Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-12-09T17:05:25-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
OTIMISMO

Bradesco BBI está “bullish” com setor de telecomunicações

Analistas citam efeitos positivos para setor com a venda de ativos de telefonia móvel da Oi e ganhos com fibra ótica

9 de dezembro de 2020
13:35 - atualizado às 17:05
Celulares
Imagem: shutterstock

O Bradesco BBI está otimista com as perspectivas para o setor de telecomunicações brasileiro em 2021, citando os efeitos que a venda do segmento de telefonia móvel da Oi (OIBR3) deve ter no mercado e a expansão dos serviços de fibra ótica pelo País.

Afirmando ainda que as ações estão em patamares atrativos, os analistas Fred Mendes, Cristian Faria e Gustavo Tiseo decidiram:

  • elevar o preço-alvo das ações da Oi de R$ 3,10 para R$ 3,40, mantendo a recomendação em compra;
  • elevar o preço-alvo das ações da TIM (TIMS3) de R$ 18,50 para R$ 19,50, mantendo a recomendação em compra e;
  • elevar o preço-alvo das ações da Telefônica Brasil (VIVT3) de R$ 60,00 para R$ 61,00, mantendo a recomendação em neutro.

Ativos da Oi

No caso da venda da parte de telefonia móvel da Oi, que deve ser realizada até o final do ano, os analistas do Bradesco BBI avaliam que ela deve resultar na consolidação do mercado em torno de TIM, Telefônica Brasil e Claro, além de reequilibrar a divisão dos espectros de telefonia celular entre as empresas.

Vale lembrar que, em julho, as três empresas se uniram para fazer uma oferta pelas operações da Oi na parte de telefonia móvel, oferecendo R$ 17,3 bilhões para terem a posição de “stalking horse” na disputa, ou seja, para serem os principais proponentes.

A TIM deve ser a principal beneficiada, segundo os analistas, ficando com 50% da base de clientes da Oi, considerando a atual distribuição dos espectros de telefonia. Eles estimam que a sinergia potencial será de cerca de R$ 1,10 por ação. No caso da Telefônica Brasil, o efeito será em torno de R$ 0,90.

Fibra ótica

Ainda que o relatório veja de forma positiva a venda dos ativos de telefonia móvel da Oi, os analistas do Bradesco BBI destacam que a principal oportunidade para as companhias de telecomunicações está no desenvolvimento dos serviços de fibra ótica e internet banda larga para empresas e residências, considerando sua alta velocidade e melhor custo-benefício em relação ao cobre.

Eles afirmam que a banda larga no País ainda tem baixa penetração, quando comparado com outros países da América Latina. Neste sentindo, os analistas veem a Oi como a principal beneficiária, considerando a sua presença pulverizada pelo País.

Os analistas veem a companhia conseguindo acelerar o desenvolvimento da rede nos próximos anos, considerando que ela está adicionando cerca de 140 mil casas por mês em sua rede no segundo semestre, acima da média dos 20 mil registrados no começo do ano.

Esta estratégia fez com que o Bradesco BBI elegesse as ações da Oi como sua principal escolha entre as companhias de telecomunicação da América Latina.

“Com a sua robusta reestruturação seguindo em frente, a Oi deve apresentar um crescimento de 0,5% do Ebitda em 2020, enquanto em 2021 a companhia deve ser capaz de retomar o crescimento da receita, que nós estimamos que será de 8,5%”, diz trecho do relatório.

A Telefônica Brasil também apresenta avanços na parte de internet banda larga e fibra ótica, e também deve ver ganhos com a compra da parte móvel da Oi, mas os analistas do Bradesco BBI mantiveram a recomendação para as ações em neutro por preferirem as perspectivas para os papéis de seus concorrentes.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies