Menu
2020-03-17T09:14:27-03:00
efeito coronavírus

Epidemia derruba vendas no País no fim de semana

Entre o sábado e o domingo, as consultas para vendas à vista e a prazo nas lojas, excluindo os supermercados, caíram dois dígitos

17 de março de 2020
9:14
Varejo tecnologia
Imagem: Shutterstock

O comércio varejista brasileiro já sentiu o baque nas vendas por conta das medidas seguidas pela população para prevenir a propagação da epidemia do coronavírus, que incluem a menor circulação de pessoas em ambientes públicos, como shopping centers, por exemplo.

Entre o sábado e o domingo, as consultas para vendas à vista e a prazo nas lojas, excluindo os supermercados, caíram dois dígitos em relação a igual período do ano passado e também na comparação com o fim de semana anterior.

Levantamento feito pelo Instituto de Economia Gastão Vidigal da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), com base na amostra nacional fornecida pela Boa Vista Serviços, aponta recuo de 16,7% nas consultas para negócios à vista e a prazo em relação ao mesmo fim de semana do ano passado. Em relação ao fim de semana anterior, a queda foi de 16,3%.

"É uma retração forte. Daqui para frente, os efeitos no varejo dependerão das medidas que serão tomadas", afirma o economista-chefe da ACSP, Marcel Solimeo.

Ele destaca que antes do fim de semana e da adoção de medidas emergenciais de prevenção, as vendas no varejo neste mês cresciam 5,3% só na cidade de São Paulo na comparação com março do ano passado. Considerando o mesmo número de dias, o desempenho era estável nessa base de comparação.

"Hoje, o ambiente é de muita incerteza e, por isso, não é possível reavaliar as projeções feitas para o desempenho do varejo neste ano", diz Solimeo. A expectativa inicial era de que o comércio varejista fechasse este ano com um avanço entre 2% e 3% sobre 2019.

Solimeo acredita, no entanto, que, passado o pico do epidemia, essa perda de vendas seja revertida e até possa ser compensada, porque o consumidor deve voltar às compras que foram adiadas em razão da crise de saúde pública. Já as empresas prestadoras de serviços, como bares e restaurantes, por exemplo, devem ser mais castigadas do que as lojas, porque a demanda perdida não será compensada mais para a frente.

Um ponto de preocupação, segundo o economista, são as lojas que estão muito endividadas e com dificuldade de capital de giro. "Nesse caso, a queda na demanda poderá ser fatal."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Pronto para votar

Há acordo para concluir PEC do orçamento de guerra, diz Maia

Maia afirmou, ao chegar à Casa, que acredita ser possível concluir a votação dos dois turnos nesta sexta-feira

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: passado o furacão, é hora de conhecer os estragos

O podcast desta semana fala da primeira leva de dados econômicos a englobar os impactos do coronavírus, além do balanço dos investimentos em março

Pior ainda

‘Estamos em recessão, bem pior do que a crise financeira de 2008’, diz diretora do FMI

Diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva afirmou que a recessão global decorrente do coronavírus já é uma realidade e que será “bem pior” que a crise financeira de 2008/2009

Carta aos cotistas

Gestora Legacy está comprada em ouro e vem aumentando posição em ações americanas

Em carta, gestora diz que acredita que economia americana é a mais apta a se recuperar da crise com rapidez; ouro é alternativa em meio a deterioração fiscal e monetária das moedas

Datafolha

Aprovação de Bolsonaro cai a 33% e do Ministério da Saúde dispara a 76%, diz Datafolha

Pesquisa do Datafolha divulgada nesta sexta-feira, 3, mostra que a aprovação dos brasileiros ao Ministério da Saúde, liderado por Luiz Henrique Mandetta, subiu 21 pontos percentuais (p.p), de 55% na pesquisa anterior

bolso afetado

Para 50%, coronavírus causou impacto na situação financeira pessoal, diz pesquisa

Proporção de pessoas que considera que suas dívidas vão aumentar ou aumentar muito disparou de 25% para 45%

fatia maior para o motorista

Senado eleva rendimento de motorista de aplicativo até outubro

Alteração obriga empresas como Uber, Cabify e 99 a reduzirem em ao menos 15% o valor retido nas corridas

em busca de soluções

Magazine Luiza, GPA e outras empresas promovem movimento #NãoDemita

Grandes bancos, fabricantes de alimentos, empresas de tecnologia, saúde e investimentos estão endossando uma campanha para evitar a demissão

perspectivas

Economia volta à retomada no 2º semestre, diz economista-chefe do Bradesco

Para Fernando Honorato Barbosa, o setor de serviços será o último a se recuperar

Reprovação aumenta

Governo Bolsonaro tem 42% de avaliação ‘ruim’ ou ‘péssima’ em abril, diz pesquisa

É o maior nível de avaliações ruins ou péssimas desde o início do mandato, mas ainda estável no limite da margem de erro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements