Menu
2020-08-25T03:47:12-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Jornalista formado pela UFPR. Fez parte da oitava turma de treinamento em jornalismo econômico do Estadão.
em evento online

‘Obscurantismo’ do governo pesa mais para estrangeiro do que política fiscal e monetária, dizem Persio e Arminio

Em evento online do Santander, ex-presidentes do BC criticam posição do Executivo, defende ao menos a estabilização da dívida e falam do risco da alta de juros

19 de agosto de 2020
13:13 - atualizado às 3:47
Sem título
Imagem: Reprodução /Youtube Santander

O ex-presidente do Banco Central e sócio-fundador da Gávea Investimentos, Arminio Fraga, afirmou nesta quarta-feira (19) que a posição "retrógrada" do governo federal pesa mais para o investidor estrangeiro do que a política fiscal e monetária.

A discussão acontece em meio a uma taxa de juros na mínima histórica e ao cabo de guerra dentro do governo envolvendo o teto de gastos - regra que limita o gasto do governo equivalente ao Orçamento do ano anterior, corrigido pela inflação.

"É uma questão que está acima de nós", disse o economista em debate online promovido pelo Banco Santander. "O Brasil tem um posicionamento ruim em relação à Amazônia e à covid-19, fala em armar a população... A qualidade da nossa democracia está sendo questionada".

Fraga estava acompanhado do também ex-diretor do BC Persio Arida, que avaliou de forma semelhante as razões pelas quais o investidor tira dinheiro do país. "O Brasil se colocou como um pária", disse.

"Nas próximas eleições, se o presidente eleito tiver uma visão clara de país, articulação política e boa equipe, conseguirá fazer muito mais", acrescentou o economista.

Para Arida, o "mundo corporativo mudou". Ele disse que, no passado, uma empresa falava apenas em obter lucros, mas que ao longo do tempo houve uma conscientização das companhias de que elas também seriam responsáveis pelo ambiente em que estão. "O mundo corporativo é muito mais sensível do que quarenta anos atrás", afirmou.

Juros, dólar e bolsa

Apesar do adendo sobre o comportamento estrangeiro, ambos defenderam a necessidade do teto de gastos. Arida disse que há pressão para flexibilizar a medida de setores específicos, inclusive empresariais. "É como se o nosso orçamento tivesse sido apropriado por interesses", afirmou.

O economista disse que o problema é que não possível o país crescer tendo uma dívida desordenada - seria preciso estabilizá-la. Já Fraga defendeu a necessidade de se reduzir a dívida.

"Outra coisa que vale a pena ficar de olho é o encurtamento da dívida. A curva dos juros no Brasil está muito empinada. Um belo dia você pode notar que está com a dívida toda curta e daí ter que aumentar o juro", afirmou.

Fraga também argumentou que os juros baixos de hoje seriam suficientes para explicar a alta da bolsa, no Brasil e nos Estados Unidos. "Vai haver uma vitória contra o vírus e isso está precificado".

Já em relação ao dólar, Arida disse que não vê problema na valorização da moeda ante o real. "Podemos fazer hedge e somos um país que estimula o setor exportador", lembrou. "O câmbio ajuda a recuperar a atividade econômica".

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

seu dinheiro na sua noite

Onde está o Guedes?

Paulo Guedes esteve presente ontem no anúncio do programa Renda Cidadã pelo governo, ao lado de Jair Bolsonaro e lideranças do Congresso. Mas os investidores no mercado financeiro não reconheceram no ministro a figura que prometeu implementar uma agenda de medidas liberais na economia, incluindo privatizações e reformas. A desconfiança sobre como a equipe econômica encaixaria […]

ajuste fiscal

Propostas para o Renda Cidadã não têm intenção de driblar teto, diz secretário do Tesouro

“A gente sabe que o teto é baseado em credibilidade e não adianta tomarmos ações que minem a credibilidade do teto”, disse Bruno Funchal

Mercado agora

Ibovespa fecha em queda com descrença sobre possível recuo de ‘pedalada’

No exterior, expectativa em torno do primeiro debate entre os principais candidatos à presidência dos EUA inibiu apetite por risco

Fiador sem crédito

Investidores veem omissão de Guedes no Renda Cidadã e mostram cansaço com “Posto Ipiranga”

Agentes do mercado financeiro questionam voto de confiança no ministro da Economia como fiador da disciplina fiscal

recadinho

Relevância do cumprimento do teto no pós-crise será ainda maior, diz Tesouro

Tesouro Nacional reforçou o alerta de que é preciso acelerar as reformas para manter a confiança dos investidores e os juros baixos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements