Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-06-29T18:18:49-03:00
Estadão Conteúdo
pior maio da série histórica

Pandemia fecha 1,487 milhão de vagas de março a maio, mostra Caged

Em maio, o saldo líquido entre a abertura e o fechamento de vagas foi negativo em 331.901 empregos, pior resultado da série histórica iniciada em 1992

29 de junho de 2020
15:50 - atualizado às 18:18
seguro-desemprego
Imagem: Shutterstock

A pandemia do coronavírus levou ao fechamento de 1,487 milhão de vagas com carteira assinada entre março, quando foi registrado o primeiro caso de covid-19 no país, e maio.

De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados nesta segunda-feira, 29, pelo Ministério da Economia. No mês de maio, o saldo líquido entre a abertura e o fechamento de vagas foi negativo em 331.901 empregos.

O resultado de maio decorre de 703.921 admissões e 1,035 milhão de demissões. Esse foi o pior resultado para o mês da série histórica, que tem início em 1992. Em maio de 2019, houve a abertura de 32.140 vagas.

No acumulado do ano, o saldo do Caged foi negativo em 1,144 milhão de vagas, o pior desempenho da série histórica disponibilizada (2010).

Setor de serviços pesa

O fechamento recorde de vagas formais em maio foi puxado pelo setor de serviços, que eliminou 143.479 postos, de acordo com dados do Caged, divulgados nesta segunda-feira, 29, pelo Ministério da Economia. Em seguida, o maior saldo negativo foi na indústria, com 96.912 vagas fechadas.

O comércio registrou resultado negativo em 88.739 postos. Também teve saldo negativo no mês a construção, 18.758 vagas.

Das atividades econômicas, apenas a agricultura e pecuária registrou saldo positivo, em 18.758 vagas.

O resultado negativo na criação de empregos formais em maio também é explicado por uma queda de 48% nas admissões do mês e recuo de 21% nos desligamentos, na comparação com maio de 2019.

Segundo o Caged, em relação a abril, as admissões subiram 14% e os desligamentos recuaram 32%. "O maior problema no momento é a redução de admissões, não os desligamentos. Começamos a ver reação nas contratações em maio", afirmou o secretário Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Bianco.

Estados

Em maio, 26 Estados registraram resultado negativo e apenas um, o Acre, teve saldo positivo, de 130 postos. Os piores desempenhos foram em São Paulo (-103.985), Rio de Janeiro (-35.959), Minas Gerais (33.695 postos) e Rio Grande do Sul (-32.106 postos). O salário médio de admissão nos empregos com carteira assinada caiu de R$ 1.810,08, em abril, para R$ 1.731,33 em maio.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

ampliação dos negócios

Cosan (CSAN3) paga R$ 1,5 bilhão por fatia na Radar, gestora de propriedades agrícolas

Companhia já detinha uma participação na Radar; após a conclusão da operação e uma reorganização societária, a Cosan será dona de mais de 50% do capital social

o melhor do seu dinheiro

Caso Lehman Brothers: não vale a pena ver de novo

Se tem um roteiro que o mercado financeiro não quer ver se repetindo, é o de uma crise financeira desencadeada pela quebra de uma grande empresa, como foi o caso da falência do banco Lehman Brothers em 2008, que marcou o início da grave crise dos subprime. Nem mesmo em uma escala menor, como é […]

força do esg

Environmental ESG, da Ambipar, busca IPO de R$ 3 bilhões para dar gás às aquisições

Preço da faixa indicativa está entre R$ 15,50 e R$ 20,50; após IPO, 43,8% do capital social estará em circulação no mercado com as ações

MERCADOS HOJE

Evergrande injeta temor no mercado global e bolsas têm dia de fortes perdas; Ibovespa fecha no menor nível desde novembro

Temor de que os problemas da incorporadora chinesa gerem uma reação em cadeia no mercado global afundou as bolsas nesta segunda-feira (20)

Ruído político

Congresso não participou de debate sobre aumento no IOF, revela presidente da Câmara

Arthur Lira também declarou que quer avançar com a reforma administrativa e uma solução para a questão dos precatórios ainda nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies