Menu
2020-03-17T09:14:27-03:00
Estadão Conteúdo
efeito coronavírus

Epidemia derruba vendas no País no fim de semana

Entre o sábado e o domingo, as consultas para vendas à vista e a prazo nas lojas, excluindo os supermercados, caíram dois dígitos

17 de março de 2020
9:14
Varejo tecnologia
Imagem: Shutterstock

O comércio varejista brasileiro já sentiu o baque nas vendas por conta das medidas seguidas pela população para prevenir a propagação da epidemia do coronavírus, que incluem a menor circulação de pessoas em ambientes públicos, como shopping centers, por exemplo.

Entre o sábado e o domingo, as consultas para vendas à vista e a prazo nas lojas, excluindo os supermercados, caíram dois dígitos em relação a igual período do ano passado e também na comparação com o fim de semana anterior.

Levantamento feito pelo Instituto de Economia Gastão Vidigal da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), com base na amostra nacional fornecida pela Boa Vista Serviços, aponta recuo de 16,7% nas consultas para negócios à vista e a prazo em relação ao mesmo fim de semana do ano passado. Em relação ao fim de semana anterior, a queda foi de 16,3%.

"É uma retração forte. Daqui para frente, os efeitos no varejo dependerão das medidas que serão tomadas", afirma o economista-chefe da ACSP, Marcel Solimeo.

Ele destaca que antes do fim de semana e da adoção de medidas emergenciais de prevenção, as vendas no varejo neste mês cresciam 5,3% só na cidade de São Paulo na comparação com março do ano passado. Considerando o mesmo número de dias, o desempenho era estável nessa base de comparação.

"Hoje, o ambiente é de muita incerteza e, por isso, não é possível reavaliar as projeções feitas para o desempenho do varejo neste ano", diz Solimeo. A expectativa inicial era de que o comércio varejista fechasse este ano com um avanço entre 2% e 3% sobre 2019.

Solimeo acredita, no entanto, que, passado o pico do epidemia, essa perda de vendas seja revertida e até possa ser compensada, porque o consumidor deve voltar às compras que foram adiadas em razão da crise de saúde pública. Já as empresas prestadoras de serviços, como bares e restaurantes, por exemplo, devem ser mais castigadas do que as lojas, porque a demanda perdida não será compensada mais para a frente.

Um ponto de preocupação, segundo o economista, são as lojas que estão muito endividadas e com dificuldade de capital de giro. "Nesse caso, a queda na demanda poderá ser fatal."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Pesquisa da FGV

Presente mais caro: inflação do Dia das Mães é a maior dos últimos quatro anos

Levantamento da FGV mostra que a inflação no Dia das Mães é a maior desde 2017; eletrodomésticos e passagens aéreas tiveram maiores saltos

Expansão

SPX Capital assume operações do Carlyle no país

As operações do Carlyle no Brasil serão absrovidas pela SPX Capital. Com isso, a gestora de Rogério Xavier se expande em private equity

ESTRADA DO FUTURO

Um pé no abismo e outro na casca de banana: como identificar ações de empresas decadentes

Excesso de otimismo, planos mirabolantes e desprezo pela inovação estão entre as receitas para uma empresa falhar, segundo o gestor que se dedicou a descobrir empresas terríveis

Novo competidor

Grupo catarinense que fatura R$ 8,8 bi vai abrir 1º atacarejo no estado de SP

O Grupo Pereira vai abrir uma unidade da Fort Atacadista, sua bandeira de atacarejo, na cidade de Jundiaí; forte competição em SP é desafio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies