Menu
2020-05-28T09:41:15-03:00
Estadão Conteúdo
ECONOMIA

IGP-M desacelera a 0,28% em maio, de 0,80% em abril, revela FGV

No ano, o indicador acumula alta de 2,79% e, em 12 anos, de 6,51%.

28 de maio de 2020
9:41
Prédios
Imagem: Shutterstock

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) desacelerou de 0,80% em abril para 0,28% em maio, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quinta-feira (28). No ano, o indicador acumula alta de 2,79% e, em 12 anos, de 6,51%.

Pelos componentes do IGP-M, houve desaceleração do Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M), de 1,12% em abril para 0,59% em maio. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M) também contribuiu para a baixa do indicador ao registrar deflação de 0,60%, de alta de 0,13% no mês anterior. O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M), por sua vez, acelerou ligeiramente de 0,18% para 0,21% entre os dois meses.

IPAs

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) perdeu tração no IGP-M de maio e avançou 0,59%, após 1,12% em abril. A desaceleração do índice foi puxada pela descompressão dos preços ao produtor agropecuário, medidos pelo IPA Agrícola, cuja taxa teve alívio de 2,85% em abril para 0,40% em maio. Na outra ponta, o IPA Industrial, que mede os produtos industriais, teve leve aceleração de 0,49% para 0,66%.

Em 12 meses, a taxa do IPA cheio chega a 8,60% (de 8,54% em abril), enquanto os produtos agropecuários acumulam alta de 20,56% (17,55% em abril) e os produtos industriais, de 4,72% (ante 5,52%). No ano, as variações acumuladas são de 3,83%, 7,54% e 2,51%, respectivamente.

Na análise por estágios de produção, os bens intermediários tiveram a maior desaceleração e recuaram 1,34% em maio, após estabilidade (0,0%) em abril. O principal responsável pelo movimento observado no grupo foi o subgrupo de materiais e componentes para a manufatura, cuja taxa teve alívio de 3,10% para 0,23%. Os bens finais recuaram 0,02% em maio, contra taxa positiva de 0,01% em abril, puxados pela desaceleração dos alimentos in natura de 9,12% para 0,93%.

As matérias-primas brutas avançaram 3,11% em maio, de 3,44% em abril, com desaceleração puxada por milho em grão (2,01% para -7,30%), café em grão (10,07% para 1,35%) e laranja (3,68% para -10,76%). Na outra ponta, ajudaram a conter a baixa do grupo o minério de ferro (8,33% para 11,67%), bovinos (-2,92% para 0,33%) e aves (-5,26% para -1,39%).

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

novata na bolsa

HBR Realty sobe mais de 1% em primeiro dia na B3

Empresa, que atua no segmento de desenvolvimento e administração de propriedades, optou por formato diferente de IPO

em evento

BNDES diz que seguirá firme na estratégia de vender participação acionária

Segundo Montezano, a estratégia de desinvestimentos passa por se desfazer de participações acionárias em “empresas maduras”, como “Petrobras, Vale, Suzano, Klabin e AES Tietê”

futuro da companhia

Vaga na Eletrobras abre disputa no governo e pode definir futuro da estatal

Enquanto a área econômica do governo quer encontrar um executivo à altura de Ferreira Júnior, que acredite na capitalização da companhia, o mundo político aposta no ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque

economia circular

Enjoei planeja ampliar acordos com grandes marcas, diz CEO

Empresa, que já tem parceira com a C&A, quer tornar a experiência de compra e venda de itens usados “menos pensada”; papéis já subiram 60% desde IPO

executivo dos sonhos

Otimismo toma conta de investidores da BR Distribuidora com chegada de ex-CEO da Eletrobras

Trabalho feito pelo executivo na Eletrobras anima investidor quanto às perspectivas futuras da distribuidora de combustíveis

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies