Menu
2020-03-02T18:32:10-03:00
Menor desde 2009

OCDE reduz previsão de crescimento global em 2020 por coronavírus

OCDE reduziu previsão para o crescimento global em 2020 em 0,5 ponto porcentual, de 2,9% para 2,4%

2 de março de 2020
12:23 - atualizado às 18:32
Logo da OCDE
OCDE - Imagem: Shutterstock

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) reduziu na manhã desta segunda-feira, 2, sua previsão para o crescimento global em 2020 em 0,5 ponto porcentual, de 2,9% para 2,4%, de olho nos impactos econômicos do coronavírus. Este é o nível mais baixo desde 2009.

Para a entidade, o Produto Interno Bruto (PIB) mundial pode ser até mesmo negativo no primeiro trimestre deste ano e cair para 1,5% em 2020, caso a epidemia se agrave. "Os governos precisam agir com rapidez e força para superar o coronavírus e seu impacto econômico", defende a OCDE.

Para 2021, porém, a projeção de crescimento global foi elevada de 3,0% para 3,3%.

"As contrações na produção na China (epicentro da epidemia) estão sendo sentidas em todo o mundo, refletindo o papel fundamental e crescente do país asiático nos mercados globais de cadeias de suprimentos, viagens e commodities", argumenta a instituição, que também cortou sua previsão de crescimento da China em 2020 de 5,7% para 4,9%.

Para os Estados Unidos, a OCDE vê um impacto mais limitado, ainda que tenha reduzido suas projeções de crescimento do PIB de 2,0% para 1,9% em 2020.

A OCDE destacou ainda que a economia global tornou-se mais conectada com a China em relação a 2003, quando o surto de SARS também impactou os mercados. "A China desempenha um papel muito maior nos mercados globais de produção, comércio, turismo e commodities. Isso amplia as repercussões econômicas para outros países", diz a entidade, que projeta um grande impacto negativo sobre Japão, Coreia do Sul e Austrália.

Entre as medidas para a contenção dos impactos econômicos do coronavírus, a OCDE destaca a necessidade de se apoiar as economias de baixa renda e aumentar os estímulos fiscais, além de relaxamentos monetários em países com espaço para tal. Entre eles, a entidade destaca o Brasil.

Impactos no Brasil

A OCDE falou também que o Brasil tem espaço para relaxar ainda mais sua política monetária, como forma de conter os impactos econômicos do surto de coronavírus. A entidade, contudo, por mais que preveja impactos negativos da epidemia sobre países exportadores de commodities, manteve sua projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 1,7% em 2020.

"Os ventos contrários adicionais e a incerteza relacionados ao surto de coronavírus tornam essencial que as políticas monetárias continuem favoráveis em todas as economias", afirma a entidade. "Estímulos monetários ajudarão a economia a restaurar a confiança, embora o impacto de recentes e esperadas mudanças nas taxas de juros de países desenvolvidos deva ser modesto."

Em meio ao cenário desfavorável, a OCDE também defende a necessidade de uma política fiscal rígida em países emergentes, citando Brasil e Índia, mas destaca que programas de assistência a grupos sociais de baixa renda devem ser garantidos e apoiados por investimentos.

O Banco Central reduziu a taxa básica de juros do País para 4,25% ao ano em 5 de fevereiro e, no comunicado da decisão, indicou a interrupção do fim do ciclo de relaxamento monetário. Ainda assim, a ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) informou que os membros do grupo discutiram os efeitos do coronavírus sobre a economia global.

O presidente do BC, Roberto Campos Neto, inclusive, incluiu o coronavírus entre os riscos observados pelo BC, ao lado da desaceleração global e das eleições americanas, em recente apresentação a investidores.

Vale lembrar que o Brasil ainda não é um membro da OCDE, embora o processo para a adesão já tenha se iniciado.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou ao Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) em janeiro que prevê a entrada do País no "clube dos países ricos" em dois anos.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

socorro ao setor

Ajuda para aéreas será próxima grande medida nos EUA, diz secretário do Tesouro

Steven Mnuchin comentou com otimismo o novo pacote de estímulos lançado nesta manhã em conjunto com o Federal Reserve

entrevista

‘Talvez as grandes empresas tenham de pagar mais tributos’, diz presidente do Bradesco

Octavio de Lazari vê a economia encolhendo até 4% neste ano, pior até que a estimativa do próprio banco, de queda de 1%, e diz que o impacto fiscal terá de ser resolvido a partir de 2021

entrevista

‘Sem liquidez, empresas vão começar a quebrar’, diz presidente da GM na América do Sul

Para Carlos Zarlenga, única saída, diz, é BNDES liberar linhas de curto prazo ou o governo assumir a garantia para empréstimos dos bancos privados

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

emergência

Auxílio emergencial já pago soma R$ 1,5 bilhão, diz Caixa

Segundo informações do banco, o benefício já foi creditado na conta poupança de 2.150.497 clientes da Caixa, e outros 436.078 lançamentos serão realizados pelo Banco do Brasil ainda nesta quinta

180 dias para pagar

Caixa vai dar carência de seis meses para pagamento de financiamento imobiliário

Opção estará disponível a partir de segunda-feira para a compra de imóveis novos por qualquer linha de crédito; financiamentos em andamento já podiam optar por uma pausa de 90 dias nas prestações

agenda de brasília

Câmara adia votação de projeto de socorro a Estados para dia 13

Além de suspender o pagamento de parcelas de dívidas com a União e bancos, o projeto permite aos governadores tomar crédito novo no limite de até 8% de suas receitas

crise chegando

Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA chegam a 6,61 milhões

Total ficou bem acima da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, de 5 milhões de solicitações

diante da crise

BC autoriza emissão de letra de crédito imobiliário (LCI) por cooperativas

Segundo BC, medida tem potencial para impactar positivamente o setor imobiliário, propiciando condições para aumentar a concorrência e a oferta de produtos e de serviços no sistema financeiro

anticrise

BC libera R$ 3,2 bi em requerimento de capital no crédito para PME

Regra abrange as empresas com receita bruta anual entre R$ 15 milhões e R$ 300 milhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements