$ 4,7 milhões, em 8 de maio, quando o preço do criptoativo estava em quase US$ 60 mil.

Os hackers saíram felizes da vida, mas se esqueceram do “pseudo” antes do “anônimo”. 

Rastreados

Se você pensa em entrar para a vida de crimes, um conselho: as criptomoedas são totalmente rastreáveis. A blockchain, como o próprio nome já diz, é um encadeamento de blocos imutáveis que guardam informações das transações uns nos outros. Veja um exemplo:

Se uma pessoa A me mandar bitcoins e eu transferir para pessoa B:

  • o bloco da pessoa A contém informações da pessoa que transferiu bitcoins para ela;
  • o meu bloco terá informações do bloco da pessoa A;
  • e o bloco da pessoa B terá informações do meu bloco.

Dessa forma, é possível saber por onde passaram cada um dos 75 bitcoins que o FBI transferiu para os hackers. Não é um trabalho fácil rastrear cada carteira, mas ainda assim, é possível.

No site GitHub, uma rede social de programadores, você mesmo pode baixar a blockchain do bitcoin e checar as transações de carteiras anônimas ou não. 

Fica a dica

Os criminosos da Pipeline utilizaram as chamadas “carteiras quentes” para receber os bitcoins. Esse tipo de wallet é melhor para quem quer fazer transações no dia a dia porque está conectada à internet, mas também é a mais provável de ser hackeada e rastreada, pelo mesmo motivo.

Já as chamadas “carteiras frias” são aquelas offline, que estão guardadas em um pendrive ou outro hardware de armazenamento específico. Essas wallets são mais difíceis de rastrear porque precisam estar conectadas a uma rede para fazer as transações.

Além disso, quando o usuário converte bitcoins em outra moeda, como reais ou dólares, é possível que o FBI já esteja no seu rastro e bata à sua porta.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Jabuti do bem?

MP da Eletrobras: contratação de térmicas a gás pode diminuir conta de luz, diz estudo da Abegás

A medida vem sendo criticada pela maioria das elétricas, que alegam que ela vai na contramão da modernização e competitividade do setor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies