Menu
2020-01-11T09:28:39-03:00
Em alta

Para montadoras, venda de caminhões deve crescer 18% em 2020

Se confirmada a expectativa, será o quarto ano seguido de alta nas vendas

11 de janeiro de 2020
9:28
Rodovia
Caminhão em rodovia - Imagem: shutterstock

O mercado brasileiro de caminhões continuará aquecido neste ano e deve crescer 18%, para 120 mil unidades, segundo projetam as fabricantes. Será o quarto ano seguido de alta nas vendas, após o setor registrar seu pior momento em 17 anos, com 50,6 mil veículos vendidos em 2016, em plena crise econômica.

"Este ano será a consolidação da retomada", afirma Roberto Cortes, presidente da Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO). Também será um ano de importantes novidades, como o início da produção do primeiro caminhão elétrico e do primeiro veículo sem retrovisores.

Em 2019, foram vendidos 101,3 mil caminhões, alta de 33% ante o ano anterior. "Nossa previsão era vender 2 mil unidades a mais, mas mesmo assim foi um crescimento robusto, o dobro do que vendemos em 2016", diz o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Carlos Moraes.

O aumento esperado para 2020, embora menor que o do ano passado, anima as empresas que já venderam 172,8 mil caminhões em 2011, o recorde do setor. "Acreditamos que as renovações de frota acontecerão numa velocidade maior e num tempo menor neste ano, o que manterá as vendas aquecidas no País", diz Philipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz.

Cortes, da Volkswagen, ressalta que a indústria de caminhões é um termômetro da economia e sua crescente recuperação afeta diretamente o mercado. Ele vê vários motivos para o ambiente favorável deste ano, entre os quais os indicadores econômicos positivos (PIB de 2,5%, juro baixo e continuidade de reformas), retomada de investimentos em infraestrutura e na construção civil e renovação de frota.

"Muitos frotistas que deixaram de trocar de caminhões na crise vão voltar a comprar", prevê Cortes. Segundo ele, a idade média dos veículos de grandes frotistas normalmente é de três a cinco anos. "Hoje essa idade está entre sete e oito anos, o que é ruim, pois desvaloriza o ativo das empresas."

Já um programa de renovação oficial de frota, reivindicado pelo setor há vários anos e que envolve ações do governo, como incentivo à troca por veículos mais novos, "depende de outros fatores, inclusive políticos".

A produção de caminhões cresceu menos que as vendas - 7,5%, com 113,5 mil unidades - em razão da queda de 45% na exportação e do fechamento da Ford no ABC paulista. Por seis meses, o grupo brasileiro Caoa negociou a compra da fábrica mas, o negócio não foi adiante. No fim do ano, o grupo chinês BYD foi citado como interessado, mas ainda não confirmou a informação.

Pesados

Ao contrário dos últimos anos, cujas vendas foram puxadas pelo segmento de caminhões grandes, usados na mineração e no transporte de grãos, o setor aposta que este ano haverá reação também nas demais categorias, como a de caminhões médios e pequenos para transporte geral de mercadorias.

As vendas de pesados em 2019 cresceram 48,7% (51,7 mil unidades), enquanto as de semipesados e médios aumentaram 30% (23,3 mil e 10 mil). O pequenos registraram queda de 2,6% (11,2 mil).

Voltadas ao mercado de caminhões de grande porte, a Volvo e a Scania registram maiores altas de vendas, de 58,3% (16,8 mil unidades) e 47,6% (12,7 mil). A líder Mercedes cresceu 41,6% (29,5 mil) e a VWCO, 32% (26,7 mil), segundo a Anfavea, que contabiliza veículos com capacidade a partir de 3,5 toneladas de carga.

*Com informações do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

dados do coronavírus

Covid-19: Brasil tem 3,05 milhões de casos e 101,7 mil mortes

Desde o início da pandemia, o Brasil acumula 3.057.470 casos de covid-19, conforme balanço diário divulgado hoje (10) pelo Ministério da Saúde

reforma tributária

Alíquota de CBS pode ser revista se for exagerada, diz Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a dizer que a alíquota de 12% prevista para a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) poderá ser revista caso se mostre “exagerada”

fatia de 6%

Azul vende participação de 6% na TAP para governo português por ao menos 10,5 milhões de euros

A venda da participação indireta de 6% teve valor total de, ao menos, 10,5 milhões de euros, com eliminação do direito de conversão dos bônus seniores detidos pela Azul de 90 milhões de euros com vencimento em 2026

seu dinheiro na sua noite

¿Qué pasó, Meli?

Em um contexto de pandemia que obrigou as pessoas a ficarem mais em casa e o comércio a suspender ou reduzir suas atividades, o e-commerce tem sido a boia de salvação de muitos varejistas. Nunca que num cenário como o atual haveria otimismo dos investidores em relação ao varejo não essencial, mas cá estamos: no […]

Mercados hoje

Ibovespa fecha em alta depois de passar o dia em efeito-gangorra

Decretos de Trump sobre ajuda emergencial a desempregados norte-americanos sustentam ‘otimismo cauteloso’ no exterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements