Menu
Rodolfo Amstalden
Exile on Wall Street
Rodolfo Amstalden
Sócio-fundador da Empiricus e autor do Programa de Riqueza Permanente
Dados da Bolsa por TradingView
2021-08-05T11:06:03-03:00
Exile on Wall Street

Descontrole fiscal no Brasil — sinal positivo para os ativos e risco? Entenda

5 de agosto de 2021
11:05 - atualizado às 11:06
Fiscal
Imagem: Shutterstock

Copom mais duro, minuciosamente descritivo em relação aos próximos passos, como nunca se viu.

Está mirando não só a inflação, mas também tentando compensar os sinais de descontrole fiscal.

Talvez o parcelamento dos precatórios realmente não tenha nada a ver com a proposta de um Bolsa Família de "mais de R$ 300". Mas certamente tem a ver com outra coisa, bem menos intuitiva: a reforma da Previdência.

Por que a reforma da Previdência foi tão importante para a melhora da percepção da dívida pública?

Os gastos com a antiga Previdência eram explosivos ao longo do tempo — uma curva convexa, apontando para cima. Com a reforma, achatamos a curva, retomando sua concavidade.

Mediante essa conquista institucional, o outlook sobre a dívida pública melhorou muito; não havia mais gastos explosivos no horizonte tangível.

O mercado se preocupa menos com o nível da dívida e mais com sua evolução ao longo do tempo. Em tese, tal evolução estaria domada, mediante a ausência de outras contas explosivas.

De repente, porém, notou-se um comportamento estranho das contas jurídicas, influenciadas pelos precatórios.

R$ 10 bilhões num ano viraram R$ 20 bilhões em um próximo ano, e assim por diante.

A previsão já incômoda de R$ 50 bilhões para 2021 ficou subestimada face a uma conta efetiva da ordem de R$ 90 bilhões.

Ironicamente, esse crescimento dos precatórios vai sendo avaliado pelo mercado como ainda mais perturbador que o antigo aumento dos gastos com a Previdência.

No caso da Previdência, pelo menos tínhamos a aritmética necessária para calcular o tamanho dos rombos futuros, ano após ano.

No caso dos precatórios, as previsões e atualizações parecem sempre sair de uma caixa-preta — e a ideia de parcelamento certamente não ajuda em um problema cuja escala é cumulativa e incógnita.

Fica a sensação de que os gastos públicos brasileiros jamais serão controlados, a despeito da implementação de um teto legal.

Ao fecharmos "N" vazamentos, inevitavelmente surgirá um vazamento "N+1", intangível.

Esse é o momentum corrente em relação às contas públicas — um momentum ruim, e aprofundado pela iminência das eleições, que costumam gerar gastos excepcionais.

Em contraponto, conforme aprendemos com o RadioCash do Mansueto, existem também surpresas positivas no controle dos déficits públicos, ainda não precificadas pelo mercado.

Ninguém pode dizer nada em relação ao timing, mas a assimetria de informações, do ponto de vista fiscal, parece tender a uma melhora dos ativos de risco.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

seu dinheiro na sua noite

Costurando uma saída

Não faz muito tempo que usei este mesmo espaço para lembrá-lo de como o mercado não gosta de incertezas e a falta de uma leitura clara sobre o futuro acaba prejudicando os negócios na B3. O dia de hoje veio para provar que, mesmo em meio às incertezas, ter uma noção mais clara do caminho que […]

carreira e diversidade

Magazine Luiza abre inscrições para 2º programa de trainees exclusivo para pessoas negras

Programa aceita candidatos formados entre dezembro de 2018 e dezembro de 2021, em qualquer curso superior; fluência em língua inglesa e experiência profissional não fazem parte dos pré-requisitos

pós-brumadinho

Vale (VALE3) muda alto escalão e tenta reforçar discurso ESG

Luciano Siani Pires, que desde 2012 ocupa posição de vice-presidente finanças e RI, assumirá a vice-presidência de estratégia e transformação de negócios, cargo criado em março pela mineradora

Troca de comando

Gustavo Raposo renuncia ao cargo de presidente da Transpetro, subsidiária da Petrobras (PETR4); sucessor já foi escolhido

Com a saída de Raposo, o conselho da empresa deverá deliberar sobre a nomeação do atual diretor de Serviços para o comando

atenção, acionista

Dividendos: WEG (WEGE3) paga R$ 86,8 milhões em juros sobre capital próprio

Valor líquido é de R$ 0,017 por ação; terão direito aos proventos acionistas na base em 24 de setembro, segundo a companhia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies