Menu
2020-11-23T09:10:51-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
PREÇOS EM ALTA

Economistas voltam a revisar para cima projeção para inflação em 2020

Segundo o Boletim Focus, mediana das estimativas indica uma alta de 3,45% do IPCA neste ano, 15ª semana de aumento

23 de novembro de 2020
9:10
inflação-real
Notas de real - Imagem: Ufuk Zivana/Shutterstock

Os economistas do mercado financeiro não param de reajustar para cima as perspectivas para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), principal indicador de inflação do País.

Segundo o Boletim Focus do Banco Central, que reúne as projeções dos economistas do mercado financeiro, a mediana das estimativas mostra uma alta de 3,45% do IPCA neste ano.

Esta foi a 15ª semana seguida de revisão positiva. Na semana passada, o relatório mostrava que os economistas esperavam um avanço de 3,25% do índice. Há quatro semanas, a mediana indicava um aumento de 2,99%.

Entre as instituições que mais se aproximam do resultado efetivo do IPCA no médio prazo, denominadas Top 5, a mediana das projeções para 2020 foi de 3,14% para 3,39%. Para 2021, porém, a estimativa do Top 5 passou de 3,36% para 3,31%. Quatro semanas atrás, as expectativas eram de 2,91% e 3,27%, respectivamente.

Economistas afirmam que a inflação no País está sendo bastante pressionada pela alta dos preços dos alimentos, puxados por fatores como a alta das cotações das commodities no mercado internacional e o câmbio, que favorece as exportações.

No começo do mês, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, disse que a pandemia também contribuiu para elevar os preços, uma vez que os brasileiros substituíram gastos com serviços por mais alimentação em casa.

As expectativas para o IPCA de 2021 também foram elevadas, passando de 3,22% para 3,40%. Há quatro semanas, a projeção era de alta de 3,10%.

Mesmo com a inflação em alta, os economistas não mudaram a projeção para a taxa básica de juros (Selic) em 2020, que permanece em 2,00% ao ano por 21 semanas seguidas. A mediana para 2021, por sua vez, subiu de 2,75% para 3,00% ao ano.

Economia melhorando

Ao mesmo tempo em que elevaram novamente as expectativas para inflação, os economistas ouvidos pelo BC melhoraram as projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano, ainda que indiquem contração da atividade.

A mediana aponta para uma queda de 4,55% da economia brasileira em 2020, menos que o recuo de 4,66% divulgado na edição passada do relatório e de 4,81% há quatro semanas.

Para 2021, a expectativa passou de 3,31% para 3,40%. Ainda assim, está levemente abaixo do que quatro semanas atrás (3,42%).

A economia vem apresentando sinais de melhora no segundo semestre. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), divulgado no dia 13 pelo Banco Central e considerado uma espécie de prévia do PIB, subiu 1,29% entre agosto e setembro, quinto avanço mensal consecutivo pela série ajustada sazonalmente.

Câmbio e contas públicas

Pela segunda semana consecutiva, os economistas reduziram a projeção para a taxa de câmbio entre real e dólar em 2020, de R$ 5,41 para R$ 5,38. A mediana das projeções para 2021 permaneceu em R$ 5,20.

A estimativa para a dívida líquida do setor público, como proporção do PIB, permaneceu em 67%. Já para o déficit primário, também como proporção do PIB, foi de 12% para11,80%.

O resultado primário considera o saldo entre receitas e despesas do governo, antes do pagamento dos juros da dívida pública. Levando em conta os juros, a estimativa foi de 15,56% para 15,51%.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Temos vacina!

Por unanimidade, Anvisa aprova uso emergencial da CoronaVac e da vacina de Oxford/AstraZeneca

Primeiros profissionais de saúde já foram vacinados em pronunciamento do governador de São Paulo, João Doria

Mais uma recomendação

Técnicos da Anvisa recomendam uso emergencial da vacina de Oxford/AstraZeneca

Mais cedo, área técnica havia defendido aprovação da CoronaVac

Ainda falta...

Anvisa devolve pedido de uso emergencial da Sputnik

Laboratório russo não apresentou os requisitos mínimos para que o pedido de uso emergencial pudesse ser analisado pela agência

Quase lá

Área técnica da Anvisa recomenda uso emergencial da CoronaVac

Diretores da agência analisam pedidos de uso de vacinas. No momento, a área técnica ainda faz a apresentação. Em seguida, a relatora do tema, diretora Meiruze Freitas lerá seu voto, com os outros quatro diretores da agência votando depois

coronavírus

Covid-19: Brasil tem 8,4 milhões de casos e 61 mil novos diagnósticos nas últimas 24h

Segundo ministério, 7.388.784 pacientes recuperaram-se da doença

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies