Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-06-23T12:25:57-03:00
Estadão Conteúdo
E AS AÇÕES AMBIENTAIS?

‘Há falta de informação sobre o que Brasil faz na área climática’, diz Campos Neto

A fala de Campos Neto ecoa as declarações dadas ontem pelo presidente Jair Bolsonaro, que disse “saber” que a imagem do País não está “muito boa” aos olhos externos na questão ambiental.

23 de junho de 2020
12:24 - atualizado às 12:25
20/08/2019 Cerimônia de Lançamento do IPCA para Crédito Imobi
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. - Imagem: Alan Santos/PR

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, avaliou nesta terça-feira que os investidores internacionais não estão devidamente informados sobre as ações do Brasil para o desenvolvimento de atividades ambientalmente sustentáveis.

"O Brasil tem um grande potencial em negócios sustentáveis. Existe falta de informação grande sobre o que Brasil faz na área climática", reclamou, em teleconferência organizada pelo Climate Bonds Initiative (CBI), com o tema: "Destravando o potencial de investimentos verdes para agricultura no Brasil".

A fala de Campos Neto ecoa as declarações dadas ontem pelo presidente Jair Bolsonaro, que disse "saber" que a imagem do País não está "muito boa" aos olhos externos na questão ambiental. O presidente também creditou essa situação ao que chamou de "desinformação".

No começo de junho, Bolsonaro assinou decreto criando as debêntures verdes incentivadas. Campos Neto prometeu hoje que o governo tomará mais medidas em breve para o financiamento de atividades sustentáveis.

O presidente do BC citou ainda que o mercado de títulos verdes no Brasil soma apenas US$ 1,5 bilhão, o que, segundo ele, é muito pouco diante de um mercado global de mais de US$ 400 bilhões. "As escolhas de nossos filhos vão fazer com que clima será mais preponderante que nossas decisões", projetou.

Além disso, o presidente do BC avaliou que o Brasil pode ser um grande centro de negociação de créditos de carbono. Segundo ele, o mercado global de créditos de carbono está se recuperando.

"Esse mercado vinha em um movimento crescente, na crise de 2008 os preços desses créditos caíram bastante. É um mercado muito cíclico. Mais recentemente, esse mercado voltou a se recuperar. É um mercado importante que tem um papel fundamental", avaliou. "Uma forma de ajudar na governança climática é assegurar que as emissões de carbono estejam sujeitas a precificação", afirmou.

Mudança climática

Roberto Campos Neto destacou a importância da análise sobre mudanças climáticas para a atuação da instituição, tanto na política monetária como na estabilidade do Sistema Financeiro Nacional (SFN).

"O tema da mudança climática está na agenda de todos os bancos centrais. Os banqueiros centrais da Europa dedicam muito tempo à discussão ambiental", afirmou, em teleconferência organizada pelo Climate Bonds Initiative (CBI), como o tema: "Destravando o potencial de investimentos verdes para agricultura no Brasil".

Segundo Campos Neto, os choques ambientais afetam a oferta na economia, com impactos nos preços relativos e nos preços de energia. Ele destacou ainda as incertezas sobre a duração e a abrangência desses choques.

"Choques ambientais podem ser duradouros e podem mudar a estrutura de produção de um País, em efeitos na produtividade. Choques ambientais também influenciam taxa de juros neutra", detalhou. "Da mesma forma, a saúde financeira do setor financeiro é influenciada por choques climáticos, que podem afetar o setor imobiliário ou ainda elevar a inadimplência", completou.

O presidente do BC citou as iniciativas da autoridade monetária em estimular práticas sustentáveis no setor financeiro, bem como o financiamento das boas práticas ambientais.

"O Brasil tem um histórico muito grande na economia sustentável. Queremos criar marco regulatório mais robusto na questão ambiental", acrescentou. "Quem não estiver adequado a essas práticas não vai receber investimentos estrangeiros", avaliou.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

ampliação dos negócios

Cosan (CSAN3) paga R$ 1,5 bilhão por fatia na Radar, gestora de propriedades agrícolas

Companhia já detinha uma participação na Radar; após a conclusão da operação e uma reorganização societária, a Cosan será dona de mais de 50% do capital social

o melhor do seu dinheiro

Caso Lehman Brothers: não vale a pena ver de novo

Se tem um roteiro que o mercado financeiro não quer ver se repetindo, é o de uma crise financeira desencadeada pela quebra de uma grande empresa, como foi o caso da falência do banco Lehman Brothers em 2008, que marcou o início da grave crise dos subprime. Nem mesmo em uma escala menor, como é […]

força do esg

Environmental ESG, da Ambipar, busca IPO de R$ 3 bilhões para dar gás às aquisições

Preço da faixa indicativa está entre R$ 15,50 e R$ 20,50; após IPO, 43,8% do capital social estará em circulação no mercado com as ações

MERCADOS HOJE

Evergrande injeta temor no mercado global e bolsas têm dia de fortes perdas; Ibovespa fecha no menor nível desde novembro

Temor de que os problemas da incorporadora chinesa gerem uma reação em cadeia no mercado global afundou as bolsas nesta segunda-feira (20)

Ruído político

Congresso não participou de debate sobre aumento no IOF, revela presidente da Câmara

Arthur Lira também declarou que quer avançar com a reforma administrativa e uma solução para a questão dos precatórios ainda nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies