2020-01-20T10:07:51-03:00
expectativa sobre davos

País pode surgir como opção para receber investimento em infraestrutura, diz secretário

Para secretário Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais, Marcos Troyjo, conjuntura pode ser favorável ao Brasil

20 de janeiro de 2020
10:07
O secretário-especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Marcos Troyjo. - Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O secretário Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais, Marcos Troyjo, afirmou nesta segunda-feira (20) em entrevista à CBN, que a conjuntura internacional pode ser favorável ao Brasil.

"Vamos mostrar (em Davos) que o Brasil, com uma economia mais estabilizada, com ambiente de negócios mais amistoso, recepção do investimento direto, no setor de infraestrutura, pode despontar como alternativa nesse cenário de escassez de oportunidades viáveis e lucrativas", disse.

Ele disse que o Brasil vai listar, no Fórum Econômico Mundial, em Davos, cinco pontos em que avançou no último ano, desde que o presidente Jair Bolsonaro assumiu o cargo.

Os itens citados por Troyjo incluem reforma da Previdência; privatizações, "com mais de R$ 100 bilhões" vendidos; avanço no ambiente de negócios, com a Lei da Liberdade Econômica; maior integração do Brasil com o mundo, incluindo o acordo Mercosul-União Europeia; e avanço em reforma do Estado. "Naquilo que a gente poderia considerar prioridade econômica no Brasil, houve progressos indiscutíveis", disse.

Troyjo acrescentou que, em Davos, uma das principais mensagens a ser transmitida é que esse conjunto de reformas "perfaz aquilo que é o mais ambicioso programa de transformações estruturais no mundo emergente"

Ausência de Bolsonaro

Quando questionado sobre a ausência de Bolsonaro em Davos, o secretário de Comércio Exterior argumentou que o presidente tem uma agenda externa muito cheia nesse ano e disse que Bolsonaro é "insubstituível".

"O presidente da República é o protagonista do Brasil. É insubstituível. Temos equipe enxuta, cuja principal figura é o ministro Paulo Guedes, mas instrumentalizada, bem equipada, para transmitir aos investidores e parceiros a mensagem precisa e correta sobre o que acontece no Brasil e sobre o futuro, que vai ser positivo para o nosso País".

Segundo Troyjo, se Bolsonaro estivesse em Davos, "sempre aumenta a visibilidade da compreensão que se tem do País".

"(Mas o) presidente tem uma série de outros compromissos que deve ter julgado mais importantes. Na semana que vem se direciona à Índia, que nos próximos 30 40 anos será uma das principais economias do mundo e que, nos últimos 4 anos, cresce mais que China porcentualmente."

Argentina

Marcos Troyjo afirmou, ainda, que as relações com a Argentina sob o governo de Alberto Fernández ocorrerá sem viés ideológico. "Vamos fazer negócio com todo mundo, sem viés ideológico", disse na entrevista.

E completou: "temos apego ao que é interesse nacional. Por outro lado, não vamos permitir que o Mercosul trafegue em velocidade de comboio, onde a velocidade de todos é determinada pelo mais lento".

"Esperamos que a Argentina tenha posição construtiva para que possamos seguir modernizando o Mercosul e deixando claro para parceiros que alguns princípios são inabaláveis, como integrar-se com o resto do mundo", continuou. "Comércio não tem que ver com ideologia, mas não vamos nos permitir ficar parados no tempo."

Troyjo acrescentou que o ano de 2019 foi mais o importante da história do Mercosul, devido ao acordo com a UE, além do EFTA (área de livre comércio formada pela Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein).

"Essas vitórias de 2019 fazem com que ganhemos convicção de que o futuro do Mercosul tem que ser de integração com a economia mundial", relatou, dizendo que quando Bolsonaro assumiu, o "acordo Mercosul-UE estava muito longe" e lembrando que já há "negociações importantes, de tratado, com Canadá, Cingapura e Coreia do Sul".

OCDE

Por fim, Troyjo também falou sobre a possível adesão do Brasil à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e citou três "benefícios concretos" para a economia do Brasil. "Fazer parte implica em uma série de modernizações institucionais, ótimas para o Brasil", disse.

"Em segundo lugar, desde a recessão de 2008, com queda do Lehman Brothers, uma série de investidores passou a exigir não só boa classificação da agência de risco de crédito, mas também princípios da OCDE - ou seja, se aproximando de ser membro pleno, passa a ter acesso a fontes de liquidez para investimento estrutural que Brasil não tinha acesso", continuou.

"E grandes acordos do futuro não serão sobre tarifas, mas sobre padrões", completou, antes de acrescentar que, dos vários candidatos, o Brasil é o que está mais "avançado". "A gente consegue sentar na cadeira ainda na administração Bolsonaro, antes de 31 dezembro de 2022".

*Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

NOVOS NEGÓCIOS

Google está de olho nas criptomoedas e vai criar unidade de negócio dedicada ao blockchain; entenda o que está por trás da decisão

Antes de se aventurar, gigante de tecnologia assistiu com cautela as movimentações das concorrentes para entrar no mercado de criptomoedas

MELHORA ARTIFICIAL

Pedidos de recuperação judicial caem em 2021 ao menor nível desde 2014

Para os especialistas os números do ano passado não representam uma recuperação econômica, mas uma melhora artificial no ambiente de negócios promovida por políticas públicas pontuais

APOSTA NA SIDERURGIA

A vez da Usiminas: BTG estima alta de mais de 55% para USIM5 nos próximos meses; saiba o que pode impulsionar as ações

Segundo os analistas, a empresa negocia nos múltiplos mais baixos da década e deve surfar na recuperação dos preços do aço

pessimismo nos mercados

Por que a ameaça de conflito entre Rússia e Ucrânia derruba as bolsas mundo afora?

Escalada de tensões entre os dois países levou EUA e Reino Unido a retirarem funcionários de embaixadas na Ucrânia; veja como uma eventual invasão russa ao país pode afetar os mercados