Menu
2020-05-06T09:04:35-03:00
Estadão Conteúdo
projeto que passou na Câmara

SP receberá menos que Roraima por habitante

São Paulo receberá R$ 279 por habitante do dinheiro destinado a Estados e municípios aprovado na Câmara, Roraima ficará com R$ 798 per capita do socorro federal

6 de maio de 2020
9:04
img20200427163002402MED
Presidente da Câmara dos Deputados, dep. Rodrigo Maia (DEM - RJ) - Imagem: Najara Araújo/Câmara dos Deputados

Epicentro da covid-19, o Estado de São Paulo vai receber bem menos menos do que Roraima, que lidera a lista dos Estados mais beneficiados pela divisão do auxílio emergencial de R$ 60,15 bilhões do governo federal para o enfrentamento da doença durante o período da calamidade.

Enquanto São Paulo receberá R$ 279 por habitante, Roraima ficará com R$ 798 per capita do socorro federal. Já o Amapá, Estado do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), que negociou o acordo com a equipe econômica, receberá R$ 733 per capita. O valor é muito acima da média de todos os Estados de R$ 286.

O Rio de Janeiro ficará com R$ 237 por habitante. Em valores nominais, São Paulo receberá R$ 12,82 bilhões; Minas Gerais, R$ 5,78 bilhões e o Rio de Janeiro, R$ 4,09 bilhões.

Apesar de contrariado com a divisão, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), colocou o projeto em votação, que foi aprovado com modificações e terá que retornar ao Senado para nova votação. Maia patrocinou o projeto inicial aprovado na Câmara e foi criticado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. O projeto foi alterado por Alcolumbre em negociação direta com Guedes.

O presidente do Senado e seus consultores desenharam o novo modelo misto de divisão, que desagradou os senadores dos Estados mais prejudicados. Os dados foram feitos pela consultoria de Orçamento e fiscalização da Câmara para mostrar que a divisão do Senado desfavoreceu muitos Estados.

Para a consultoria, a aplicação de mix de critérios pelo Senado, antes da aplicação do critério populacional no rateio, criou desigualdade na distribuição do auxílio financeiro entre municípios em similares condições. Assim, dois municípios, ainda que da mesma faixa populacional, poderão receber auxílios financeiros totalmente discrepantes. A oposição também criticou a divisão.

O presidente do Senado bateu de frente até mesmo com a área técnica do Tesouro para manter o seu critério de divisão, como mostrou o Estadão/Broadcast. A subsecretária do Tesouro, Pricilla Santana, em videoconferência revelou que a divisão foi definida por Alcolumbre por critério político. Ele teria mandado os técnicos não "se meterem" no assunto. / A.F. e C.T.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Novos tempos

Alvo de Bolsonaro, home office avança no setor público

Bolsonaro usou trabalho remoto para atacar presidente da Petrobras

Mais uma na área

FDA autoriza uso emergencial de vacina de dose única nos EUA

Imunizante é produzido pela Johnson & Johnson

Contra a pandemia

Matéria-prima para produção de 12 milhões de doses de vacina chega ao Rio

Total de efetivamente imunizados não chega a 1% da população brasileira

Acordo confirmado

Notre Dame Intermédica e Hapvida chegam a acordo para combinação de negócios

Ações da Notre Dame serão incorporadas pela Hapvida; acordo resultará em uma das maiores empresas de saúde do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies