Menu
2020-01-29T14:34:03-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Rebatendo as críticas

Nenhum governo tem prática tão liberal quanto este, diz Salim Mattar

Secretário responsável pelas privatizações do governo Bolsonaro disse que gasta 80% do tempo para “descontruir o legado” que foi deixado por gestões anteriores

29 de janeiro de 2020
14:33 - atualizado às 14:34
salim mattar
Imagem: Fábio Ortolan

O governo de Jair Bolsonaro é liberal na economia? Coube a Salim Mattar, secretário especial de desestatização, desinvestimento e mercados, responder aos economistas Persio Arida e Arminio Fraga, que disseram ontem em evento promovido pelo Credit Suisse que o governo "é menos liberal do que diz ser".

No mesmo palco hoje pela manhã, Mattar concordou em parte com o diagnóstico. “Talvez este governo tenha um discurso mais liberal do que está praticando. Mas nunca governo nenhum teve uma prática tão liberal quanto este”, afirmou.

Sem citar nomes, o secretário disse que gasta 80% do tempo para “descontruir o legado” que foi deixado por gestões anteriores. Ele rebateu em particular a crítica de que o governo não teria acabado com o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

"Pedem para a gente acabar com o que eles mesmos criaram", disse, ao afirmar que o FAT é um projeto do senador José Serra.

Para acelerar o processo de privatizações, Mattar disse que o governo elabora uma espécie de “fast track”. A lei determina hoje que todas as operações hoje precisam ser conduzidas pelo BNDES.

Para este ano, a meta do governo é vender R$ 150 bilhões em ativos à iniciativa privada. Nos primeiros dias do ano já foram R$ 7,5 bilhões, segundo Mattar. O cronograma prevê a privatização de estatais como Telebras, Correios e EBC até janeiro de 2022.

Best seller a caminho?

O secretário falou sobre a experiência de trabalhar no governo, e revelou ter planos de escrever um livro sobre a passagem no setor público, que inclusive já tem título: "Minha Breve Passagem pelo Governo".

“Vai dar dois volumes, de tanta coisa que eu já vi”, disse. Mattar afirmou que vem anotando todos os casos que presenciou desde que chegou a Brasília, com dia, hora e os participantes envolvidos.

Ele disse que já chamou Paulo Uebel, secretário especial de desburocratização, para escrever o prefácio e “atestar que tudo o que está escrito é verdadeiro”.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

O varejo ferve

Renner mira compra da Dafiti com recursos da oferta de ações

Varejista anunciou captação de até R$ 6,5 bilhões na bolsa e pode usar os recursos para fazer uma proposta pelo e-commerce de moda

Pouso forçado

Demanda por voos deve encerrar o ano em menos da metade do nível pré-pandemia

O prejuízo total das companhias aéreas em 2021 deve ficar entre US$ 47 bilhões e US$ 48 bilhões, de acordo com a ação Internacional de Transporte Aéreo (Iata)

Agora vai?

Governo vai reduzir valor de arrecadação por áreas “micadas” do pré-sal em novo leilão

A arrecadação que o governo pretende receber pela exploração de dois campos do pré-sal foi reduzida em R$ 25,5 bilhões; novo leilão deve acontecer em dezembro

Mercado de capitais

FGTS embolsa quase R$ 900 milhões com venda de ações da Alupar em oferta

O fundo que reúne o dinheiro dos trabalhadores com carteira assinada tinha uma participação de 12% no capital do grupo de geração e transmissão de energia

O melhor do Seu Dinheiro

Tiradentes e as bolhas financeiras, o balanço da Netflix e outros destaques do dia

Joaquim José da Silva Xavier percebeu que alguma coisa estava fora da ordem ali pelos idos de 1789. A extração de ouro estava em franco declínio, mas a Coroa portuguesa não parava de exigir o quinto sobre tudo o que saía das Minas Gerais. Mais ou menos na mesma época, ideias surgidas na Europa que pregavam […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies