Menu
2020-07-28T07:53:08-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Jornalista formado pela UFPR. Fez parte da oitava turma de treinamento em jornalismo econômico do Estadão.
destino da oi

TIM, Vivo e Claro aumentam proposta pela Oi móvel para R$ 16,5 bilhões

É a segunda oferta que o trio faz; Highline do Brasil também disputa os ativos; ações da Oi dispararam 46% na última semana

28 de julho de 2020
7:05 - atualizado às 7:53
oi
Imagem: Shutterstock

A TIM, a Telefônica Brasil (dona da Vivo) e Claro apresentaram uma nova proposta pela rede móvel da Oi no valor de R$ 16,5 bilhões. A oferta considera, adicionalmente, a possibilidade de assinar com a empresa contratos de longo prazo para uso de infraestrutura.

O trio de empresas havia apresentado uma oferta há uma semana, mas foi supreendido pela entrada da Highline do Brasil na disputa. A companhia especializada em infraestrutura de telecomunicações ofereceu um valor superior ao lance mínimo de R$ 15 bilhões.

Desde então, as ações de TIM e Vivo passaram por um sobe e desce, enquanto Oi disparou 46% - os papéis OIBR3 fecharam esta segunda-feira (27) cotados a R$ 1,77. Veja como foi o pregão.

A TIM diz estar certa de que a oferta conjunta divulgada na madrugada desta segunda para terça-feira, caso aceita e atribuída como vencedora, "trará benefícios a seus acionistas através da aceleração de crescimento."

Analistas do Credit Suisse apontaram à época da primeira oferta que justamente a TIM seria a maior beneficiada pela negociação. Para eles, é provável que a subsidiária da Telecom Itália fique com a maior parte da rede móvel da Oi, caso o trio vença o leilão.

Segundo apuração do Estadão, no entanto, a Highline do Brasil tem ao menos uma vantagem em relação à proposta conjunta de Vivo, Claro e TIM: a possibilidade de aprovação do negócio em relação a órgãos reguladores.

Dentro do Cade, a aposta é que o acordo com Highline vai ser facilmente aprovado, uma vez que não reduz a concorrência no setor - o que fatalmente ocorreria caso os ativos fossem fatiados entre as atuais líderes do segmento.

Um integrante do Cade disse ao Estadão, ainda conforme o jornal, que a divisão entre as demais operadoras teria “altíssimas chances” de ser reprovada. Sob pressão dos credores, essa possibilidade não seria bem-vinda para a Oi.

A Oi está em em recuperação judicial e tem a venda da rede móvel como parte essencial do plano para se reeguer. Quando concluída a operação, a empresa deve focar esforços no segmento de fibra ótica e infraestrutura.

Em 2020, a tele já vendeu a participação que detinha na angolana Unitel por US$ 1 bilhão. Em último balanço, a Oi registrou prejuízo de R$ 6,2 bilhões, com a alta do dólar impactando as dívidas da empresa.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

seu dinheiro na sua noite

Onde está o Guedes?

Paulo Guedes esteve presente ontem no anúncio do programa Renda Cidadã pelo governo, ao lado de Jair Bolsonaro e lideranças do Congresso. Mas os investidores no mercado financeiro não reconheceram no ministro a figura que prometeu implementar uma agenda de medidas liberais na economia, incluindo privatizações e reformas. A desconfiança sobre como a equipe econômica encaixaria […]

ajuste fiscal

Propostas para o Renda Cidadã não têm intenção de driblar teto, diz secretário do Tesouro

“A gente sabe que o teto é baseado em credibilidade e não adianta tomarmos ações que minem a credibilidade do teto”, disse Bruno Funchal

Mercado agora

Ibovespa fecha em queda com descrença sobre possível recuo de ‘pedalada’

No exterior, expectativa em torno do primeiro debate entre os principais candidatos à presidência dos EUA inibiu apetite por risco

Fiador sem crédito

Investidores veem omissão de Guedes no Renda Cidadã e mostram cansaço com “Posto Ipiranga”

Agentes do mercado financeiro questionam voto de confiança no ministro da Economia como fiador da disciplina fiscal

recadinho

Relevância do cumprimento do teto no pós-crise será ainda maior, diz Tesouro

Tesouro Nacional reforçou o alerta de que é preciso acelerar as reformas para manter a confiança dos investidores e os juros baixos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements