Menu
2020-11-30T19:30:58-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Balanço do mês

Após disparada, bolsa é um dos melhores investimentos de novembro; dólar foi o pior

Bitcoin lidera o ranking, seguido do Ibovespa, que subiu mais de 15%; piores desempenhos ficaram por conta do dólar e do ouro

30 de novembro de 2020
19:30
Touros e Ursos CAPA – Bolsa – Dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Novembro lavou a alma dos investidores de ações no Brasil. As boas notícias envolvendo as pesquisas para vacinas contra o coronavírus, bem como a eleição de Joe Biden para a presidência dos Estados Unidos, colocaram os investidores do mundo no modo "risk on" e fizeram as bolsas dispararem, inclusive aqui no Brasil, para onde os estrangeiros trouxeram uma quantia recorde de recursos.

Com isso, o Ibovespa fechou o mês em alta de 15,90%, aos 108.893,32 pontos, mas chegou a furar os 110 mil na máxima do período. Foi o melhor mês de novembro para a bolsa em 21 anos.

O Ibovespa perdeu apenas para ele, o bitcoin, que é também disparado o melhor investimento do ano. A criptomoeda avançou 30,50% em novembro e 258,54% em 2020, atingindo níveis recordes em moeda local ao ultrapassar a marca dos R$ 100 mil.

Com os investidores com mais apetite ao risco, o dólar e o ouro - principais reservas de valor em momentos de aversão a risco - amargaram as maiores perdas de novembro.

O dólar à vista recuou 6,83%, fechando o mês a R$ 5,3462, enquanto a cotação PTAX, calculada pelo Banco Central, fechou em baixa de 7,62%, a R$ 5,33. Os ETFs de ouro negociados na bolsa de Nova York fecharam com recuo de 5,40%.

Os melhores investimentos de novembro

O bitcoin bateu seu recorde em reais no mês de novembro, dando prosseguimento ao seu movimento de alta neste ano. Especialistas em criptomoedas atribuem a valorização a alguns fatores que mostram a institucionalização e a profissionalização do mercado cripto, o que tende a atrair cada vez mais investidores, inclusive institucionais.

Recentemente, os bancos centrais americano e europeu disseram estar considerando criar suas próprias moedas digitais, o que traz credibilidade à tecnologia dos criptoativos. A plataforma de pagamentos Paypal também anunciou, há pouco tempo, que passaria a oferecer compra e venda de criptomoedas.

Vacinas e eleições americanas impulsionam as bolsas

Já o Ibovespa foi impulsionado principalmente pelas notícias positivas sobre vacinas contra o coronavírus. Apenas neste mês, Moderna e Pfizer anunciaram eficácia superior a 90% para seus imunizantes contra o coronavírus. Já a vacina da AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford mostrou uma eficácia de 62%, o que já é considerado suficiente.

Assim, o mercado tenta antecipar o retorno ao "velho normal" e uma retomada econômica sem o obstáculo da pandemia, prevendo que, até meados de 2021, a vacinação em massa já terá ocorrido, pelo menos em boa parte do mundo.

Até por isso, tanto aqui como lá fora foi visto o fenômeno do "rotation trade", uma rotação de carteiras, com a vendas das ações mais valorizadas do ano - beneficiadas pela crise do coronavírus e pelo distanciamento social - e a compra de papéis muito depreciados de empresas tradicionais, que apanharam mais com a pandemia.

Vimos, assim, uma troca de ações de empresas de tecnologia e e-commerce, por exemplo, por ações de bancos, petroleiras, siderúrgicas, mineradoras e até companhias aéreas e empresas ligadas ao turismo. Ainda assim, as ações do "fique em casa" não ficaram necessariamente negativas no mês. Em alguns casos, tiveram simplesmente altas menores.

Outro fator que contribuiu para o maior apetite ao risco do investidor foram as eleições americanas, realizadas no início do mês. O pleito era visto como um fator de incerteza, risco que foi tirado do caminho. Além disso, a escolha do democrata Joe Biden foi bem recebida pelo mercado, uma vez que ele tende a ser mais favorável a gordos estímulos fiscais para acelerar a economia americana.

Mais estímulos significam mais recursos para os mercados. Até por isso, o mercado começou a precificar um dólar mais fraco globalmente sob Biden, um resultado de mais dólares na economia mundial.

Ao mesmo tempo, o fato de o Senado permanecer controlado pelos republicanos foi visto, pelos investidores, como algo que pode vir a conter tentativas do governo democrata de elevar impostos e regulamentar mais a economia, o que é positivo para as empresas americanas.

Emergentes despontam e dólar enfraquece

O fato de Biden ser um multilateralista e possivelmente não ter um estilo tão errático e impulsivo quanto Trump diante da China ou qualquer outro país nas negociações comerciais levou os mercados emergentes a se tornarem mais atrativos para os grandes investidores internacionais.

Num cenário de comércio internacional mais benéfico para esses países, com mais dólares no mundo e menor aversão a risco, dadas as perspectivas de recuperação econômica trazidas pelas vacinas, os recursos estrangeiros voltaram a fluir para os emergentes.

O Brasil, embora não esteja muito bem posicionado entre seus pares para aproveitar esse movimento, dado o nosso risco fiscal, conseguiu abocanhar um "pedacinho" desse fluxo, e recebeu cerca de R$ 30 bilhões em recursos estrangeiros em novembro, a maior quantia para um único mês da série histórica iniciada em 1995.

Essa entrada massiva de dólares impulsionou o Ibovespa, notadamente as ações das empresas de negócios tradicionais e muito prejudicadas pela crise, como as dos setores de petróleo, mineração e siderurgia, companhias aéreas, empresas de educação, construtoras e administradoras de shopping centers.

A entrada de recursos estrangeiros também contribuiu para o enfraquecimento do dólar ante o real neste mês. O ouro, tradicional ativo de proteção em épocas de crise, também fechou novembro em baixa com o maior apetite ao risco no mundo.

Risco fiscal ainda assombra

Apesar de as coisas estarem melhorando do ponto de vista econômico, com uma luz no fim do túnel para a pandemia e um governo americano que deve beneficiar os mercados mundiais, o Brasil ainda se encontra numa saia justa fiscal.

Ainda não temos soluções claras para o problema das contas públicas após termos elevado gastos para combater os efeitos econômicos da pandemia: nem sinal de definições quanto ao programa de renda básica que será adotado depois que o auxílio emergencial acabar, em dezembro, nem de privatizações ou andamento nas reformas estruturais, além de falas de membros do governo.

Até por isso o dólar não cede mais ante o real. Se permanecermos neste caminho, é bem possível, inclusive, que essa entrada de recursos estrangeiros na B3 seja passageira.

No entanto, um dos fatores que atrapalhavam o andamento da agenda econômica também foi tirado do caminho em novembro: as eleições municipais, cujo segundo turno foi realizado ontem. Assim, a expectativa do mercado é que as coisas comecem a caminhar, ainda que a passos lentos.

Com isso, os juros futuros tiveram um ligeiro alívio no acumulado do mês de novembro, sobretudo os mais longos. Isso contribuiu para a alta dos títulos públicos e debêntures prefixados e atrelados à inflação, que se valorizam quando os juros futuros caem.

O Tesouro Selic, porém, continuou sofrendo os efeitos do nosso mercado de juros disfuncional em razão do risco fiscal, e apresentou leve queda em novembro, em vez de uma valorização próxima à da taxa básica de juros, como costuma ser o "normal".

Em setembro, esses títulos já tinham apresentado retorno negativo, na medida em que os investidores passaram a exigir taxas mais altas para financiar um governo mais arriscado em um cenário de Selic a 2% ao ano. Em outubro, o Tesouro Selic teve leve recuperação, mas voltou a recuar em novembro.

Com isso, o título, que costuma ser usado para reserva de emergência das pessoas físicas, está perdendo da poupança nova, que atualmente paga apenas 0,12% no mês.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

agora vai?

Caixa Seguridade retoma análise de oferta de ações

Empresa também pretende aderir ao Novo Mercado, segmento de mais alto padrão de governança corporativa da B3; processo havia sido interrompido no ano passado

balanço do ano

Tesouro Direto encerra 2020 com quase 1,5 milhão de investidores ativos

No último mês de dezembro, a STN registrou 67.839 novos investidores ativos. Ao todo, o Tesouro Direto possui 9,2 milhões de investidores cadastrados

balanço

Apple tem lucro de US$ 28,76 bilhões e recorde de receita no 1º trimestre fiscal

Segundo o gerente financeiro da Apple, o desempenho foi puxado por um crescimento de dois dígitos em todas as categorias de produtos da empresa

seu dinheiro na sua noite

Quando as sardinhas engolem os tubarões

Como bem disse o economista John Maynard Keynes, “os mercados podem se manter irracionais por mais tempo do que você é capaz de se manter solvente”. Isso é especialmente verdade para quem resolve apostar na queda de um ativo e o vende a descoberto. E, nos últimos dias, alguns fundos de hedge americanos sentiram isso […]

MERCADOS HOJE

Ibovespa até tenta, mas discurso de Powell deixa a bolsa no vermelho; dólar vai a R$ 5,40

Cautela com recuperação econômica em escala global levou o Ibovespa a fechar em baixa e dólar acumular uma alta de 1,5%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies