Menu
2020-03-06T19:46:39-03:00
Estadão Conteúdo
CORONAVÍRUS

Maior preocupação com o surto de coronavírus é pânico do mercado, diz economista

Segundo Borges, o pânico nos mercados ininterruptos há duas semanas pode trazer não-linearidades e podem gerar uma crise sistêmica. “Chance de pânico nos mercados gerar riscos de não-linearidades e crise sistêmica cresce.”

6 de março de 2020
19:46
braulio borges
Imagem: YouTube

O pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) e economista-sênior da LCA Consultores, Braulio Borges, avalia que a maior preocupação com o surto de coronavírus é o pânico que está ocorrendo no mercado financeiro. No seminário Perspectivas 2020 - 1º trimestre, evento realizado em parceria do Ibre/FGV com o jornal O Estado de S. Paulo, Borges destacou que o mundo está mais alavancado hoje e há menos espaço para políticas econômicas, já que boa parte das ferramentas foi usada na última crise global.

Segundo Borges, o pânico nos mercados ininterruptos há duas semanas pode trazer não-linearidades e podem gerar uma crise sistêmica. "Chance de pânico nos mercados gerar riscos de não-linearidades e crise sistêmica cresce."

Do ponto de vista de política monetária, Borges avaliou que a crise do coronavírus parece ser ligeiramente desinflacionaria. "Para mim, é mais para neutro por causa do câmbio."

De qualquer forma, o economista lembra que a inflação já dava espaço para corte de juros mesmo antes dessa crise e que, embora a mediana do Boletim Focus para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para 2021 esteja no centro da meta (3,75%), a média já está abaixo desse patamar. "A inflação mostra espaço para corte de juros."

Borges destaca, contudo, que a depreciação cambial tem efeitos negativos para a demanda e também para o balanço financeiro das empresas.

O Ibre espera queda dos juros para 3,75% este ano, informou a coordenadora do Boletim Macro da instituição, Silvia Matos.

Já o pesquisador do Ibre/FGV, Livio Ribeiro, questiona se um corte de juros de até 0,75 ponto porcentual da taxa Selic em um momento de pânico mudará o panorama da economia brasileira.

Mas Borges e Ribeiro concordam que a redução do diferencial de juros não parece ser o principal fator para a depreciação do real. "Alta do dólar é mais por causa do pânico dos mercados", disse Borges. Ribeiro notou que os juros eram de 14,25% em 2015 e hoje estão em 4,25%, então a potência dessa redução teria que aumentar agora para uma queda para faixa de 3% ter um efeito grande no câmbio, explica. "A questão do diferencial de juros mudou em 2018."

Para Ribeiro, o Brasil enfrenta problema de atratividade de capital, até porque, com as reformas, várias regras estão mudando e, mesmo que seja para melhor, o investidor tende a esperar a definição para fazer seus aportes. Ele avalia ainda que, no contexto atual, em relação aos pares latino-americanos, por exemplo, o mercado financeiro brasileiro é maior, portanto com maior liquidez, costuma ser o canal dos investidores para operar uma posição contrária no câmbio.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Boletim médico

Covid-19: Brasil tem 154 mil mortes e 5,27 milhões de casos acumulados

Atualmente há 397.524 pacientes em acompanhamento. De acordo com o Ministério da Saúde, 4.721.593 pessoas já se recuperaram da doença.

aperte o play

Netflix: 5 números que você precisa conhecer do resultado do terceiro trimestre

Spoiler: os investidores não gostaram do que viram… #SeuDinheiro

Mudanças no time

Weg anuncia renúncia de diretor de finanças e relações com investidores

A companhia divulga os seus resultados do terceiro trimestre na próxima quinta-feira (22)

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A bolsa voltou aos 100 mil pontos. Agora pra ficar?

A trilha sonora do mercado nesta terça-feira podia ser O Portão, o clássico de Roberto Carlos do refrão “Eu voltei, agora pra ficar. Porque aqui, aqui é o meu lugar…” O Ibovespa retomou o patamar dos 100 mil pontos depois de pouco mais de um mês. Difícil é dizer se a volta será definitiva. Em outubro, […]

Prévias operacionais

Cyrela tem crescimento de 46% em lançamentos e 58% em vendas no 3º trimestre

Segundo as prévias operacionais, construtora lançou R$ 2,589 bilhões e vendeu R$ 2,456 bilhões no período

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies