Menu
O melhor do Seu Dinheiro
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
2021-01-02T12:00:45-03:00
SELEÇÃO DE NOTÍCIAS

O que será de 2021: o melhor do Seu Dinheiro na semana

2 de janeiro de 2021
12:00
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Caro leitor,

Gostaria de começar 2021 com um desejo de feliz ano novo para você e sua família! Muita paz, alegrias, realizações e bons investimentos.

O ano que passou com certeza não deixará saudades em ninguém. Uma pandemia praticamente sem precedentes históricos parou o mundo todo, provocando infelizmente milhões de mortes.

Do lado da economia, vimos os países paralisando suas atividades para evitar a disseminação da covid-19. A consequência foi uma recessão da magnitude da Crise de 1929, com desemprego em massa e fechamento de milhões de empresas. Ninguém atravessou o ano ileso.

Mas, no meio de todo este caos, 2020 mostrou aspectos positivos sobre nós. Desafiada, a humanidade conseguiu demonstrar solidariedade, com inúmeros exemplos de pessoas ajudando aquelas mais necessitadas e vulneráveis à pandemia. Os governos atuaram para evitar o pior, injetando dinheiro nas economias, e nós conseguimos desenvolver uma vacina contra covid-19 em tempo recorde.

Tudo isto gera perspectivas animadoras para 2021. Vemos a pandemia próxima do fim, e isso começou a se traduzir em retomada da economia já no segundo semestre, como ficou claro com o crescimento de 7,7% do PIB no terceiro trimestre.

Os mercados já reagiram. Depois de uma queda brusca no primeiro semestre, a segunda metade de 2020 foi marcada pela retomada, levando o Ibovespa a fechar o ano no azul, quase alcançando pontuação recorde.

Agora, o grande desafio será manter todos esses ganhos e garantir que todos aproveitem seus frutos. Como disse Samuel Pessôa em entrevista exclusiva para nós, publicada neste sábado, o Brasil poderá crescer 5% em 2021 se formos capazes de resolver a pandemia e lidar com nossos problemas fiscais.

Então, vamos em frente! Este ano tem tudo para ser o da redenção. E espero que possamos fazer isso com a mesma resiliência e humanidade que mostramos nos piores momentos de 2020.

Um grande abraço e bom final de semana!

1. 2020, o ano inesquecível

Aos trancos e barrancos conseguimos atravessar 2020, um ano repleto de eventos incomuns, inesperados e alguns beirando o bizarro.

A gente tem a impressão de que tudo foi causado pelo coronavírus, mas o ano passado foi repleto de fatos que não tinham nada a ver com a pandemia – um exemplo foi o ataque dos Estados Unidos contra um dos principais líderes militares do Irã, gerando medo do início de uma 3ª Guerra Mundial.

Mesmo no mundo dos negócios tivemos casos que ficarão para sempre marcados na história, como a notícia falsa de que Warren Buffett era acionista da empresa de resseguros IRB Brasil.

Para ajudar a refrescar a memória, o Vinícius Pinheiro e o Felipe Saturnino compilaram, com ajuda de toda a equipe do Seu Dinheiro, os dez acontecimentos que marcaram os mercados em 2020.

2. Não desperdice a crise

O ano que passou foi, sem dúvida, difícil em todos os sentidos. No mundo dos investimentos, então, nem se fale. Vimos a bolsa derreter 45% entre o final de fevereiro e março, com direito ao acionamento do circuit breaker (mecanismo de proteção das bolsas que paralisa o pregão quando o Ibovespa cai mais de 10%) por seis vezes, um feito inédito.

Para o nosso colunista Ruy Hungria, por mais doloroso que possa ter sido, um ano atípico como esse que passou deve ser visto como uma oportunidade de aprendizado. Afinal, experiência e conhecimentos técnicos são fundamentais para quem quer ganhar dinheiro na bolsa. E tem melhor experiência do que uma crise como a que vivemos?

Em sua primeira coluna em 2021, Ruy listou sete lições aprendidas nos últimos doze meses e como podemos utilizá-las para nos tornar melhores investidores daqui em diante.

3. O ruim que ficou bom

Tudo apontava para um ano ruim para as siderúrgicas. As medidas para combater a pandemia de covid-19 diminuíram drasticamente a demanda por aço a partir de março, com montadoras e empresas de construção reduzindo a atividade. No primeiro semestre, a produção de aço bruto no Brasil caiu quase 20%.

Só que a situação começou a melhorar no segundo semestre, e as siderúrgicas começaram a ver uma luz no fim do túnel. Houve um repique na demanda interna e externa, principalmente na China. A valorização do dólar, pelo qual o preço do aço é cotado internacionalmente, também ajudou.

Este cenário positivo permitiu às companhias reajustarem, para cima, os preços do aço no mercado interno e aumentar seus lucros. E as ações das principais siderúrgicas reagiram positivamente – os papéis da CSN, por exemplo, lideram as altas percentuais do Ibovespa.

Mas será que este bom momento perdura em 2021? O Felipe Saturnino ouviu gestores e analistas para saber o que esperam para os papéis do setor.

4. IPOs novos

Uma coisa surpreendente em 2020 foi a quantidade de empresas que abriu o capital na bolsa. Mesmo com a crise, fechamos o ano com 27 ofertas públicas iniciais de ações (IPOs, na sigla em inglês), maior volume desde 2007.

Mas o mais interessante foi a chegada de empresas de fora do eixo Rio-São Paulo. Basta lembrar a operação feita pelo Grupo Mateus, uma gigante varejista do Maranhão, pouco conhecida no Sudeste, que arrecadou R$ 4,6 bilhões. Mais sete companhias de outros Estados abriram o capital na B3.

E o próximo ano promete ser de continuidade deste movimento, de acordo com gestores ouvidos pelo Kaype Abreu.

5. Na busca por mini-Intermédicas

Em um ano marcado por uma pandemia, nada mais natural do que os investidores ficarem de olho no que os principais players do setor de saúde estão planejando.

Enquanto muitas empresas do setor penaram com a situação, principalmente laboratórios e hospitais, a Notre Dame Intermédica conseguiu atravessar com tranquilidade o momento, graças ao seu modelo de verticalização de serviços.

A empresa não só se virou, como conseguiu aumentar a base de beneficiários e adquirir novos hospitais e clínicas.

Para 2021, a estratégia continua sendo expandir suas operações e consolidar a presença em regiões que concentram a maior parte da população brasileira, buscando empresas com o mesmo perfil, ou mini-Intermédicas.

A Jasmine Olga conversou com o diretor de relações com investidores da Notre Dame Intermédica e traz para você um pouco mais sobre os planos da empresa para este ano.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Tamanho menor

Zara fecha sete lojas no Brasil em plano de reorganização

O plano da empresa foi traçado em 2020 e, no Brasil, começou ainda no ano passado, com o fechamento de lojas nas cidades de Joinville (SC) e São José dos Campos (SP)

Seu Dinheiro no sábado

A única coisa que Bill Gates não pode comprar

Troca de presidente nos Estados Unidos, início da vacinação para covid no Brasil e comunicado do Banco Central com vocabulário novo. A semana que se encerra trouxe novidades importantes. É bem verdade que também teve notícia velha, daquelas que encontramos todos os dias: disputas políticas entre Jair Bolsonaro e João Dória, caos nos hospitais públicos […]

Sem dieta

McDonald’s tem planos de abrir 50 novos restaurantes na América Latina, 80% deles no Brasil

Rede pretende investir até US$ 130 milhões (R$ 690 milhões) na região e também quer reforçar o drive-thru, delivery e o aplicativo

Bilionário imunizado

Adivinha quem já foi vacinado? Bill Gates compartilha foto e diz como se sente após tomar 1ª dose

Fundador da Microsoft compartilhou foto do momento em que era vacinado e enalteceu o trabalho dos cientistas, voluntários e profissionais da saúde que trabalham no combate à pandemia

Início de cobertura

Após queda de 56%, XP revela o que espera das ações da dona da rede de restaurantes Frango Assado e Pizza Hut no Brasil

Os analistas da corretora iniciaram a cobertura das ações da IMC com recomendação neutra e preço-alvo de R$ 4,00, o que indica um potencial de alta de 8%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies