Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-09-02T12:06:11-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
A varejista mais atrativa

Oportunidade de compra: ação da C&A (CEAB3) pode subir até 60% após queda recente, diz XP

A XP recomenda compra para as ações da C&A (CEAB3), com preço-alvo de R$ 14,00. Melhoras logísticas e reabertura econômica favorecem a empresa

2 de setembro de 2021
11:03 - atualizado às 12:06
Fachada de loja da C&A (CEAB3). Uma mulher vestida de preto caminha no primeiro plano; o logo da empresa, nas cores vermelho, azul e branco, aparece ao fundo
Imagem: Shutterstock

O varejo foi afetado de maneira desigual pela pandemia: enquanto o setor de e-commerce deu um salto desde o ano passado, as redes de lojas de departamento sofreram bastante. E não é para menos: mais expostas aos shoppings e às vendas físicas, as empresas de moda e vestuário tiveram uma queda brusca na receita — e na bolsa. Mas, para a XP, um nome emerge como boa oportunidade de compra no momento: a C&A (CEAB3).

O otimismo não se deve a algum plano de expansão, aquisição agressiva ou notícia inesperada envolvendo a companhia. Para a XP, a questão é mais simples: as ações da C&A desabaram 25% só em agosto, um desempenho muito abaixo de seus pares do setor, mas sem uma justificativa palpável. Assim, considerando que os fundamentos da empresa seguem os mesmos, o potencial de lucro salta aos olhos.

Indo aos números: os papéis ON da C&A (CEAB3) fecharam o último pregão a R$ 8,79, nas mínimas do ano, acumulando perdas de 31,8% desde o começo de 2021 — um desempenho que não reflete o cenário mais positivo para o setor e para a própria companhia, de acordo com a XP. Tanto é que a casa recomenda compra para as ações, com preço-alvo de R$ 14,00.

Ou seja: para a XP, as ações CEAB3 oferecem um potencial de valorização de 60% para quem entrar agora.

"A companhia é atualmente uma das varejistas mais baratas da nossa cobertura e entre seus pares", escrevem Danniela Eiger, Gustavo Senday e Thiago Suedt, analistas da XP. "Nós não vemos uma razão para isso do ponto de vista de fundamento da empresa, uma vez que a perspectiva da C&A tem inclusive melhorado".

E, de fato, o desempenho recente de CEAB3 está bastante abaixo de outras varejistas de moda e lojas de departamento da bolsa. Veja o quadro abaixo:

EmpresaCódigoCotação (01/09)Desempenho no ano
C&ACEAB38,79-31,80%
Lojas RennerLREN337,5-13,45%
MarisaAMAR36,37-6,46%
RiachueloGUAR315,141,69%
Cia HeringHGTX336,98116,20%
Grupo SomaSOMA317,4630,40%
ArezzoARZZ388,4430,18%
A Cia Hering foi comprada pelo Grupo Soma, o que justifica a forte alta de seus papéis. A Arezzo também tem tido um ano agitado no front das fusões e aquisições. Fonte: B3

C&A: motivos para estar otimista

Os analistas da XP elencam três razões que justificam a visão favorável para CEAB3 — além, é claro, do atual nível de preço:

  • Melhorias na rede de logística que devem começar a dar resultado já neste ano;
  • Reabertura da economia, o que, consequentemente, deve reaquecer as vendas; e
  • Fim da parceria com o Bradesco, abrindo espaço para que a C&A desenvolva os canais próprios de oferta de crédito.

"Acreditamos que o desempenho recente da C&A pode ser atribuído principalmente à deterioração macroeconômica, que penalizou os nomes com menor liquidez de forma mais severa", escreve a XP, ressaltando que, nos atuais níveis de preço, o mercado está precificando uma margem Ebitda abaixo de 11% — patamares vistos em 2018 e 2019 e que, portanto, não incorporam as melhorias operacionais e logísticas colocadas em prática desde então.

CEAB3: queda forte

Um detalhe que chama a atenção no comportamento de C&A ON (CEAB3) é o início da trajetória de queda: a correção teve início em junho, muito antes da onda de instabilidade que tomou conta da bolsa como um todo em agosto. Veja o gráfico abaixo:

Gráfico de linha mostrando o comportamento das ações ON da C&A (CEAB3) ao longo do tempo

Vale lembrar que, em meio à oferta de ações da Lojas Renner, parte do mercado especulou que um grande movimento de fusões e aquisições poderia ser desencadeado no setor — C&A e Marisa foram apontados como eventuais candidatos a serem comprados. Essa narrativa, no entanto, não se concretizou.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

MERCADOS HOJE

Evergrande injeta temor no mercado global e bolsas têm dia de fortes perdas; Ibovespa fecha no menor nível desde novembro

Temor de que os problemas da incorporadora chinesa gerem uma reação em cadeia no mercado global afundou as bolsas nesta segunda-feira (20)

Ruído político

Congresso não participou de debate sobre aumento no IOF, revela presidente da Câmara

Arthur Lira também declarou que quer avançar com a reforma administrativa e uma solução para a questão dos precatórios ainda nesta semana

Na onda do minério

Mercado Livre (MELI34) ultrapassa Vale (VALE3) e se torna a empresa mais valiosa da América Latina

A gigante de comércio eletrônico argentina conquistou o posto após a mineradora brasileira perder R$ 43,6 bilhões em valor de mercado na última semana

Vídeos

Investir em IPOs vale a pena? Saiba as causas dessa febre do mercado

O ano de 2021 está mostrando a força do setor dos IPOs. São diversas empresas que abriram seu capital e fizeram sua oferta primária. Matheus Spiess, analista da Empiricus, explica neste vídeo sobre este cenário. Confira

desaceleração a caminho

Renda fixa: Por que a Evergrande derruba o Ibovespa, mas alivia o mercado de juros

Desempenho é oposto ao que se poderia esperar quando há pânico no mercado, diz especialista; contratos DIs para janeiro de 2022 caem de 7,09% para 7,08%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies