Menu
2020-06-29T09:42:02-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
olho no igp-m

Inflação do aluguel acelera a 1,56% em junho, diz FGV

Inflação medida pelo IGP-M ficou acima do que previa a mediana de mercado apurada pelo Projeções Broadcast, de taxa de 1,47%

29 de junho de 2020
9:41 - atualizado às 9:42
prédio aluguel
Imagem: Shutterstock

Conhecido como "inflação do aluguel", o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) avançou 1,56% em junho, informou nesta segunda-feira (29) a Fundação Getulio Vargas (FGV).

A inflação medida pelo indicador ganhou tração ante a taxa observada em maio, quando o indicador variou 0,28%.

A inflação medida pelo IGP-M ficou acima do que previa a mediana de mercado apurada pelo Projeções Broadcast, de taxa de 1,47%, mas dentro do intervalo de 1,19% a 1,71%.

Nos 12 meses encerrados em junho, o índice acumula alta de 7,31% - ante 6,51% em maio -, também acima da mediana de 7,22%, mas dentro do intervalo de 6,92% a 7,51%.

O principal responsável pela aceleração do IGP-M foi o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M), que registrou alta de 2,25% em junho, de 0,59% em maio. No ano, o grupo acumula taxa de 4,39% e, em 12 meses, de 9,77%.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M) também registrou aceleração e subiu 0,04%, depois de ter deflação de 0,60% na leitura de maio. Com o resultado, o índice acumula inflação de 0,41% em 2020 e de 1,76% nos 12 meses encerrados em junho.

O INCC-M subiu 0,32% na leitura de junho, após alta de 0,21% em maio. No ano, a inflação do grupo é de 1,69% e, no acumulado de 12 meses, a taxa atingiu 4,01%.

IPAs

Dentro do Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M), a maior aceleração foi observada no IPA industrial, que avançou 2,60%, após alta de 0,66% em maio. Com a aceleração, o índice passou a acumular taxa de 5,18% no ano e de 6,18% em 12 meses.

O IPA agropecuário também ganhou tração e subiu 1,29% em junho, de 0,40% em maio. O indicador acumula alta de 8,93% em 2020 e de 20,87% em 12 meses, de acordo com a FGV.

Na série por estágios de processamento, os bens finais inverteram o sinal e subiram 2,45%, após deflação de 0,02% em maio. A principal contribuição para a taxa partiu dos combustíveis para consumo, cujos preços subiram 22,14% em junho, após queda de 10,52% no mês anterior. O grupo tem alta de 2,68% no ano e de 6,32% em 12 meses.

Os bens intermediários também registraram inversão de sinal, com inflação de 1,70% em junho, após queda de 1,34% em maio. O resultado foi puxado pelo grupo combustíveis e lubrificantes para a produção, que saiu de deflação de 15,89% para alta de 6,12%. O grupo tem taxa de 1,19% no acumulado de 2020 e de 1,99% em 12 meses.

As matérias-primas brutas, na outra ponta, tiveram desaceleração de 3,11% em maio para 2,57% em junho, puxadas pela variação do minério de ferro (11,67% para 5,87%), soja em grão (7,0% para 1,43%) e café em grão (1,35% para -11,05%). Na outra ponta, pressionaram o grupo para cima o milho em grão (-7,3% para -2,53%), aves (-1,49% para 6,70%) e leite in natura (1,68% para 4,24%).

No acumulado de 2020, as matérias-primas brutas têm inflação de 15,32%. Nos 12 meses encerrados em junho, a taxa é de 22,45%.

Influências individuais

As principais influências para cima sobre o IPA partiram da gasolina automotiva (-10,12% para 38,16%); óleo diesel (-16,08% para 11,65%); farelo de soja (-5,21% para 9,12%) e carne bovina (0,72% para 4,90%), além do minério de ferro.

Por outro lado, ajudaram a conter o avanço do índice a mandioca (-7,19% para -3,99%), ovos (-8,72% para -3,02%) e tomate (0,52% para -35,24%), além do café em grão e do milho em grão.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Decisão cautelar

TCU proíbe governo Bolsonaro de anunciar em sites que exerçam atividades ilegais

Indícios de irregularidades na veiculação de propagandas do governo federal levaram o TCU a tomar a decisão cautelar, concedida pelo ministro Vital do Rêgo

PGR

Aras recomenda a Guedes mais transparência em gastos no combate à pandemia

A pedido de procuradores do MPF-PE, o procurador-geral da República, Augusto Aras, enviou recomendações para Guedes dar transparência aos gastos federais

Setor em destaque

Estatais de saneamento querem flexibilizar regras para contratar empréstimos

Com regras mais fáceis para a entrada do setor privado, as estatais de saneamento querem que a concessão de empréstimos ao segmento seja menos rigorosa

Preocupação ambiental

Para empresários, discurso do governo sobre desmatamento mudou

Após reunião com o vice-presidente Hamilton Mourão, empresários parecem satisfeitos quanto aos compromissos firmados pelo governo a respeito do desmatamento

O melhor do Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: O canto da sereia

Uma matéria alertando para os riscos do day trade foi a mais lida desta semana no Seu Dinheiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements