🔴 AS BIG TECHS ESTÃO ‘SUGANDO’ DINHEIRO DA BOLSA BRASILEIRA? – VEJA COMO SE PROTEGER

Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
REVISÕES

Para BTG Pactual Digital, queda de braço no petróleo pode fazer Brasil crescer apenas 1,5% em 2020

Segundo economista do banco, com o novo patamar de preços do óleo, o impacto na atividade local deve ser significativo e a tendência tanto de PIB quanto de inflação será de novas revisões baixistas

Bruna Furlani
Bruna Furlani
9 de março de 2020
14:34 - atualizado às 17:56
Três pilhas de moedas com blocos de madeira formando a sigla PIB
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Depois que o Boletim Focus oficializou pela primeira vez um recuo nas estimativas de crescimento para o Produto Interno Bruto (PIB) para menos de 2% em 2020, o BTG Pactual Digital divulgou um relatório dizendo que espera novas revisões para baixo, tanto para o PIB quanto para a inflação.

No documento, o economista do BTG Pactual Digital, Álvaro Frasson, disse que o coronavírus e a "derrocada" da Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep) tendem a "jogar a economia brasileira para algo próximo a 1,5% de PIB em 2020".

Em sua análise, ele ressaltou que a queda nos contratos futuros de petróleo nesta segunda-feira (9) é um "movimento que coloca ainda mais lenha na fogueira da desaceleração global dos últimos anos". Hoje, os contratos futuros do Brent com vencimento em maio fecharam em queda de 24,10%, cotados em US$ 34,36.

"O preço do Brent está em valores pré-2004, antes do boom chinês pela demanda da commodity, e o índice de Commodities da Bloomberg está na mínima histórica desde 1986, época de recessão de economias maduras", destacou o economista.

A queda de braço está ligada à guerra de preços do petróleo desencadeada pela Arábia Saudita. Ontem (8), os sauditas anunciaram que iriam vender petróleo com enormes descontos, o que derrubou os preços internacionais da commodity.

Segundo ele, com o novo patamar de preços do óleo, o impacto na atividade local deve ser significativo e a tendência tanto de PIB quanto de inflação será de novas revisões baixistas.

Hoje, o Focus trouxe um recuo nas estimativas do mercado para o crescimento do PIB, que ficaram em 1,99% para este ano. A mediana da inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2020 também sofreu alteração e passou de 3,19% para 3,20%.

BC está de mãos atadas

De olho no cenário global, o economista destacou que agora vê o BC brasileiro de mãos atadas e que a autoridade deve fazer o corte de juros na próxima reunião, que ocorre ainda neste mês.

"Apesar do BCB mostrar sua preocupação com o atual nível de câmbio, dada sua maior intensidade nos leilões de swaps cambiais nos últimos dias (mais de US$ 5 bilhões), a pressão para mais cortes de juros coloca o Copom de mãos atadas para reunião do dia 18: ou é de 0,5 p.p. ou é de 0,25 p.p. com um comunicado mais dovish [suave]", disse o economista.

Em sua análise, Frasson também argumentou sobre preocupações com relação à meta fiscal. Segundo ele, se por um lado a redução dos juros pode ajudar na melhora da perspectiva do resultado nominal, o resultado primário tende a ser agravado por conta do impacto negativo da atividade neste primeiro semestre de 2020.

Compartilhe

PRÊMIO BANCO CENTRAL DO ANO

Recado para Lula e Haddad? A declaração de Campos Neto sobre a autonomia do BC e as decisões de juros para conter inflação

12 de junho de 2024 - 19:54

Presidente da autoridade monetária recebeu prêmio o prêmio “Banco Central do Ano”, conferido pelo portal de notícias Central Banking, em Londres e aproveitou para falar sobre sua gestão

AJUDA AO GOVERNO

Dividendos pingando na conta do Tesouro: BNDES eleva pagamento de proventos para 50% — e cifra deve chegar a R$ 16 bilhões

12 de junho de 2024 - 19:30

Aumento do percentual de pagamento de dividendos de 25% para 50% não deve reduzir os desembolsos do banco, segundo Aloizio Mercadante

De olho nos petrodólares

Ministro da Agricultura elege sauditas como “parceiros preferenciais”

12 de junho de 2024 - 18:42

Fávaro disse que tem fechado acordos para infraestrutura e formação de fundos com a Arábia Saudita

PRESTAÇÃO DE CONTAS

O que o TCU viu de certo — e também de errado — nas contas do governo Lula em 2023?

12 de junho de 2024 - 18:21

A auditoria da prestação de contas de Lula no ano passado verificou cerca de R$ 109 bilhões em irregularidades e distorções de valor no balanço da União

MINISTROS DIVIDIDOS

A remuneração do FGTS vai mudar: confira a decisão do STF sobre o cálculo que pode afetar o setor imobiliário

12 de junho de 2024 - 16:15

Atualmente, os valores depositados no fundo remuneram a Taxa Referencial (TR) mais 3% ao ano, além do eventual lucro no período, mas o cálculo vai mudar.

MP da Compensação

Senado avalia usar Imposto de Renda, repatriação e dinheiro esquecido para compensar a desoneração da folha

12 de junho de 2024 - 12:03

Uma das fontes avaliadas pelo Senado para compensar desoneração é a taxação de compras internacionais

AI MINHAS COMPRINHAS

Câmara aprova lei que taxa compras internacionais de varejistas como Shein, AliExpress e Shopee. Lula vai vetar?

12 de junho de 2024 - 10:08

A alíquota de 20% sobre o e-commerce estrangeiro foi um “meio-termo” e substituiu a ideia inicial de aplicar uma cobrança de 60% sobre mercadorias que vêm do exterior

LOTERIAS

Lotofácil faz novos milionários pelo Brasil enquanto Mega-Sena acumula e Caixa recebe apostas exclusivas para a Quina de São João

12 de junho de 2024 - 5:53

Se o prêmio acumulado da Mega-Sena rapidamente atingiu a marca de R$ 40 milhões, a Lotofácil teve 3 ganhadores, mas fez apenas 2 novos milionários

MP da Compensação

Pacheco devolve MP do PIS/Cofins e impõe derrota ao governo Lula

11 de junho de 2024 - 19:03

Presidente do Senado diz que MP descumpre princípio de anterioridade para questões tributárias

Leilão polêmico

O que levou o governo Lula a cancelar o leilão para compra de arroz importado?

11 de junho de 2024 - 16:32

Segundo o governo, anulação se deu por falta de capacidade financeira das empresas em honrar os compromissos

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar