Menu
Rodolfo Amstalden
Exile on Wall Street
Rodolfo Amstalden
Sócio-fundador da Empiricus e autor do Programa de Riqueza Permanente
Dados da Bolsa por TradingView
2021-08-26T10:59:25-03:00
Exile on Wall Street

O que o enredo de “De Volta Para o Futuro – parte 2” nos ensina sobre prever o mercado?

26 de agosto de 2021
10:55 - atualizado às 10:59
De volta para o futuro
"De Volta Para o Futuro - parte II" (1989) / Imagem: Divulgação

O imaginário financista cultiva um entendimento infantil de que enxergar o futuro implica lucrar com a trajetória dos ativos financeiros, seja essa uma trajetória de alta ou de baixa.

Todavia, no imaginário popular — sintetizado por narrativas que vão de Cassandra a Marty Mcfly —, a faculdade de prever o futuro sempre vem acompanhada de uma série de dificuldades trágicas.

Prestes a voltar para o passado, Marty decide comprar um almanaque esportivo que lista todos os resultados das competições americanas entre 1950 e 2000.

Apostas baseadas nesses resultados certamente produziriam ganhos extraordinários — chamaríamos isso de beta ou de alfa?

Porém, o Dr. Emmett Brown corta o barato de McFly, dizendo que não construiu sua máquina do tempo para ganhar dinheiro, e sim em nome da ciência.

Emmett joga o almanaque no lixo, e aí começam todos os problemas no enredo de "De Volta Para o Futuro - Parte 2".

Se você encontrasse um almanaque financeiro no lixo, com estatísticas completas para o período 2022–2052, isso seria uma bênção ou uma maldição?

Travestida de roupagem lúdica, essa é, na verdade, a única questão filosófica que importa.

Se não houvesse nenhuma outra dúvida no mundo, restaria ainda uma dúvida fundamental: esta vida — narrada pelo almanaque, conhecida desde o nascimento — é uma vida que merece ser vivida?

A melhor resposta, ao meu ver, é dada pela evolução das espécies, por meio da seleção natural.

Conhecemos formas de vida com bicos, com asas, com oito pernas, que enxergam no escuro, que não precisam de olhos, que respiram oxigênio, que respiram gás carbônico, que compram COGN3, que morrem a cada minuto ou que vivem cem anos.

Por que — em meio a toda essa tamanha heterogeneidade — não temos pelo menos uma forma de vida capaz de enxergar o futuro?

Meu palpite é o de que não existe um prêmio evolucionário associado à antevisão; ao contrário, ela representaria o maior de todos os karmas.

Aqueles indivíduos (hipoteticamente) capazes de ver o futuro tomariam ciência instantânea das inúmeras mazelas que os acometeriam por toda uma vida.

De uma forma ou de outra, sucumbiriam diante dessa carga letal de sofrimento trazida a valor presente, que nunca poderia ser compensada por um fluxo intertemporal de alegrias vindouras.

A seleção natural é sábia, obrigando-nos a passar por um problema de cada vez, intercalando janelas de tempestade com janelas de bonança, aliviando a barra.

Não faz isso em nome do dinheiro, nem em nome da ciência; faz em nome da sobrevivência.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

MERCADOS HOJE

Evergrande injeta temor no mercado global e bolsas têm dia de fortes perdas; Ibovespa fecha no menor nível desde novembro

Temor de que os problemas da incorporadora chinesa gerem uma reação em cadeia no mercado global afundou as bolsas nesta segunda-feira (20)

Ruído político

Congresso não participou de debate sobre aumento no IOF, revela presidente da Câmara

Arthur Lira também declarou que quer avançar com a reforma administrativa e uma solução para a questão dos precatórios ainda nesta semana

Na onda do minério

Mercado Livre (MELI34) ultrapassa Vale (VALE3) e se torna a empresa mais valiosa da América Latina

A gigante de comércio eletrônico argentina conquistou o posto após a mineradora brasileira perder R$ 43,6 bilhões em valor de mercado na última semana

Vídeos

Investir em IPOs vale a pena? Saiba as causas dessa febre do mercado

O ano de 2021 está mostrando a força do setor dos IPOs. São diversas empresas que abriram seu capital e fizeram sua oferta primária. Matheus Spiess, analista da Empiricus, explica neste vídeo sobre este cenário. Confira

desaceleração a caminho

Renda fixa: Por que a Evergrande derruba o Ibovespa, mas alivia o mercado de juros

Desempenho é oposto ao que se poderia esperar quando há pânico no mercado, diz especialista; contratos DIs para janeiro de 2022 caem de 7,09% para 7,08%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies