Menu
2020-05-04T09:41:54-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
focus

Mercado passa a prever Selic a 2,75% e inflação abaixo de 2% em 2020

Boletim Focus mostra mudança nas estimativas das instituições financeiras também para o PIB e dólar

4 de maio de 2020
8:50 - atualizado às 9:41
Calculadora com sinal de porcentagem representando juros
Imagem: Shutterstock

O mercado financeiro reduziu as estimativas para a Selic, economia brasileira e inflação, ao passo que aumentou a projeção para o dólar em 2020, segundo o boletim Focus, do Banco Central. Os dados foram levantados em pesquisa com mais de 100 instituições financeiras.

A expectativa do mercado é de que a taxa básica de juros termine o ano a 2,75%, ante projeção de 3% da semana passada. Hoje, a Selic está em 3,75% e o Copom decide nesta semana uma possível redução.

Para o fim de 2021, a estimativa caiu de 4,25% para 3,75% ao ano. Ou seja, o esperado é que a taxa básica de juros volte a subir no próximo ano.

A taxa de câmbio pode terminar este ano a R$ 5,00, ante projeção de R$ 4,80. Na quinta-feira, o dólar terminou o dia cotado a R$ 5,43. A moeda americana acumula alta de 35% desde janeiro.

Ainda segundo o Focus, o IPCA deve ter um avanço de 1,97% em 2020 - a estimativa anterior era de 2,20%. A inflação tem desacelerado por causa da crise do novo coronavírus - foi de 0,07% em março, segundo o IBGE.

A expectativa para o IPCA está abaixo da meta central, de 4%, e do piso do sistema de metas, de 2,5% neste ano. O indicador pode ir até 5,5% sem que a meta seja descumprida - caso isso ocorra, o BC precisa escrever uma carta pública explicando os motivos.

Para o Produto Interno Bruto (PIB), a estimativa apontada no Focus é de uma queda de 3,76% em 2020. A projeção da segunda-feira passada era de uma baixa de 3,34%. No entanto, para o próximo ano as projeções seguem otimistas: de avanço de 3% da semana passada para alta de 3,2%.

As projeções para o crescimento da economia brasileira neste ano têm sido seguidamente reduzidas pelas instituições desde o início da crise do coronavírus. O próprio governo federal admite que não haverá avanço da economia neste ano. Para o FMI, a queda do PIB deve ser de 5,3%.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Retomando a pauta

Votação do marco do saneamento deve ser retomada no Senado

O novo marco do saneamento — projeto que facilita a atuação da iniciativa privada no setor — tende a voltar à pauta no Senado em julho

Atrasou demais

Conselho diz que não há tempo hábil para privatizar Cedae

Um estudo aponta que a Cedae, a companhia de água e esgoto do Rio de Janeiro, deverá parar nas mãos do governo federal por falta de tempo para conclusão do processo de privatização

Pouco atraente

Participação do Brasil na carteira do investidor estrangeiro cai a 0,3%

Os diversos riscos associados à alocação de recursos no Brasil fizeram o peso do Brasil na carteira dos investidores estrangeiros — a incerteza política e a fraqueza econômica aparecem como importantes fatores

SEU DINHEIRO NO SÁBADO

MAIS LIDAS: Crise? Que crise?

O recente rali da bolsa pegou todo mundo de surpresa — e, não à toa, a matéria elencando cinco razões que explicam essa onda de otimismo foi a mais lida do Seu Dinheiro nesta semana

Crise setorial

Indústria deve deixar de vender mais de 1,3 milhão de veículos neste ano

A crise do coronavírus afetou as linhas de produção de veículos e também diminuiu as vendas em todo o país. Como resultado, o setor prevê uma queda de 40% no total vendido no ano

Seu mentor de investimentos

Um filme de terror: inflação volta a ter destaque no cenário brasileiro

Ivan Sant’Anna faz um paralelo entre a inflação galopante do fim dos anos 80 e o atual cenário de virtual estabilidade na variação dos preços — e mostra preocupação com o comportamento do mercado nesse novo panorama

Recuperação na bolsa

Até onde vai o Ibovespa? Para a XP, o índice voltará aos 112 mil pontos ao fim de 2020

A XP Investimentos revisou para cima sua projeção para o Ibovespa ao fim de 2020, passando de 94 mil pontos para 112 mil pontos — um patamar que implica num potencial de alta de mais de 18% em relação aos níveis atuais da bolsa

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

Como se preparar para a nova Era do Empreendedorismo

Quando as coisas mudam tão drasticamente quanto nos últimos meses, pode ser difícil perceber, mas esses momentos criam as maiores oportunidades.

Dados atualizados

Mortes por coronavírus no Brasil vão a 34.973; infectados são 643.766

Na quinta-feira, havia 34.021 mortes registradas, segundo o Ministério da Saúde. O balanço diário totalizava 614.941 infectados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements