Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-05-14T13:45:40-03:00
Estadão Conteúdo
produção industrial

Veículos e alimentação puxam queda na indústria de SP; petróleo segura RJ

IBGE informou que o tombo de 9,1% na produção industrial na passagem de fevereiro para março foi verificado em todos os 15 locais pesquisados

14 de maio de 2020
13:45
Honda carros veículos
Imagem: Shutterstock

A queda na produção industrial de São Paulo em março, de 5,4% ante fevereiro, foi puxada pelas indústrias automotiva e de alimentos e bebidas, informou Bernardo Monteiro, analista do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Já a indústria do Rio teve desempenho relativamente positivo, por causa do setor de petróleo e gás.

O IBGE informou que o tombo de 9,1% na produção industrial na passagem de fevereiro para março foi verificado em todos os 15 locais pesquisados, conforme a Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Regional.

A queda de produção na indústria paulista, assim como ocorreu na média nacional, cujos dados foram divulgados na semana passada, foi a maior desde maio de 2018, quando a greve dos caminhoneiros paralisou a atividade. Naquela ocasião, a indústria de São Paulo perdeu 12,4% ante abril de 2018.

Individualmente, a indústria paulista responde por 34% da produção nacional. "14 das 18 atividades da indústria paulista obtiveram resultados negativos", afirmou Monteiro.

Além de São Paulo, o desempenho dos parques industriais do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, com quedas recordes de 20,1% e 17,9%, respectivamente, puxaram o tombo na indústria nacional. Na indústria gaúcha, a produção de veículos e na cadeia de couro e calçados puxaram o desempenho negativo. No caso catarinense, o destaque negativo ficou com a indústria têxtil e de vestuário.

O desempenho da indústria do Rio, que responde por 10,5% da produção nacional, logo após a indústria mineira, com 11%, chamou atenção positivamente. A queda ante fevereiro foi de apenas 1,3% e, ante março de 2019, houve avanço de 9,4% na indústria fluminense, em movimento puxado pelo setor de petróleo e gás.

"A queda no Rio não foi tão acentuada (na passagem de fevereiro para março) porque temos setores que vêm influenciando positivamente, por causa de sua estratégia de produção", afirmou Monteiro.

O desempenho positivo foi verificado tanto na extração de petróleo quanto na produção de derivados, como combustíveis e insumos petroquímicos. O setor de petróleo e gás também segurou a indústria da Bahia, cuja produção encolheu 5,0% na passagem de fevereiro para março, mas avançou 5,8% em relação a março de 2019.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Exile on Wall Street

Corretagem zero: o lobo atrás da porta

Cheguei numa fase da vida em que preciso evitar duas coisas a qualquer custo: genros e noras aventureiros e gente do bem. Fujo dessas coisas como o diabo foge da cruz. Sobre o primeiro ponto, o negócio não tem stop. É short convexidade total. O jovem inventa de empreender com o dinheiro do sogro e […]

MERCADOS HOJE

Ibovespa busca recuperação antes de decisão do Fed e sobe 1%; dólar recua

Com a inflação mais agressiva dos últimos meses, o Fed vem sendo pressionado para agir, mas os indicadores de desemprego e atividade seguem sustentando uma política monetária mais acomodatícia.

De carona no foguete

Bitcoin volta a tocar patamar dos US$ 40 mil; confira o que está impulsionando o mercado hoje

De acordo com especialistas, o índice do medo do bitcoin se mantém neutro depois de passar dois meses na zona vermelha

Fartura nos resultados

Trimestre apetitoso! McDonald’s supera expectativas do mercado e registra lucro de US$ 2,22 bilhões

Com ajustes, o lucro por ação somou US$ 2,37 e ficou acima da previsão de analistas consultados pela FactSet, de US$ 2,11

O melhor do seu dinheiro

Entrevista exclusiva com a Ânima, o fim de uma era no Santander e mais destaques desta quarta-feira

A pandemia da covid-19 acertou em cheio as empresas de educação privada na bolsa. Em meio à crise, muitos alunos que trabalhavam para pagar as mensalidades acabaram perdendo o emprego. O resultado no balanço das companhias foi o aumento na inadimplência e a queda no número de estudantes nos cursos de graduação. Mas como costuma […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies