Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-02-21T06:50:18-03:00
Estadão Conteúdo
de olho nas cifras

CMN aprova limite de R$ 8,4 bi de crédito por estados e municípios e estatais

Valor ficou bem abaixo do liberado em anos anteriores – em 2019 foi de R$ 24,5 bilhões em 2019 e R$ 24 bilhões em 2018

21 de fevereiro de 2020
6:44 - atualizado às 6:50
Cédulas de real
Cédulas de real - Imagem: Shutterstock

O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou um limite de R$ 8,4 bilhões para contratação de crédito por Estados e municípios e estatais em 2020. O valor ficou bem abaixo do liberado em anos anteriores - em 2019 foi de R$ 24,5 bilhões em 2019 e R$ 24 bilhões em 2018.

Serão R$ 4,5 bilhões em operações com garantia da União e até R$ 3,9 bilhões sem garantia. Desses, até R$ 3,5 bilhões para Estados e municípios e R$ 400 milhões para estatais federais.

Segundo o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Otávio Ladeira, essa redução se deu porque há um espaço menor para que Estados e municípios contratem financiamentos este ano. Isso porque os entes receberam R$ 11,7 bilhões em recursos da cessão onerosa no último dia de 2019, mas não tiveram tempo hábil para gastar o dinheiro. Com isso, em 2020 eles terão dinheiro em caixa, mas não terão, no mesmo ano contábil, as receitas correspondentes.

"Se não tivesse cessão onerosa, muito provavelmente a autorização seria próxima do limite do ano passado. Neste ano, por terem mais dinheiro livre, eles devem fazer um resultado pior, e isso deixou pouco espaço para tomada de crédito", explicou Ladeira.

Pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) atual, Estados e municípios têm que entregar um superávit primário de R$ 9 bilhões no fim do ano. Com os cofres cheios com recurso da cessão onerosa, porém, a expectativa é que as despesas aumentem acima do planejado. "Boa parte dos recursos não foram gastos em 2019 e há uma leitura de que serão gastos em 2020, o que altera naturalmente a projeção de resultado fiscal para 2020", disse Ladeira.

O governo já anunciou que enviará ao Congresso Nacional um projeto para alterar esse valor, que cairá para próximo de zero. De acordo com Ladeira, os R$ 8,4 bilhões liberados consideram a atual LDO. Quando o projeto de alteração for aprovado, o CMN poderá aumentar o limite de contratação de crédito. "Um valor superior a R$ 8,4 bilhões está relacionado à aprovação pelo Congresso Nacional de nova meta", concluiu.

Neste ano, foram contratados R$ 15,1 bilhões do valor autorizado para Estados, municípios e estatais. Segundo Ladeira, usualmente 25% do limite de crédito liberado é contratado no mesmo ano.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

COLUNA DO JOJO

Bolsa hoje: licença para gastar

Hoje, a UE deve divulgar as proporções da dívida sobre PIB dos membros para 2020 – os valores deverão ser volumosos, repercutindo a pandemia, que mudou a relação da atuação dos governos na economia

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro abre em queda após Paulo Guedes dar aval para furar teto de gastos e dólar vai acima de R$ 5,60

No panorama doméstico, o risco fiscal permanece no radar, enquanto a temporada de balanços segue no exterior

MELOU O NEGÓCIO

Ações da Evergrande saem de suspensão e despencam em meio a desacordo sobre venda de fatia da incorporadora

A própria empreiteira chinesa cancelou um acordo para a venda de uma participação de 50,1% em unidade de serviços imobiliários para a Hopson Development Holdings

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: exterior tem dia de correção e bolsa brasileira deve ter desempenho fraco por mais um dia após fala de Paulo Guedes sobre teto de gastos

Os balanços do exterior devem movimentar os negócios, com Evergrande de volta ao radar após fracasso na venda de uma subsidiária

LAVANDO AS MÃOS

Guedes se isenta e diz que formato do Auxílio Brasil está ‘a cargo da política’

Segundo o ministro, governo teve de fazer um ‘encaixe’ dentro do arcabouço fiscal existente

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies