Menu
2020-01-29T13:13:27-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
pingos os is

Investigação não encontrou irregularidades e não há mais nada a esclarecer, diz presidente do BNDES

Auditoria custou R$ 42,7 milhões; investigações internas do banco não encontraram nenhuma irregularidade nas operações

29 de janeiro de 2020
13:09 - atualizado às 13:13
16/07/2019 Cerimônia de Posse do Presidente do BNDES, Gustavo H
(Brasília - DF, 15/07/2019) Gustavo Henrique Moreira Montezano, presidente do BNDES. - Imagem: Marcos Corrêa/PR

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, disse nesta quarta-feira (29) que "não há nada mais esclarecer" em relação às operações passadas da instituição de fomento.

Segundo Montezano, as investigações internas do banco não encontraram nenhuma irregularidade nas operações com o grupo J&F ou em quaisquer outras operações. "Não houve nada de ilegal", disse.

A "caixa-preta" do BNDES ganhou espaço no debate entre políticos e sociedade e foi um dos pontos explorados durante a última campanha presidencial. O presidente da República, Jair Bolsonaro, defendeu várias vezes a abertura da "caixa-preta".

Montezano disse que é "razoável" que cidadãos tenham dúvidas em relação a operações que somaram mais de R$ 20 bilhões com uma empresa envolvida em apurações sobre corrupção, como a JBS.

Quando questionado sobre o uso eleitoral, ele disse que os políticos representam os cidadãos e que os questionamentos são "legítimos". "Nossa função é esclarecer", afirmou.

Demissão de Levy

O atual presidente do BNDES evitou comentar se a demissão de seu antecessor, Joaquim Levy, foi justa ou não. "Não cabe a mim comentar", afirmou.

Levy foi rifado por Bolsonaro após dizer "ter clareza sobre operações do passado".

Ele não chegou a avançar na busca por operações fraudulentas, e a dificuldade foi apontada como um dos motivos para a insatisfação de Bolsonaro com sua gestão.

O executivo pediu demissão após o presidente dizer em entrevista que estava "por aqui" com ele.

'Recuperar reputação'

Montezano afirmou que hoje a função dos executivos do banco é "recuperar a reputação" do BNDES. "Não estamos aqui para culpar ninguém, mas sim para esclarecer os fatos. Nossa função como executivo é dar total transparência", disse.

Apesar do resultado da auditoria externa contratada pelo banco, o diretor jurídico do BNDES, Saulo Puttini, reconheceu que investigações privadas têm "limitações inerentes" e afirmou que o trabalho "não se contrapõe" aos resultados das Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) instauradas pelo Congresso ou da Operação Bullish, da Polícia Federal. Ambas indiciaram responsáveis por irregularidades nas operações.

"(Na investigação privada) Não se encontrou evidência de corrupção, suborno ou interferência indevida nas operações com JBS", disse Puttini, ressaltando que o BNDES tem interesse em colaborar com as demais investigações das CPIs ou da Bullish.

Desculpas

Montezano, por sua vez, afirmou que a investigação foi feita para apurar fatos, "não para torcer para um lado ou outro". Ele também pediu desculpas pela demora, embora considere que nove dias para um "tema sensível" não seja tanto tempo.

O jornal O Estado de S. Paulo revelou o custo da auditoria externa, de R$ 48 milhões (hoje corrigidos para R$ 42,7 milhões pelo BNDES), em 20 de janeiro.

"O BNDES está pronto para virar a página. O BNDES é um agente fundamental para recuperação econômica", afirmou o presidente do banco.

A investigação

Montezano disse que a auditoria externa contratada para investigar contratos do banco com as empresas do Grupo J&F mirou oito operações que, em valores atualizados, somaram R$ 21,2 bilhões. "O valor é quase equivalente a todo valor desembolsado pelo BNDES a grandes empresas em 2019", afirmou.

O valor foi pago a um escritório estrangeiro, o Cleary Gottlieb Steen & Hamilton LLP, que subcontratou outro brasileiro, o Levy & Salomão.

Segundo Montezano, o objetivo da investigação era apurar evidências de violação de leis anticorrupção no Brasil ou nos Estados Unidos por integrantes do banco, como atos de corrupção ou suborno.

O presidente do BNDES informou que a contratação da apuração externa foi recomendada em setembro de 2017 pelo auditor independente do banco (KPMG), que aconselhou o BNDES a "se proteger" contratando a investigação. A própria KPMG acompanhou as apurações como uma espécie de "revisor", para verificar o passo a passo do Cleary.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

acelerou

Vendas no e-commerce brasileiro disparam 87% em outubro

Pesquisa considera compras em geral, realizadas com diferentes tipos de pagamento, incluindo dinheiro e cheque

Já ganhou?

Mesmo sem apoio do governo, reforma tributária já teria votos para ser aprovada

Maia tem defendido o texto como prioridade na pauta de recuperação econômica do País.

Batata quente

Petrobras eleva desinvestimentos para até US$ 35 bi com Marlim e gasodutos

Os gasodutos citados referem-se aos para escoamento de gás natural do pré-sal (Rotas 1, 2 e 3).

mundo em crise

Para FMI, zona do euro não deve retirar estímulos fiscais prematuramente

Kristalina Georgieva avalia que há incerteza no cenário econômico, com novas infecções de covid-19 atrapalhando a retomada

Mudou a data

Azul antecipa fim de acordo de redução de jornada com aeronautas

A antecipação foi aprovada pelos aeronautas, que votaram sobre o tema entre os dias 26 e 27 de novembro.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies