🔴 ESTA CRIPTOMOEDA DISPAROU 4.200% EM 2 DIAS – VEJA SE VALE INVESTIR

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Balanço do mês

Após disparada, bolsa é um dos melhores investimentos de novembro; dólar foi o pior

Bitcoin lidera o ranking, seguido do Ibovespa, que subiu mais de 15%; piores desempenhos ficaram por conta do dólar e do ouro

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
30 de novembro de 2020
19:30
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Novembro lavou a alma dos investidores de ações no Brasil. As boas notícias envolvendo as pesquisas para vacinas contra o coronavírus, bem como a eleição de Joe Biden para a presidência dos Estados Unidos, colocaram os investidores do mundo no modo "risk on" e fizeram as bolsas dispararem, inclusive aqui no Brasil, para onde os estrangeiros trouxeram uma quantia recorde de recursos.

Com isso, o Ibovespa fechou o mês em alta de 15,90%, aos 108.893,32 pontos, mas chegou a furar os 110 mil na máxima do período. Foi o melhor mês de novembro para a bolsa em 21 anos.

O Ibovespa perdeu apenas para ele, o bitcoin, que é também disparado o melhor investimento do ano. A criptomoeda avançou 30,50% em novembro e 258,54% em 2020, atingindo níveis recordes em moeda local ao ultrapassar a marca dos R$ 100 mil.

Com os investidores com mais apetite ao risco, o dólar e o ouro - principais reservas de valor em momentos de aversão a risco - amargaram as maiores perdas de novembro.

O dólar à vista recuou 6,83%, fechando o mês a R$ 5,3462, enquanto a cotação PTAX, calculada pelo Banco Central, fechou em baixa de 7,62%, a R$ 5,33. Os ETFs de ouro negociados na bolsa de Nova York fecharam com recuo de 5,40%.

Os melhores investimentos de novembro

O bitcoin bateu seu recorde em reais no mês de novembro, dando prosseguimento ao seu movimento de alta neste ano. Especialistas em criptomoedas atribuem a valorização a alguns fatores que mostram a institucionalização e a profissionalização do mercado cripto, o que tende a atrair cada vez mais investidores, inclusive institucionais.

Recentemente, os bancos centrais americano e europeu disseram estar considerando criar suas próprias moedas digitais, o que traz credibilidade à tecnologia dos criptoativos. A plataforma de pagamentos Paypal também anunciou, há pouco tempo, que passaria a oferecer compra e venda de criptomoedas.

Vacinas e eleições americanas impulsionam as bolsas

Já o Ibovespa foi impulsionado principalmente pelas notícias positivas sobre vacinas contra o coronavírus. Apenas neste mês, Moderna e Pfizer anunciaram eficácia superior a 90% para seus imunizantes contra o coronavírus. Já a vacina da AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford mostrou uma eficácia de 62%, o que já é considerado suficiente.

Assim, o mercado tenta antecipar o retorno ao "velho normal" e uma retomada econômica sem o obstáculo da pandemia, prevendo que, até meados de 2021, a vacinação em massa já terá ocorrido, pelo menos em boa parte do mundo.

Até por isso, tanto aqui como lá fora foi visto o fenômeno do "rotation trade", uma rotação de carteiras, com a vendas das ações mais valorizadas do ano - beneficiadas pela crise do coronavírus e pelo distanciamento social - e a compra de papéis muito depreciados de empresas tradicionais, que apanharam mais com a pandemia.

Vimos, assim, uma troca de ações de empresas de tecnologia e e-commerce, por exemplo, por ações de bancos, petroleiras, siderúrgicas, mineradoras e até companhias aéreas e empresas ligadas ao turismo. Ainda assim, as ações do "fique em casa" não ficaram necessariamente negativas no mês. Em alguns casos, tiveram simplesmente altas menores.

Outro fator que contribuiu para o maior apetite ao risco do investidor foram as eleições americanas, realizadas no início do mês. O pleito era visto como um fator de incerteza, risco que foi tirado do caminho. Além disso, a escolha do democrata Joe Biden foi bem recebida pelo mercado, uma vez que ele tende a ser mais favorável a gordos estímulos fiscais para acelerar a economia americana.

Mais estímulos significam mais recursos para os mercados. Até por isso, o mercado começou a precificar um dólar mais fraco globalmente sob Biden, um resultado de mais dólares na economia mundial.

Ao mesmo tempo, o fato de o Senado permanecer controlado pelos republicanos foi visto, pelos investidores, como algo que pode vir a conter tentativas do governo democrata de elevar impostos e regulamentar mais a economia, o que é positivo para as empresas americanas.

Emergentes despontam e dólar enfraquece

O fato de Biden ser um multilateralista e possivelmente não ter um estilo tão errático e impulsivo quanto Trump diante da China ou qualquer outro país nas negociações comerciais levou os mercados emergentes a se tornarem mais atrativos para os grandes investidores internacionais.

Num cenário de comércio internacional mais benéfico para esses países, com mais dólares no mundo e menor aversão a risco, dadas as perspectivas de recuperação econômica trazidas pelas vacinas, os recursos estrangeiros voltaram a fluir para os emergentes.

O Brasil, embora não esteja muito bem posicionado entre seus pares para aproveitar esse movimento, dado o nosso risco fiscal, conseguiu abocanhar um "pedacinho" desse fluxo, e recebeu cerca de R$ 30 bilhões em recursos estrangeiros em novembro, a maior quantia para um único mês da série histórica iniciada em 1995.

Essa entrada massiva de dólares impulsionou o Ibovespa, notadamente as ações das empresas de negócios tradicionais e muito prejudicadas pela crise, como as dos setores de petróleo, mineração e siderurgia, companhias aéreas, empresas de educação, construtoras e administradoras de shopping centers.

A entrada de recursos estrangeiros também contribuiu para o enfraquecimento do dólar ante o real neste mês. O ouro, tradicional ativo de proteção em épocas de crise, também fechou novembro em baixa com o maior apetite ao risco no mundo.

Risco fiscal ainda assombra

Apesar de as coisas estarem melhorando do ponto de vista econômico, com uma luz no fim do túnel para a pandemia e um governo americano que deve beneficiar os mercados mundiais, o Brasil ainda se encontra numa saia justa fiscal.

Ainda não temos soluções claras para o problema das contas públicas após termos elevado gastos para combater os efeitos econômicos da pandemia: nem sinal de definições quanto ao programa de renda básica que será adotado depois que o auxílio emergencial acabar, em dezembro, nem de privatizações ou andamento nas reformas estruturais, além de falas de membros do governo.

Até por isso o dólar não cede mais ante o real. Se permanecermos neste caminho, é bem possível, inclusive, que essa entrada de recursos estrangeiros na B3 seja passageira.

No entanto, um dos fatores que atrapalhavam o andamento da agenda econômica também foi tirado do caminho em novembro: as eleições municipais, cujo segundo turno foi realizado ontem. Assim, a expectativa do mercado é que as coisas comecem a caminhar, ainda que a passos lentos.

Com isso, os juros futuros tiveram um ligeiro alívio no acumulado do mês de novembro, sobretudo os mais longos. Isso contribuiu para a alta dos títulos públicos e debêntures prefixados e atrelados à inflação, que se valorizam quando os juros futuros caem.

O Tesouro Selic, porém, continuou sofrendo os efeitos do nosso mercado de juros disfuncional em razão do risco fiscal, e apresentou leve queda em novembro, em vez de uma valorização próxima à da taxa básica de juros, como costuma ser o "normal".

Em setembro, esses títulos já tinham apresentado retorno negativo, na medida em que os investidores passaram a exigir taxas mais altas para financiar um governo mais arriscado em um cenário de Selic a 2% ao ano. Em outubro, o Tesouro Selic teve leve recuperação, mas voltou a recuar em novembro.

Com isso, o título, que costuma ser usado para reserva de emergência das pessoas físicas, está perdendo da poupança nova, que atualmente paga apenas 0,12% no mês.

Compartilhe

NOITE CRIPTO

A poucas horas do The Merge, bitcoin reage e passa a subir; confira cotações do BTC e do ethereum

14 de setembro de 2022 - 20:42

Mais cedo, a maior criptomoeda do mundo não refletia o ânimo dos investidores com o The Merge, chegando a recuar mais de 9%

ANOTE AÍ

The Merge do Ethereum (ETH): confira lista de plataformas e exchanges que terão as atividades suspensas durante atualização

14 de setembro de 2022 - 15:51

Por motivo de segurança, alguns aplicativos devem suspender as atividades durante a principal atualização do sistema

CRIPTO TOMANDO ESPAÇOS

Sistema internacional de pagamentos Swift inicia projeto com tecnologia blockchain — mas isso é seguro?

14 de setembro de 2022 - 11:52

O corte parcial do Swift foi um dos mecanismos utilizados pelos Estados Unidos para impor sanções à Rússia pela invasão da Ucrânia

DIA AGITADO PARA O INVESTIDOR

‘Revolta’ de mineradores um dia antes do The Merge do ethereum (ETH), bitcoin (BTC) em queda de 9%: confira tudo que movimenta o dia das criptomoedas

14 de setembro de 2022 - 9:29

Do outro lado do mercado, o token que registra a maior alta do dia é o Celsius (CEL), da plataforma que segue fora do ar e “travou” o dinheiro dos investidores há meses

NOITE CRIPTO

Terça-feira 13: bitcoin é mais uma vítima da inflação dos EUA; confira como o BTC reagiu ao dado

13 de setembro de 2022 - 20:25

A perspectiva de aperto monetário mais agressivo nos EUA derrubou o bitcoin e outros ativos considerados mais arriscados com as ações em Wall Street

WEB 3.0

Navegador Opera dá mais um passo em direção à Web 3.0 e integra wallet de criptomoedas Metamask ao seu sistema; entenda o que significa

13 de setembro de 2022 - 15:53

Em janeiro deste ano, o Opera já havia anunciado que passaria a integrar as carteiras de criptomoedas ao seu navegador

HOJE NÃO!

Bitcoin (BTC) não sustenta sétimo dia seguido de alta e passa a cair com inflação dos EUA; Ravecoin (RNV) dispara 63% com proximidade do The Merge

13 de setembro de 2022 - 10:28

O ethereum (ETH) passa por um período de consolidação de preços, mas o otimismo é limitado pelo cenário macroeconômico

PREPARE A PIPOCA

Terra (LUNA), o retorno: por que você não deve investir na criptomoeda que disparou 120% em uma semana

12 de setembro de 2022 - 15:19

Nos últimos sete dias, a “família Terra” registrou ganhos substanciais e gerou um grande fluxo de pesquisa sobre essa que foi uma das maiores criptomoedas do mundo

JOGADA ARRISCADA

Você trocaria ações da sua empresa por bitcoin? Michael Saylor, ex-CEO da Microstrategy, pretende fazer isso com o valor de meio bilhão de dólares

12 de setembro de 2022 - 11:51

Desde o começo do ano, o bitcoin registra queda de mais de 50% e as ações da Microstrategy também recuam 52%

QUE FIM DE SEMANA!

Bitcoin (BTC) atinge os US$ 22 mil pela primeira vez em quase um mês; criptomoedas disparam até 20% no acumulado da semana

12 de setembro de 2022 - 9:21

A mesma semana em que acontece o The Merge também é marcada por um elevado apetite de risco

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar