Menu
2020-09-16T11:59:03-03:00
Estadão Conteúdo
Em recuperação

Monitor do PIB apurado pela FGV aponta alta de 2,4% em julho ante junho

Em termos monetários, o PIB alcançou aproximadamente R$ 4,068 trilhões de janeiro a julho, em valores correntes. A taxa de investimento em julho de 2020 foi de 17,1% na série a valores correntes

16 de setembro de 2020
11:59
pib queda
Imagem: Shutterstock

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro avançou 2,4% em julho ante junho, segundo o Monitor do PIB, apurado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). Na comparação com julho de 2019, a economia teve redução de 6,1% em julho de 2020.

"A economia segue em trajetória de crescimento no mês de julho. Após ter em abril o seu pior momento econômico, reflexo da pandemia de Covid-19, é possível enxergar considerável melhora em todas as atividades econômicas. Apesar dessa melhora, o país segue com cenário de alta incerteza e com o nível de atividade em patamar ainda muito baixo e se recuperando muito lentamente", avaliou Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB-FGV, em nota oficial.

O Monitor do PIB antecipa a tendência do principal índice da economia a partir das mesmas fontes de dados e metodologia empregadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo cálculo oficial das Contas Nacionais.

Na comparação com julho de 2019, houve queda no PIB da indústria e de serviços, sob a ótica da oferta. Pela ótica da demanda, o único componente sem retração foi a exportação.

O consumo das famílias encolheu 6,6% em julho de 2020 ante julho de 2019. O consumo de produtos semiduráveis despencou 24,3%, enquanto o de bens duráveis teve retração de 2,6%, e o consumo de serviços caiu 11,4%. Por outro lado, o consumo de bens não duráveis subiu 3,5%.

Ainda sob a ótica da demanda, a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos no PIB) teve retração de 2,0% em julho deste ano ante julho do ano anterior. Houve perda de 8,1% no componente máquinas e equipamentos, mas avanços na construção (2,7%) e outros ativos fixos (1,5%).

Em termos monetários, o PIB alcançou aproximadamente R$ 4,068 trilhões de janeiro a julho, em valores correntes. A taxa de investimento em julho de 2020 foi de 17,1% na série a valores correntes.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Mercado agora

Ibovespa fecha em queda com descrença sobre possível recuo de ‘pedalada’

No exterior, expectativa em torno do primeiro debate entre os principais candidatos à presidência dos EUA inibiu apetite por risco

Fiador sem crédito

Investidores veem omissão de Guedes no Renda Cidadã e mostram cansaço com “Posto Ipiranga”

Agentes do mercado financeiro questionam voto de confiança no ministro da Economia como fiador da disciplina fiscal

recadinho

Relevância do cumprimento do teto no pós-crise será ainda maior, diz Tesouro

Tesouro Nacional reforçou o alerta de que é preciso acelerar as reformas para manter a confiança dos investidores e os juros baixos

impacto fiscal

Rombo nas contas do governo soma R$ 647,8 bilhões até agosto

O resultado, que reúne as contas do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central, sucede o déficit de R$ 87,835 bilhões de julho

GIGANTE DEBILITADO

Membro do Fed projeta contração de 3% do PIB dos EUA em 2020

Presidente da distrital de Dallas também estima crescimento de 3,5% da economia em 2021

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements