Menu
2020-02-21T06:50:18-03:00
Estadão Conteúdo
de olho nas cifras

CMN aprova limite de R$ 8,4 bi de crédito por estados e municípios e estatais

Valor ficou bem abaixo do liberado em anos anteriores – em 2019 foi de R$ 24,5 bilhões em 2019 e R$ 24 bilhões em 2018

21 de fevereiro de 2020
6:44 - atualizado às 6:50
Cédulas de real
Cédulas de real - Imagem: Shutterstock

O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou um limite de R$ 8,4 bilhões para contratação de crédito por Estados e municípios e estatais em 2020. O valor ficou bem abaixo do liberado em anos anteriores - em 2019 foi de R$ 24,5 bilhões em 2019 e R$ 24 bilhões em 2018.

Serão R$ 4,5 bilhões em operações com garantia da União e até R$ 3,9 bilhões sem garantia. Desses, até R$ 3,5 bilhões para Estados e municípios e R$ 400 milhões para estatais federais.

Segundo o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Otávio Ladeira, essa redução se deu porque há um espaço menor para que Estados e municípios contratem financiamentos este ano. Isso porque os entes receberam R$ 11,7 bilhões em recursos da cessão onerosa no último dia de 2019, mas não tiveram tempo hábil para gastar o dinheiro. Com isso, em 2020 eles terão dinheiro em caixa, mas não terão, no mesmo ano contábil, as receitas correspondentes.

"Se não tivesse cessão onerosa, muito provavelmente a autorização seria próxima do limite do ano passado. Neste ano, por terem mais dinheiro livre, eles devem fazer um resultado pior, e isso deixou pouco espaço para tomada de crédito", explicou Ladeira.

Pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) atual, Estados e municípios têm que entregar um superávit primário de R$ 9 bilhões no fim do ano. Com os cofres cheios com recurso da cessão onerosa, porém, a expectativa é que as despesas aumentem acima do planejado. "Boa parte dos recursos não foram gastos em 2019 e há uma leitura de que serão gastos em 2020, o que altera naturalmente a projeção de resultado fiscal para 2020", disse Ladeira.

O governo já anunciou que enviará ao Congresso Nacional um projeto para alterar esse valor, que cairá para próximo de zero. De acordo com Ladeira, os R$ 8,4 bilhões liberados consideram a atual LDO. Quando o projeto de alteração for aprovado, o CMN poderá aumentar o limite de contratação de crédito. "Um valor superior a R$ 8,4 bilhões está relacionado à aprovação pelo Congresso Nacional de nova meta", concluiu.

Neste ano, foram contratados R$ 15,1 bilhões do valor autorizado para Estados, municípios e estatais. Segundo Ladeira, usualmente 25% do limite de crédito liberado é contratado no mesmo ano.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

O varejo ferve

Renner mira compra da Dafiti com recursos da oferta de ações

Varejista anunciou captação de até R$ 6,5 bilhões na bolsa e pode usar os recursos para fazer uma proposta pelo e-commerce de moda

Pouso forçado

Demanda por voos deve encerrar o ano em menos da metade do nível pré-pandemia

O prejuízo total das companhias aéreas em 2021 deve ficar entre US$ 47 bilhões e US$ 48 bilhões, de acordo com a ação Internacional de Transporte Aéreo (Iata)

Agora vai?

Governo vai reduzir valor de arrecadação por áreas “micadas” do pré-sal em novo leilão

A arrecadação que o governo pretende receber pela exploração de dois campos do pré-sal foi reduzida em R$ 25,5 bilhões; novo leilão deve acontecer em dezembro

Mercado de capitais

FGTS embolsa quase R$ 900 milhões com venda de ações da Alupar em oferta

O fundo que reúne o dinheiro dos trabalhadores com carteira assinada tinha uma participação de 12% no capital do grupo de geração e transmissão de energia

O melhor do Seu Dinheiro

Tiradentes e as bolhas financeiras, o balanço da Netflix e outros destaques do dia

Joaquim José da Silva Xavier percebeu que alguma coisa estava fora da ordem ali pelos idos de 1789. A extração de ouro estava em franco declínio, mas a Coroa portuguesa não parava de exigir o quinto sobre tudo o que saía das Minas Gerais. Mais ou menos na mesma época, ideias surgidas na Europa que pregavam […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies