2020-01-20T18:13:52-03:00
Estadão Conteúdo
DE OLHO NOS FUNDOS

Patrimônio dos fundos cresce 15,27% e vai a R$ 5 trilhões, diz Economatica

Em dólares, a indústria de fundos se mantém acima de US$ 1 trilhão desde dezembro de 2016.

20 de janeiro de 2020
18:13
Touros e Ursos CAPA Dinheiro
Imagem: Shutterstock

A indústria de fundos do Brasil fechou o ano de 2019 com R$ 5,02 trilhões em patrimônio, aumento de 15,27% com relação ao mês de dezembro de 2018, atingindo novo marco histórico, de acordo com levantamento da Economatica. Desse total, 10,14% foram alocadas em renda variável, o maior patamar desde março de 2013.

Em dólares, a indústria de fundos se mantém acima de US$ 1 trilhão desde dezembro de 2016. O estudo da Economatica também comparou a indústria de fundos com o valor de mercado de todas as empresas listadas na B3, que em dezembro era de R$ 4,5 trilhões, ou seja, menor que o setor de fundos.

Até agosto de 2014, o tamanho dos dois mercados era muito próximo, com o setor de fundos começando a superar a Bolsa desde então.

A grande maioria dos recursos do setor de fundos está alocada em renda fixa: debêntures, depósitos a prazo de bancos, operações compromissadas e títulos públicos representavam, no mês de dezembro de 2019, 74,3% do total do patrimônio da indústria, segundo a Economatica.

Os ativos de renda variável (ações, posições doadas, BDR's, Unit's e posições short) representavam 10,1% do patrimônio. O pior momento para a renda variável no setor de fundos aconteceu em fevereiro de 2016, com somente 4,35% do patrimônio. O melhor foi em março de 2013, com 10,3%.

Dentro da renda fixa, a alocação em títulos públicos no mês de dezembro de 2019 era de 44,4% do patrimônio da indústria de fundos.

O maior porcentual foi registrado em março de 2018, com 46,25%, de acordo com o estudo. Nas debêntures, a fatia era de 3,9% do patrimônio em dezembro.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

RAIO-X DO ORÇAMENTO

Fundo eleitoral, emendas do relator e reajuste dos servidores: 3 pontos do Orçamento para 2022 que mexem com a bolsa esta semana

Entre emendas parlamentares superavitárias e reajuste dos policiais federais, o Orçamento deve ser publicado no Diário Oficial na segunda-feira (24)

PEC DOS COMBUSTÍVEIS

Tesouro pode perder até R$ 240 bilhões com PEC dos Combustíveis e inflação pode ir para 1% — mas gasolina ficará só R$ 0,20 mais barata; confira análise

Se todos os estados aderirem à desoneração, a perda seria de cifras bilionárias aos cofres públicos, de acordo com a XP Investimentos

Seu Dinheiro no Sábado

E a bolsa ainda pulsa: os grandões do Ibovespa brilham e puxam o índice — mas e as demais empresas?

Além do ciclo aquecido das commodities e da entrada de recursos estrangeiros, também vale lembrar o desconto nos ativos domésticos

BITCOIN (BTC) HOJE

Bitcoin (BTC) aprofunda queda da semana e é negociado aos US$ 35 mil hoje pela primeira vez em seis meses; criptomoeda já caiu 17% em sete dias

Especialista dá dicas de como sobreviver ao momento de “sangria” do mercado de criptomoedas — e o que não fazer no desespero

Dê o play!

A bolsa ainda pulsa, mas será um último suspiro? O podcast Touros e Ursos discute o cenário para o Ibovespa

No programa desta semana, a equipe do Seu Dinheiro discute o cenário para o Ibovespa e os motivos que fazem a bolsa brasileira subir