Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-11-03T21:24:22-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DO DIA

Wall Street tem recorde triplo após discurso de Powell, mas Ibovespa avança pouco com o peso das commodities; dólar cai a R$ 5,58

O dia do anúncio da retirada dos estímulos monetários impostos pela pandemia finalmente chegou no Federal Reserve. Enquanto isso, o Banco Central brasileiro abre margem para acelerar a alta de juros

3 de novembro de 2021
18:41 - atualizado às 21:24
Roberto Campos Neto e Jerome Powell são destaque hoje
Os bancos centrais do Brasil e dos Estados Unidos foram os grandes destaques do dia - Imagem: Divulgação

A volta à rotina do mercado financeiro após o feriadão vai ter que esperar mais um pouco. Mal deu tempo de desfazer as malas antes de encarar uma quarta-feira de muita instabilidade no Ibovespa.

O dia foi recheado de acontecimentos importantes. Não chegou a ser uma Super-Quarta, mas os olhos dos investidores não desgrudaram dos bancos centrais brasileiro e americano (o Federal Reserve).

O Fed (e o mercado financeiro) passou os últimos meses preparando o terreno para o anúncio que foi feito hoje: chegou a hora de reduzir a injeção de liquidez no mercado. O ritmo de compra de ativos começará a ser reduzido em US$ 15 bilhões ainda em novembro, mas a taxa básica de juros não deve ser alterada tão cedo.

Na coletiva após a decisão, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, fez questão de garantir ao mercado que o ambiente ainda demanda medidas acomodatícias.

Depois de tanta antecipação, a oficialização nem doeu tanto assim. A quarta-feira que começou morna acabou em recorde triplo em Nova York — o S&P 500 avançou 0,65%, o Nasdaq subiu 1,04% e o Dow Jones avançou 0,29% — e um desfecho para o anúncio mais esperado dos últimos meses.

Enquanto Powell fala em manter a taxa básica de juros no nível atual por mais algum tempo, o Banco Central brasileiro já admite que pode ter que aumentar o ritmo de alta da taxa Selic para contornar os problemas fiscais.

A ata da última reunião do Copom, divulgada na manhã de hoje, mostrou um tom mais duro que o comunicado da semana passada e chegou a pressionar a curva de juros.

O cenário mudou após o presidente da Câmara, Arthur Lira, convocar uma sessão para votar a PEC dos precatórios. Os juros futuros recuaram e o dólar caiu, mas a bolsa, que chegou a subir 1%, não manteve a força.

O dólar à vista recuou 1,42%, a R$ 5,5897, mas o Ibovespa sentiu o peso do desempenho negativo das empresas dos setores de mineração e siderurgia. Com isso, o principal índice da B3 fechou o dia com apenas uma leve alta de 0,06%, aos 105.616 pontos.

O mercado, no entanto, está confiante que um desfecho para a PEC dos precatórios seja encontrado ainda hoje, tirando do caminho a preocupação com o texto que libera o teto de gastos para novas despesas do governo.

A paralisação das reformas e dos processos de ajuste das contas públicas foi considerada um risco para a elevação da taxa Selic pelo BC. Esse sentimento aliado ao movimento do Fed trouxe alívio para a curva de juros.

  • Janeiro de 2022: de 8,38% para 8,37%
  • Janeiro de 2023: de 12,36% para 12,07%
  • Janeiro de 2025: de 12,56% para 12,01%
  • Janeiro de 2027: de 12,56% para 11,99%

O início do fim

Segundo o comunicado da decisão divulgada hoje pelo Federal Reserve, as compras mensais de ativos — que são compostas de US$ 80 bilhões em títulos do Tesouro americano (Treasuries) e US$ 40 bilhões em títulos de hipoteca — serão reduzidas em US$ 15 bi já em novembro.

A redução será feita de forma gradual, mensalmente, na mesma proporção (US$ 10 bi de Treasuries e outros US$ 5 bi de hipotecas), mas o Comitê deixou claro que o ritmo de redução pode ser alterado conforme o Fed sinta necessidade. 

O texto reforçou que o Banco Central americano deve manter a política acomodatícia até que as metas de pleno emprego e inflação sejam atingidas, mas trouxe uma preocupação maior com a elevação dos preços do que os comunicados anteriores, já que existem dúvidas persistentes com o desbalanceamento de oferta e demanda em alguns setores. 

Ainda não acabou

A notícia da convocação de Lira animou os mercados de forma quase instantânea durante a tarde, mas não se sustentou. 

O início da sessão está marcado para às 18h, mas ainda não se sabe se será realmente possível votar o tema hoje. Além da falta de acordo entre os parlamentares da Câmara, o quórum pode ser um problema, já que Brasília costuma ficar esvaziada em semanas com feriados. 

O texto em si, que abre espaço para o governo federal destinar mais recursos para a área social, não é positivo para o mercado, mas reduz a incerteza que atualmente ronda o cenário fiscal, oficializando a expansão do teto de gastos. 

Sobe e desce do Ibovespa

Duas notícias corporativas muito aguardadas movimentaram o Ibovespa ao longo do dia. O Inter (BIDI11/BIDI4) e a Lojas Americanas (AMER3/LAME4) anunciaram os próximos passos de suas reorganizações societárias. 

O conselho de administração do Inter aprovou a incorporação das ações do banco pela holding Inter Financeira, o que permitirá a listagem da companhia na Nasdaq após a migração da base acionária para a Inter Platform. Além de enviar o pedido de registro para a Securities and Exchange Comission (SEC, a Comissão de Valores Mobiliários americana), a empresa também convocou uma Assembleia Geral Extraordinária. 

No caso da Americanas, a holding Lojas Americanas (LAME4) deverá incorporar a antiga B2W (AMER3), em um processo oposto do que ocorreu até o momento. Com isso, o Grupo 3G, atual controlador da companhia, abrirá mão do controle, mas continuará sendo o acionista de referência. No geral, hoje foi um bom dia para as ações do setor de varejo e consumo. 

Confira as maiores altas do Ibovespa hoje:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
LAME4Lojas Americanas PNR$ 5,7813,33%
LWSA3Locaweb ONR$ 20,329,07%
SOMA3Grupo SomaR$ 14,808,90%
TIMS3Tim ONR$ 12,428,38%
PETZ3Petz ONR$ 20,827,82%

O setor de commodities dominou a ponta contrária da tabela e pressionou o resultado final do Ibovespa. É que a economia chinesa segue dando sinais claros de desaceleração, e o minério de ferro acompanha a queda. Ontem, enquanto a bolsa brasileira esteve fechada, a commodity recuou cerca de 7%. Confira também as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVAR
VALE3Vale ONR$ 66,83-7,63%
BRAP4Bradespar PNR$ 46,23-6,64%
USIM5Usiminas PNAR$ 12,37-6,26%
CSNA3CSN ONR$ 22,09-4,54%
GOAU4Metalúrgica Gerdau PNR$ 11,91-4,24%
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Bitcoin (BTC) hoje

Bitcoin e ethereum despencam hoje, e principal criptomoeda do mundo se afunda ainda mais no ‘bear market’

Após uma semana que terminou com ganhos, as duas maiores moedas digitais do mercado sofreram na virada de sexta-feira para sábado

Trabalhadores em falta

Como a falta de bebês na China pode provocar uma crise financeira global

A população da China vem recuando desde 2010, e, com as taxas de natalidade nos menores níveis em 80 anos, o cenário ameaça todo o planeta

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

IPO do Nubank, como driblar os impostos e onde investir o 13º salário: confira os destaques da semana

Nada é pior para um ansioso do que a incerteza. E o mercado, ultimamente, vem sendo marcado por uma forte onda de incertezas, vindas de todos os lados. Os preços dos ativos respondem a isso com volatilidade, e não há muito o que fazer a não ser manter a calma, focar nos fundamentos e aguardar […]

Clube anti-cripto

China acertou ao banir o bitcoin? Braço direito de Warren Buffett diz que as criptomoedas nunca deveriam ter sido inventadas

A aversão de Charlie Munger pelo bitcoin cresceu ainda mais durante a pandemia; para o bilionário, o criptoativo é “repugnante”

COMEÇAR TUDO DE NOVO

‘Um dos textos mais horríveis que já tramitaram’: relator da reforma do Imposto de Renda defende arquivamento da proposta

Angelo Coronel (PSD-BA) defende a criação de um novo texto para votação no Senado após ampla discussão com os setores que mais pagam impostos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies