Menu
2020-02-14T18:49:52-03:00
Dinheiro na mão!

Telefônica Brasil aprova JCP de R$ 0,1499 por ação ON e R$ 0,1649 por ação PN

Empresa de telefonia vai usar como referência a posição acionária do mercado no dia 28 de fevereiro

14 de fevereiro de 2020
18:49
Sede da Telefônica
Sede da Telefônica - Imagem: Divulgação

Atenção acionista! O Conselho de Administração da Telefônica Brasil aprovou nesta sexta-feira (14) o pagamento de juros sobre capital próprio (JCP) para seus acionistas a partir de 2 de março de 2020.

O valor bruto acordado foi de R$ 0,1499 por ação ON e R$ 0,1649 por ação PN. Para definir o pagamento, a Telefônica vai usar como referência a posição acionária do mercado no dia 28 de fevereiro. No total, a empresa vai desembolsar R$ 270 milhões.

De acordo com comunicado da empresa, os valores a serem pagos são referentes ao ano de 2020.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Teste de fé

Segredos da bolsa: Powell e Campos Neto testam a fé dos investidores nos banqueiros centrais

Testemunhos do presidente do Fed perante a Câmara e o Senado dos EUA e coletiva de Campos Neto tendem a inspirar cautela entre os investidores

dinheiro estrangeiro

Sem reformas, fim da pandemia pode não trazer investimentos

Desde 2015, a participação de estrangeiros nos títulos de dívida pública caiu de 20,8% para 9%; quadro fiscal piorou com a pandemia

coronavírus

Doria anuncia que São Paulo receberá 5 milhões de doses de CoronaVac

Segundo o governador de São Paulo, previsão é de que haja 46 milhões de doses até dezembro

o app dos jovens

TikTok banido dos EUA? Entenda a polêmica em torno do aplicativo

Trump prometeu tirar o aplicativo chinês do país neste domingo, mas medida não deve ser colocada em prática; entenda as razões por trás da ofensiva americana

entrevista

‘Não se pode esperar para cortar privilégio’, diz ex-secretário do Ministério da Economia

Paulo Uebel defende que o Congresso aprove uma regra de transição na proposta da reforma administrativa para incluir o fim dos privilégios que grupo de servidores atuais ainda goza

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements