';

🔴 O ‘NOVO PETRÓLEO’ FOI ENCONTRADO E JÁ É MOTIVO DE DISPUTA NO MUNDO — DESCUBRA AQUI

Cotações por TradingView
2021-10-07T18:34:52-03:00
Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
FII DO MÊS

Com a Selic em alta, veja os melhores fundos imobiliários para investir em outubro, segundo oito corretoras

Apesar de o aumento da Selic assustar o setor, nem todos os FIIs temem a escalada da taxa de juros e alguns podem até mesmo lucrar com o cenário

8 de outubro de 2021
6:06 - atualizado às 18:34
Selo Melhores Fundos Imobiliários 2 | Fundo Imobiliário Bresco Logística BRCO11 FIIs Magazine Luiza Fundo Imobiliário
Confira os três fundos preferidos de cada corretora para o mêsImagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Se o mercado de fundos de investimento imobiliário (FIIs) pudesse ser comparado a um jogo, a melhor escolha certamente seria o Pac-Man. O clássico personagem amarelo comilão representaria os gestores e investidores, que navegam em um labirinto em busca de ativos para saciar sua fome de rendimentos.

O problema é que, assim como no famoso jogo, também há uma série de fantasmas pelo caminho que atrapalham a vida dos investidores. Aqui no Brasil, esses monstrinhos surgem principalmente a partir das tensões políticas e fiscais — e Brasília, infelizmente, é uma máquina de gerar ruídos.

Apesar do recuo do presidente Jair Bolsonaro nos ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF) ter acalmado, ao menos temporariamente, a crise entre os poderes, a aproximação das eleições — que prometem ser novamente polarizadas — é acompanhada de perto pela escalada na tensão entre apoiadores de Bolsonaro e a oposição.

No campo fiscal, as dúvidas sobre o pagamento da fatura de R$ 90 bilhões em precatórios ainda pairam sobre o mercado. Os líderes do Congresso correm contra o tempo para aprovar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) destinada a solucionar o impasse, mas integrantes do governo complicam as negociações ao defender a inclusão de mais uma rodada do auxílio emergencial no texto.

Selic persegue os FIIs

Além disso, o atual ciclo de alta da taxa básica de juros brasileira também libera seus próprios fantasmas sobre o setor. Com a inflação se afastando cada vez mais da meta do Banco Central — a prévia medida pelo IPCA-15 acelerou novamente e bateu em 1,14% em setembro e já acumula alta de 10,05% em 12 meses —, a instituição não hesita em apertar a política monetária.

Em seu último encontro, o Copom elevou a Selic de 5,25% para 6,25% ao ano e já deixou avisado: na próxima reunião, marcada para este mês, um novo aumento de um ponto percentual já está contratado.

De acordo com a última edição do Boletim Focus, a taxa deve terminar o ano em 8,25%. Há um mês, a expectativa dos economistas era de 7,63%. Já a previsão para a inflação, que tem subido há 26 semanas consecutivas, ficou em 8,51%.

Com a junção de todos esses fantasmas, ficou difícil para os FIIs capturarem alguma valorização em setembro. O IFIX, índice que mede o comportamento dos Fundos Imobiliários mais negociados na Bolsa, terminou o mês com um recuo de 1,24%.

O tombo foi menor do que o registrado em agosto, mas, ainda assim contribuiu para aprofundar o desempenho negativo do indicador no ano, que tem queda acumulada de 5,38%.

Com esse cenário, nenhum dos segmentos de FIIs foi capaz de garantir alta para os investidores, com destaque para o tombo de 3,32% dos fundos de shoppings e varejo.

SegmentoRentabilidade em setembro
Recebíveis imobiliários-0,39%
IFIX-1,24%
Logístico/Industrial-1,34%
Escritórios-2,10%
Híbridos/Outros-2,15%
Fundos de fundos-3,26%
Shoppings/Varejo-3,32%
Fonte: Santander.

Porém, nem tudo são notícias ruins para os entusiastas de FIIs: os rendimentos que os fundos imobiliários devem distribuir ainda superaram a taxa básica de juros. Atualmente, o dividend yield — indicador que mede o rendimento de um ativo a partir do pagamento de dividendos — do IFIX está em 7,98%.

SegmentoDividend yield anualizado
Recebíveis imobiliários11,28%
Fundos de fundos9,51%
Híbridos/Outros8,51%
Logístico/Industrial8,28%
IFIX7,98%
Escritórios7,92%
Shoppings/Varejo6,61%
Fonte: Santander

Conheça os fundos imobiliários preferidos para outubro

Apesar de o aumento da Selic assustar o setor, nem todos os FIIs temem a escalada da taxa de juros e alguns podem até mesmo lucrar com o cenário. Esse é o caso do favorito das corretoras para outubro, novamente o VBI CRI (CVBI11).

Com quatro recomendações - manutenção no top três de Guide, Necton e Santander e inclusão nos favoritos da Ativa Investimentos -, o fundo ocupa o primeiro lugar do pódio pela terceira vez consecutiva. 

Quem acompanhou a nossa indicação no mês passado viu o FII recuar 0,50%. Apesar de negativo, o resultado ainda passa longe da queda de 1,24% do IFIX no período.

A segunda posição ficou novamente tumultuada, com um empate triplo entre Bresco Logística (BRCO11), TG Ativo Real (TGAR11) e Valora RE III (VGIR11), com duas recomendações cada.

Confira a seguir os três fundos preferidos de cada corretora entre os indicados nas suas respectivas carteiras recomendadas para outubro:

VBI CRI (CVBI11) — surfando na alta dos juros

Em meio à alta da inflação, a terceira aparição consecutiva do VBI CRI (CVBI11) no topo das indicações das corretoras não é nenhuma surpresa para quem conhece as características centrais de seu portfólio. Enquanto o sopro do dragão inflacionário assusta muitos investidores, quem aposta no campeão de indicações pode lucrar com a alta dos preços. 

A razão para isso é que o VBI CRI é um fundo que investe majoritariamente em Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs), Letras Hipotecárias (LH), Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e Letras Imobiliárias Garantidas (LIGs), classes de ativos cujos rendimentos podem estar diretamente ligados à alta da inflação e das taxas de juros.

Para se ter uma ideia do impacto dos índices, 68% do portfólio do fundo é composto por títulos indexados ao IPCA e 32% por títulos ligados ao CDI. Com um portfólio composto por 35 ativos, a taxa média de alocação é: IPCA + 6,9% e CDI + 3,5%.

Segundo os analistas do Santander, esses percentuais levam a projeções de rendimentos atrativos. “Estimamos que [o yield] fique em 10% nos próximos 12 meses”, destaca o relatório do banco.

O portfólio do fundo é considerado diversificado pelas corretoras, apesar de apresentar uma concentração nos setores de Logística, Loteamento e Residencial, que respondem por 68% do total dos investimentos. Confira abaixo os percentuais de alocação por segmento:

  • Logística (26%);
  • Loteamento (21%);
  • Residencial (21%);
  • Shopping (14%);
  • Multipropriedade (7%);
  • Educacional (6%);
  • Varejo (5%).

O Santander aponta essa concentração como um fator de risco, mas assegura que o produto segue uma política de crédito bem estruturada pela gestora. O banco afirma que, com os recursos de sua sexta emissão de cotas (R$ 330 milhões) o fundo “poderá diversificar ainda mais a carteira de CRIs e aproveitar melhores oportunidades nas operações estruturadas”.

A operação, aprovada em meados de setembro, será realizada com preço de subscrição por cota de R$ 100, valor sujeito à atualização. Para mais novidades, acompanhe a página de comunicados ao mercado do CVBI11.

Veja também os fundos mais promissores para o restante de 2021. Confira no vídeo abaixo (e aproveite para seguir o canal do Seu Dinheiro no YouTube para receber mais conteúdos como esse):

Retrospectiva — poucos se salvaram 

Com a quantidade de fantasmas atrapalhando o caminho dos FIIs em setembro, a maior parte dos ativos indicados pelas corretoras registraram tombos feios. O destaque negativo ficou com o Mogno Fundo de Fundos (MGFF11), que liderou a ponta das quedas com recuo de 4,15%.

No lado das altas — que foram poucas, com apenas seis FIIs anotando ganhos no período —, a mais expressiva foi a de 2,17% do BR Crédito Imobiliário Estruturado (RBRY11). Veja na tabela a seguir o desempenho de todos os fundos dos top 3 das corretoras no mês passado:

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

SEMANA EM CRIPTO

Bitcoin (BTC) sobe mais uma semana antes da Super Quarta; veja o que esperar das criptomoedas com o Banco Central americano no radar

27 de janeiro de 2023 - 11:33

Na semana que vem, o Federal Reserve decidirá sobre os juros dos Estados Unidos e pode animar o mercado já aquecido

BATALHA SOCIETÁRIA

Na disputa com Tanure, Esh Capital volta a aumentar participação na Gafisa (GFSA3)

27 de janeiro de 2023 - 9:41

A gestora de Vladimir Timerman comprou mais ações e aumentou a participação na Gafisa para aproximadamente 15,8%

AQUILO QUE AINDA NÃO SABEMOS

Americanas (AMER3): Confira seis perguntas que seguem sem resposta duas semanas após a revelação do rombo bilionário

27 de janeiro de 2023 - 9:28

Mercado assumiu postura de desconfiança diante das falhas de comunicação e daquilo que encaram como falta de transparência por parte da Americanas (AMER3)

FAZENDO HISTÓRIA

Fim da ‘Guerra Infinita’? Avatar 2 derrota Vingadores e se torna a 5ª maior bilheteria da história do cinema

27 de janeiro de 2023 - 9:27

Após menos de dois meses desde a estreia, a produção atingiu a marca de US$ 2,054 bilhões (cerca de R$ 10,41 bilhões) em arrecadação, segundo o Box Office Mojo

LINHA D'ÁGUA

Made in America(nas): o que temos a aprender com o rombo na Americanas

27 de janeiro de 2023 - 9:19

O caso da Americanas mostra uma vez mais que o segredo de um investidor consistente no longo prazo é a diversificação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies