Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-04-15T18:30:12-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Prévia do trimestre

XP tem queda nos ativos sob custódia em meio à crise, mas receita sobe

O total de ativos sob custódia na instituição registrou uma redução de 10,5% no trimestre e encerrou o mês de março em R$ 366 bilhões

15 de abril de 2020
17:56 - atualizado às 18:30
XP Investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A crise do coronavírus, que derrubou o valor de mercado da maioria dos ativos nas últimas semanas, cobrou seu preço para os clientes da XP Investimentos.

O total de ativos sob custódia na instituição registrou uma redução de 10,5% no trimestre e encerrou o mês de março em R$ 366 bilhões, de acordo com dados da prévia operacional divulgada hoje.

Apesar da queda nos ativos sob custódia, a expectativa da XP é que a receita bruta da empresa apresente um aumento de mais de 60% em relação ao primeiro trimestre do ano passado e alcance mais de R$ 1,6 bilhão. Já a margem líquida ajustada deve avançar mais 4 pontos percentuais e superar os 22%.

Mesmo com a crise, o número de clientes na XP aumentou 18% no trimestre e passou da marca de 2 milhões, segundo a empresa, que abriu o capital em dezembro do ano passado na bolsa norte-americana Nasdaq.

Apesar da queda no total de ativos, a XP registrou uma entrada líquida de R$ 36 bilhões de recursos de investidores no trimestre.

Já o índice de satisfação dos clientes medido pelo NPS registrou uma queda de 1 ponto, de 73 para 72 pontos. Ao longo do mês de março, os sistemas da XP apresentaram uma série de problemas, que foram relatados pelos usuários em redes sociais.

A empresa vai detalhar os números logo mais em uma apresentação para investidores. Clique aqui para acompanhar a videoconferência.

Leia também:

Nada muda

A crise do coronavírus não vai mudar as projeções de médio prazo divulgadas pela XP, afirmou Bruno Constantino, diretor financeiro da companhia, em uma apresentação para investidores logo após a divulgação dos números.

“Não estamos diminuindo o tamanho do problema, mas não vemos razão para mudar nada no guidance [projeções] de médio prazo. A razão é o tamanho da oportunidade e alta concentração do mercado no Brasil”, afirmou.

A XP projeta um crescimento na receita bruta acima de 35% ao ano em um prazo de três a cinco anos e uma margem líquida ajustada entre 18% e 22% no mesmo período.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Juros em alta

Rumo aos 6% + IPCA? Taxas do Tesouro Direto sobem forte após Copom, e títulos atrelados à inflação já pagam mais de 5,5% a.a. de juro real

Com alta da Selic para 7,75%, juros futuros dispararam nesta quinta, fazendo taxas do Tesouro Direto subirem ainda mais

De olho na estatal

Após novas falas de Bolsonaro sobre privatização, CVM vai investigar a Petrobras (PETR4)

A autarquia abre processo administrativos quando entende que precisa acompanhar os desdobramentos de algum assunto

ENRIQUEÇA ATÉ 2024

‘Investir muito em Bitcoin é coisa de imbecil’: estes 14 investimentos já dispararam até 1300% e têm potencial para te deixar rico

Apesar do hype das criptomoedas, existem outras ‘pechinchas exponenciais’ que estão fora do radar de muitos investidores; conheça

Um brinde

A Ambev (ABEV3) nunca vendeu tanta cerveja como no 3º trimestre. E as ações disparam na bolsa

A gigante de bebidas registrou lucro líquido de R$ 3,6 bilhões no terceiro trimestre, alta de 50% e acima do esperado pelo mercado. Hora de comprar a ação?

MERCADOS HOJE

Entre balanços positivos e nova elevação da Selic, Ibovespa opera em queda; dólar avança

Após a decisão do Copom de elevar em 1,5 ponto percentual a Selic, o mercado já espera mais para a próxima reunião. O impasse em Brasília pressiona ainda mais a curva de juros e já precifica uma alta de 1,75 p.p no próximo encontro.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies